Domingo, 16 de Fevereiro de 2020
Produção

Confinamento já alcança 5 milhões de bois no país
São Paulo, SP, 03 de Dezembro de 2018 - Para acelerar os ganhos de produtividade, permitindo a ampliação da produção de carne bovina ao mesmo tempo em que cedem áreas de pastagens para a agricultura, os pecuaristas intensificaram o uso de grãos na alimentação do gado em ritmo mais acelerado que o previsto.

Levantamento recém-concluído pela multinacional holandesa DSM, empresa que detém 30% do mercado brasileiro de sal mineral para bovinos, mostrou que o número de bois engordados nos confinamentos do país alcançou em torno de 5 milhões neste ano.

A partir de entrevistas com 3 mil pecuaristas, a DSM estimou que 4,987 milhões de cabeças de bovinos foram "terminados" em confinamentos. Ou seja, passaram a última fase do processo de engorda - do boi magro até o animal pronto para o abate - no sistema intensivo. Na comparação com 2017, quando 4,850 milhões de bovinos foram confinados, o crescimento foi de 3%.

O levantamento, uma espécie de "censo" da pecuária intensiva no país, animou Marcos Baruselli, gerente de confinamento da DSM. Em entrevista concedida ao Valor em julho, o executivo estava mais conservador, estimando que os confinamentos do país atingiram a marca dos 5 milhões em 2020.

"Surpreendeu bastante. O que está acontecendo é uma intensificação muito forte da pecuária. O produtor rural está vendo que, se ele não produzir mais arrobas por animal, perde competitividade, e a pecuária passa a não ser tão atrativa", afirmou Baruselli. Para aumentar a velocidade da criação de bovinos, a dieta com grãos do confinamento é a grande opção.

Mas o confinamento tradicional não é a única forma de alimentar o gado com grãos. Nos últimos anos, os pecuaristas passaram a utilizar um modelo conhecido como "confinamento a pasto". Nesse modelo, os bois recebem uma dieta de grãos (milho e farelo de soja) muito semelhante à da estrutura dos confinamentos, onde os animais ficam lotados em um espaço reduzido, mas em cochos distribuídos na área de pastagem. Esse modelo, que é mais barato por não envolver investimentos na construção da estrutura do confinamento, avançou sobretudo em Mato Grosso, o maior Estado produtor de grãos.

Conforme as estimativas da DSM, outros 5 milhões de bois são alimentados, em maior ou menor medida, com grãos em modelos semelhantes ao "confinamento a pasto". Somados à atividade intensiva tradicional, são cerca de 10 milhões de bois abatidos por ano no Brasil criados de forma intensiva. Não é um número irrelevante, especialmente porque a criação de gado em fazendas extensas e pouco produtivas sempre foi uma característica da pecuária no país.

Considerando as 10 milhões de cabeças, cerca de um terço do gado abatido no Brasil consome grãos, segundo Baruselli. Em 2017, os frigoríficos com algum tipo de inspeção (federal, estadual ou municipal) abateram 30,8 milhões de animais, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O movimento de intensificação da pecuária deve continuar ao longo dos próximos anos, projeta o executivo da DSM. Segundo ele, é possível que em 2025 cerca de 10 milhões de bovinos sejam engordadas apenas no confinamento tradicional. Se as outras estratégias intensivas (como o confinamento a pasto) forem consideradas na conta, é "provável" que metade do gado abatido no Brasil seja alimentado com grãos, afirmou Baruselli.

Para os pecuaristas brasileiros, o movimento representa um ganho de produtividade, mas também impõe desafios. Isso porque a produção de gado bovino estará mais vinculada ao preço dos grãos. Em períodos de quebra de safra, o setor poderá sofrer mais.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 16/02
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)
Quinta-Feira, 13/02
CNA e Caixa Econômica discutem renegociação de dívidas e Crédito Rural (15:30)
FAESC apoia campanha de proteção ao agronegócio catarinense (15:27)
SBSA 2020: em debate, a inovação e o futuro da avicultura (12:54)
Luiz Carlos Giongo assume a presidência do Nucleovet (12:50)
Suínos: exportações firmes elevam preço do suíno no Brasil (12:26)
Boi: apesar da queda de 36% em janeiro, embarques à china seguem elevados (12:25)
Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre (12:22)
Abate de bovinos cai 1,8% no 4º trimestre de 2019 ante o 4º tri de 2018, diz IBGE (12:11)
ABPA e Apex-Brasil levam 14 agroindústrias para a Gulfood 2020 (08:45)
Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar (08:12)
Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro (08:07)
Suíno: preço da arroba permanece estável acima dos R$ 100 em SP (08:00)
Milho: 4ª feira termina com altas em Chicago e no Brasil (07:55)
Soja sobe forte no Brasil com dólar em recorde histórico e 4ª feira de altas em Chicago (07:50)
Quarta-Feira, 12/02
Adisseo apresenta pesquisa sobre micotoxinas em milho (14:49)
Mercado árabe é foco de ação de promoção da carne brasileira (12:24)
ABPA promove SIAVS durante IPPE 2020 (10:10)
Vai e vem da carne bovina no varejo (09:26)
BRDE reabre frigorífico em Umuarama (09:17)
Soja: mercado em Chicago mantém estabilidade nesta 4ª com foco nas relações China x EUA (09:10)
Estão abertas as inscrições online para o Congresso de Ovos 2020 (07:16)
PIB-Agro/CEPEA: Ramo pecuário cresce e mantém elevação do PIB (07:12)
Santa Catarina cria campanha de proteção ao agronegócio (07:07)
Suínos: dia de valorização nos preços (07:00)
MAPA prevê mais um recorde histórico para a safra de grãos: 251 milhões de toneladas (06:58)
Preços do milho brasileiro atingem maior patamar em 4 anos com demanda aquecida (06:57)
Soja no Brasil pode passar dos R$ 90 nos portos a partir do dia 15/02 (06:55)
USDA sobe safra de soja do Brasil para 125 mi de t e reduz estoques finais dos EUA; estoques de milho mantidos (06:50)
Terça-Feira, 11/02
Milho: ofertas do cereal ficaram mais restritas nos últimos dias no mercado paulista (14:43)
Boi: chuvas reforçam o poder de retenção do pecuarista (14:41)
Preço do ovo subiu 24,2% em uma semana nas granjas em São Paulo (12:28)
Soja caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (12:24)
PIB do agronegócio cresce 2,4% de janeiro a novembro de 2019 (12:22)
Conab apresenta novo recorde de grãos que chega a 251 milhões de toneladas (09:19)
Campanha na Europa defende a cobrança de nova taxa sobre carnes (08:59)
Ministério da Agricultura cria o ‘Núcleo China’ (08:52)
Desempenho do crédito rural na atual safra atinge R$ 116,7 bilhões em sete meses (08:38)
Suíno: semana começa com cotações positivas (07:08)
Alta demanda interna de ovos diminui exportações em janeiro (07:07)
Boi Gordo: cotação da arroba sobe em quinze praças pecuárias (07:04)
Milho: mercado tem altas pontuais no interior do Brasil de até 2,5% nesta 2ª feira (07:00)
Soja: preços no Brasil tem até R$ 1,50 a mais por saca com pequenas altas da CBOT e do dólar (06:58)
USDA pode reduzir estoques finais dos EUA e aumentar safra de soja do Brasil (06:55)