Quinta-feira, 28 de Maio de 2020
Empresas

"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente
São Paulo, SP, 09 de Novembro de 2018 - "Nunca prometi prazo para virar o jogo". A franqueza de Pedro Parente pode até decepcionar investidores que, pouco meses atrás, se entusiasmaram com a indicação do executivo para a presidência do conselho de administração da BRF. No entanto, a direção está convicta de que esse é o caminho para tirar a BRF da maior crise de sua história.

Em entrevista por telefone ao Valor, Parente disse compreender a insatisfação dos investidores com a demora na reação da BRF. Ontem, dia em que a companhia divulgou o resultado do terceiro trimestre - com prejuízo de mais de R$ 800 milhões -, as ações da BRF recuaram 5,6%, para R$ 21 na B3. Foi a terceira maior queda do Ibovespa.


De acordo com Parente, a recuperação da BRF demanda tempo. A sinalização é que a rentabilidade da companhia só retomará os níveis históricos em 2020. Tentar abreviar isso seria um equívoco. Para o executivo, não se pode perder de vista que a empresa tem uma cadeia produtiva bastante longa. O ajuste na produção de frango demora alguns meses. Em suínos, são anos, afirmam especialistas do setor.

"As tentativas passadas de tentar abreviar esse processo [a longa cadeia produtiva] deram no que deram", disse Parente. "Não vamos prometer o que a gente não pode entregar", acrescentou.

Nesse sentido, ele se fia na única meta que já adiantou ao mercado. A BRF vai arrecadar R$ 5 bilhões com o plano de monetização - em torno de R$ 3 bilhões deverão vir com a venda dos ativos na Argentina, na Europa e na Tailândia, que será anunciada neste ano. Com isso, o índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado) da BRF tende a cair para 4,35 vezes até dezembro. Em setembro, esse índice estava em 6,7 vezes, nível considerado "preocupante" por analistas como Thiago Duarte, do BTG Pactual.

"O que prometemos foi um compromisso de alavancagem de 4,35 vezes [até dezembro] e terminar o ano que vem em 3 vezes", disse Parente. Dessas promessas, ele não arreda o pé.

Ao Valor, Parente e Lorival Luz, executivo que está sendo preparado para assumir o cargo de CEO da BRF em 2019, minimizaram os temores de que a espiral de endividamento coloque a empresa em xeque. "Se você olhar a posição de caixa, é mais que suficiente para pagar a dívida até o ano que vem", acrescentou Luz.

No fim de setembro, a companhia tinha R$ 6,3 bilhões em caixa, além de um crédito rotativo de US$ 1 bilhão (o equivalente a R$ 4 bilhões). Do outro lado, a BRF tem R$ 5 bilhões em dívidas a vencer entre o quarto trimestre e todo o ano de 2019. "O valor da dívida é bem inferior ao nosso caixa, e além disso tem todo o processo de geração de R$ 5 bilhões", ressaltou Luz, que hoje é vice-presidente executivo da BRF.

Parente também salientou que a constante queima de caixa da empresa vai se reverter no curto prazo, o que impediria um aumento da dívida. "Nós vemos claramente um fluxo de caixa positivo no quarto trimestre", disse ele, ressaltando que a empresa vai reverter o aumento da necessidade de capital de giro vista no terceiro trimestre em razão da formação de estoques de produtos natalinos e da aquisição de grãos - o terceiro trimestre é o período de colheita da segunda safra brasileira de milho.

Com essas perspectivas, Parente e Luz argumentaram que a BRF terá total tranquilidade - financeira - para atravessar 2019. A partir daí, a empresa voltaria à normalidade operacional. Parente não abre os números dessa normalidade, mas analistas calculam que a margem Ebtida histórica da BRF é de pouco mais de 10%. No terceiro trimestre, essa margem ficou abaixo de 5%.

Diante do caixa considerado confortável pela empresa, a BRF estaria menos suscetível a virar um alvo de investidores internacionais. A hipótese, inclusive de uma oferta hostil, voltou ao radar de investidores receosos com o nível de endividamento. "O único processo que está em andamento é o que anunciamos [de venda dos ativos na Argentina, Europa e Tailândia]", disse Parente.

Um candidata sempre citada é a americana Tyson Foods, que no passado manteve conversações com a BRF para uma possível fusão, por meio da troca de ações. Na quarta-feira, em uma rara entrevista

Agora, Tyson foca expansão no exterior), o CEO da Tyson, Noel White, disse que a empresa quer voltar seu foco para a expansão internacional - sobretudo no mercado da China.

White não citou o Brasil e tampouco a BRF, mas há quem diga que há lógica financeira na operação. Se no passado, quando discutiram a fusão, o valor de mercado de BRF e Tyson eram bem mais próximos, hoje a diferença é grande e uma aquisição - e não união - faria mais sentido. Enquanto a Tyson vale mais de US$ 22 bilhões na bolsa de Nova York, a BRF tem um valor de mercado equivalente a US$ 4,7 bilhões (R$ 17 bilhões. Com o fortalecimento do dólar, a diferença pode aumentar.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 28/05
Quarta-Feira, 27/05
Sindirações lança guia de boas práticas na indústria de alimentação animal para o enfrentamento da Covid-19 (15:23)
Milho: 4ª feira começa com resultados em campo misto na B3 (09:29)
PIB agropecuário crescerá até 2,5%,diz Ipea (09:13)
Mais proteína na cesta básica (09:12)
Soja em Chicago dá continuidade às últimas altas e segue em campo positivo nesta 4ª feira (08:50)
Agroindústrias de SC doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia (08:24)
Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia (08:21)
Suínos: cotações começam a ceder, principalmente para animal vivo (08:12)
Milho cai no mercado físico e na B3 nesta 3ª feira (08:10)
Boi: vencimentos futuros finalizam a 3ª feira com leves baixas na B3 (08:08)
Boi Gordo registra pouca oferta de boiadas e sem progresso nas escalas de abate (08:06)
Mercado climático pode fazer soja em Chicago buscar os US$ 9,00/bushel (08:00)
USDA: plantios de soja e milho avançam bem nos EUA e ficam dentro das expectativas (07:55)
Senado aprova prorrogação de vencimento de dívidas rurais (07:51)
Operações de embarque de grãos em berço de Paranaguá param após caso de Covid-19 (07:49)
Terça-Feira, 26/05
ACAV reitera compromisso firmado com o governo de SC em busca de soluções adequadas ao Estado (10:17)
Maioria dos funcionários da BRF volta ao trabalho em SC (08:49)
Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida (08:48)
Preços do milho andam de lado no mercado brasileiro (08:37)
Soja sobe em Chicago nesta 3ª feira, retomando negócios pós feriado nos EUA em campo positivo (08:36)
CNA e FEBRABAN discutem medidas estruturantes para o Agro (08:31)
Suíno: cotações mistas e altas mais discretas nesta segunda-feira (08:26)
Exportação de suínos deve ser recorde em maio; no caso das aves, preços vêm caindo (08:24)
Mais de 93% dos trabalhadores da BRF em Concórdia/SC voltam ao trabalho (08:18)
Em SP, antecipação do feriado deixou mercado do boi calmo (08:09)
Contratos futuros do boi finalizam a sessão desta 2ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:07)
Média diária exportada de carne bovina in natura teve um aumento de 34,54% frente ao ano passado (08:06)
Milho se movimenta pouco no mercado físico brasileiro (08:05)
Soja: semana começa com foco do produtor nos prêmios diante da pressão do dólar e de Chicago (08:00)
Exportação de soja do Brasil alcança 12,2 mi t no mês e já supera maio de 2019 (07:50)
Segunda-Feira, 25/05
Frigoríficos intensificam medidas em defesa dos trabalhadores (15:48)
Poedeira 051 e destinação de animais mortos são temas da Embrapa Suínos e Aves na Agrotins (10:38)
Poedeira 051 e destinação de animais mortos são temas da Embrapa Suínos e Aves na Agrotins (10:36)
Indústrias da Proteína Animal debatem conjuntura e situação de frigoríficos no RS (10:06)
Milho: com diferentes condições de mercado, preços são distintos dentre as regiões (10:04)
Soja: desvalorização internacional e queda do dólar pressionam valores no BR (10:02)
Investidores ampliam a pressão sobre as companhias do segmento nos EUA (09:47)
Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista (09:46)
Milho: vendedor está mais cauteloso com as variações do dólar (09:35)
Vendas de carne ficaram sustentadas pelo abate enxuto (09:34)
Novo webinar da Aviagen aborda nutrição de reprodutoras (09:21)
Milho inicia a semana com leves perdas na B3 (09:04)
Poder de compra do pecuarista frente ao milho caiu 18,1% na comparação anual (08:14)
Preço do suíno subiu nas granjas paulistas (08:12)
Suíno: mercado esfria e cotações ficam, na maioria, estáveis (07:40)
Milho fecha semana de forma lenta no mercado físico (07:38)
Boi Gordo: fim de safra sólido (07:36)
Aurora firma acordo nacional com o MPT para combater Covid-19 nos frigoríficos (07:02)
Empresa alimentícia de Arapongas desmente demissão em massa (07:00)
Milho: confira o que vai influenciar os preços nesta semana (02:57)
Sexta-Feira, 22/05
Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários (16:13)
Vetanco investe em tecnologia de precisão na análise da qualidade do ovo (11:10)
Decreto vai regular normas a frigoríficos para evitar fechamentos e abates sanitários, diz ABPA (10:00)
Vibra anuncia investimentos de R$ 500 milhões em Soledade, RS (09:59)
SC seguirá protocolo nacional de orientações a frigoríficos frente à Covid-19 (09:54)
Frango/CEPEA:com exportação firme e procura elevada também no Brasil, preço interno sobe (09:11)
Preços da carne bovina recuaram no varejo (09:07)
Soja em Chicago dá continuidade às baixas, mas de forma mais limitada nesta 6ª feira (09:00)
Segunda quinzena do mês trouxe aumentos mais tímidos ao preço do suíno no mercado independente (07:39)
Export/CEPEA: exportação do agro cresce 6% no 1º quadrimestre de 2020 (07:36)
Suinocultor paulista já tem R$ 70 de prejuízo por cabeça com alta nos custos de produção e queda da demanda interna (07:35)
Suíno: animal vivo segue com valorizações (07:34)
Estoques de carne dos EUA recuam com frigoríficos fechados por coronavírus (07:31)
JBS retoma abates em unidade de Passo Fundo após surto de coronavírus (07:30)
Mercado do boi está atento ao consumo doméstico (07:29)
China paga menos pela carne bovina brasileira (07:28)
Milho: compradores e vendedores seguem afastados do mercado no Brasil nesta 5ªfeira (07:26)
Soja: Chicago fecha com mais de 1% de queda (07:25)