Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020
Política Agrícola

'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio'

"O agronegócio é o superávit da balança comercial brasileira", afirma Alexandre Mendonça de Barros, da MB Agro.
São Paulo, SP, 12 de Novembro de 2018 - Alexandre Mendonça de Barros lembra que no início dos anos 1990, quando era professor da USP, um vice-ministro de Agricultura da China visitou a universidade e foi muito claro quanto à postura de Pequim em relação à possibilidade de o país asiático se tornar um grande importador de produtos agropecuários: isso jamais aconteceria.

Naquele momento, a China não só tinha paranoia em relação à sua segurança alimentar como era exportadora líquida de alimentos, com superávit anual da ordem de US$ 2 bilhões. Mas sua gigantesca população continuou a crescer, a ganhar mais e a consumir produtos de maior valor agregado, o que obrigou a uma mudança de estratégia que, entre outros efeitos - o déficit comercial chinês nessa frente foi de US$ 80 bilhões em 2017 -, passou a beneficiar o Brasil, sobretudo a partir de meados da década passada.

Mendonça de Barros, hoje sócio-diretor da consultoria MB Agro, professor da Fundação Dom Cabral e um dos maiores especialistas em agronegócios do país, conta a história como um alerta: para um país tão dependente desse setor como o Brasil, é um erro tão grave entrar em conflito com parceiros como a China, entre outros, quanto vilipendiar a abertura de novos mercados.

Tanto quanto as tecnologias desenvolvidas pela Embrapa, afirma, a China foi fundamental para o desenvolvimento recente do Cerrado. Afinal, a forte demanda chinesa foi decisiva para catapultar a produção brasileira de soja - foram quase 120 milhões de toneladas na safra 2017/18, quatro vezes mais que no ciclo 2004/05 -, e esse avanço foi puxado pelas áreas do Centro-Oeste localizadas no bioma.

A partir desse forte crescimento, a soja se tornou o carro-chefe do agronegócio brasileiro tanto em valor bruto da produção, "da porteira para dentro", quanto nas exportações. De acordo com o Ministério da Agricultura, o VBP do grão deverá se aproximar de R$ 145 bilhões em 2018, enquanto a receita dos embarques está estimada em quase US$ 35 bilhões pelas indústrias do segmento (incluindo grão, farelo e óleo).

Diante desses números - e do fato de a China também ser grande importadora de carnes e ter potencial para ampliar as compras de um sem-número de produtos -, Mendonça de Barros reforça que é um grave equívoco do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) cogitar um endurecimento das relações com a China por causa da intenção daquele país de ampliar comércio e aportes no Brasil e, de alguma forma, ameaçar a soberania nacional.


Como o Brasil não tem o poder de barganha dos Estados Unidos nem os recursos de Washington para subsidiar agricultores prejudicados pelas rusgas comerciais provocadas pelo governo de Donald Trump, diz o agroeconomista, "é um absurdo imaginar entrar em conflito com os chineses".

Assim, ele recebeu com alívio a indicação de que sua preocupação é compartilhada pela deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), escolhida por Bolsonaro para ser a ministra da Agricultura de seu governo. Mas lembra que, se a embaixada da China no Brasil também encarou com bons olhos a posição da futura ministra, outras tantas esperam algum sinal positivo após declarações belicosas do presidente eleito.

"Os países árabes, por exemplo, já absorvem mais de 35% das exportações brasileiras de carnes bovina e de frango, e uma mudança da sede da embaixada do Brasil em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém [outra ameaça de Jair Bolsonaro] põe em risco essas vendas. Não podemos fechar portas para o agronegócio, que responde por 23% do nosso PIB e é o superávit da balança comercial, com exportações que superam US$ 100 bilhões", afirma. "No comércio exterior, não pode ter bola perdida".

Ao mesmo tempo em que é melhor não bater de frente com parceiros fundamentais para o setor e para o país, diz Mendonça de Barros, o Brasil precisa ficar atento para aproveitar chances derivadas de cotoveladas entre outros parceiros. "Veja o México. Em consequência dos problemas que enfrentou com os EUA, abriu espaço para ampliar as importações de grãos e carne vermelha de outros países. Mais uma chance para o Brasil, que tem que estar presente em todos os mercados", acrescenta.

Para Alexandre Mendonça de Barros, o Brasil fez a lição de casa para se tornar o grande exportador de alimentos que é inclusive do ponto de vista ambiental, o que torna extremamente temerárias tanto uma eventual saída do país do Acordo de Paris (compromisso internacional para reduzir a emissão de gases de efeito estufa) quanto uma fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente.

São duas bandeiras que o futuro governo Bolsonaro aparentemente não vai mais perseguir, mas que já geraram desconfianças no front internacional. "Temos o plantio direto, fizemos o Código Florestal e temos uma matriz energética que pode ser considerada limpa. Temos competência tecnológica e empresários rurais competentes. O mundo já sabe disso e não podemos colocar essa percepção em risco".

Mendonça de Barros aprova as negociações comerciais bilaterais propostas pelo presidente eleito, mas ressalva que não é por isso que as negociações em bloco devam ser abandonadas. "A União Europeia, por exemplo, é um mercado tradicional do agronegócio brasileiro e tem potencial para ampliar as compras de produtos de valor agregado. E a Argentina é uma importante compradora de veículos e vendedora de trigo. Nem todos os interesses com esses parceiros estão alinhados, mas é preciso negociar e cultivar essas relações".

(Valor) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)