Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020
Política Agrícola

Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro

Para setor, fracasso de eventual governo do capitão abriria portas da cadeia para Lula.
São Paulo, SP, 15 de Outubro de 2018 - O agronegócio foi um dos responsáveis pela colocação de Jair Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial. O setor promete repetir a dose no dia 28, quando será decidido o futuro presidente do país.

Há preocupações, porém, nas lideranças do setor. Uma delas é com a inexperiência do candidato em cargos do Executivo. Ele se cercou de um pequeno grupo, e as diretrizes de governo ainda não estão claras.

Um eventual fracasso de Bolsonaro na Presidência, se for eleito, como mostram as pesquisas, será o caminho mais rápido para a saída do ex-presidente Lula da cadeia, diz um representante do setor.

Um dos temores é a instalação de um radicalismo no governo, que poderá vir de uma aura de autossuficiência.

Um exemplo citado por uma das lideranças: a possível fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, como sugerida, só traria mais radicalismos no setor, gerando discussões desnecessárias.

O caminho do ambiente e do bem-estar dos animais passou a ser uma questão universal e, se não for adiante no Brasil, colocará o país na contramão das exigências internas e externas.

São necessários equilíbrio e sensatez nesses temas, segundo essa liderança.

O setor espera que, em uma futura formação de governo, o responsável pela agricultura tenha visão moderna e de longo prazo. Há um temor de que seja indicado alguém fora desse perfil.

Para um representante da pecuária, o voto no candidato tem sido por exclusão. Há uma frustração contra tudo e contra todos, e não apenas contra o PT.

O agronegócio, porém, tem de ficar atento aos próximos passos de Bolsonaro, se eleito. Parte das pessoas que o cercam gera preocupações, acrescenta.

Quem comandar o Ministério da Agricultura vai lidar não só com problemas internos, como a defesa sanitária, mas também com demandas externas crescentes.

E os problemas externos se tornam cada vez mais complexos. Vão desde o aumento do protecionismo à guerra comercial entre os líderes da economia mundial.

O agronegócio não está sozinho em uma composição de governo. Deve estar ligado a outros ministérios, como Fazenda, Desenvolvimento e Relações Exteriores.

O governo deve ter uma visão comercial conjunta, voltada tanto para os problemas internos como para os externos. Um governo sem esse enfoque pode ser um desastre para o campo.

Segundo o setor, será um período difícil, que exigirá diálogo e negociações. A atitude menos recomendável será a de trazer novos conflitos nas discussões.

Daí a recomendação de um ex-participante do governo federal de que o setor tem de oferecer apoio a quem for eleito, mas exigir que ele zele pelo que já foi conquistado.

Se o eleito não tiver condições de gerir os problemas, o agronegócio tem de ser orientador e mentor dele, segundo uma das fontes.

O vocabulário agrícola não aceita a palavra erros. O setor tem de se mobilizar para evitar uma situação de insegurança, diz um ex-ocupante de um cargo executivo.

É o que o agronegócio começa a fazer. Membros da bancada ruralista já iniciaram, nesta semana, um diálogo com o líder das pesquisas para a formação mais apropriada de governo para o setor.

A conjugação da inexperiência do candidato no Executivo e uma eventual proximidade de pessoas despreparadas para as funções seria um caminho certo para um potencial desastre no campo, segundo eles.

Safra

A colheita de grãos da safra 2018/19 deverá ficar entre 234 milhões e 238 milhões de toneladas, de 2,5% a 4,7% a mais do que a de 2017/18.

Soja

Os dados são do primeiro levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que prevê, ainda, uma safra de até 119 milhões de toneladas de soja e de 91 milhões de milho para o período.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)