Sexta-feira, 29 de Maio de 2020
Mercado

FGV: Câmbio deixa commodities mais caras e acelera IGP-10 de setembro
Rio de Janeiro, RJ, 17 de Setembro de 2018 - O câmbio teve papel decisivo na aceleração da taxa do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) entre agosto e setembro, de 0,51% para 1,20%, informou André Braz, economista da Fundação Getulio Vargas (FGV). Ao falar sobre a taxa maior do indicador, ele explicou que a desvalorização do real frente à moeda americana acabou por puxar para cima preço de commodities no exterior, com impacto nos preços do mercado doméstico.

Isso, na prática, fortaleceu a inflação atacadista, apurada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do índice e que passou de 0,64% para 1,76% de agosto para setembro. Como não há sinais de perda de fôlego do dólar em alta, a perspectiva é que os Índices Gerais de Preços (IGPs) comecem a se aproximar da faixa de 1% ainda este mês, alertou ele.

A inflação de materiais para manufatura, usado para mensurar impacto do câmbio na inflação atacadista, devido à grande presença de commodities e importados, subiu de 0,6% para 1,27%, informou ele.

Entre as commodities, o impacto do dólar em alta atingiu tanto as de origem agropecuária quanto mineral. É o caso das acelerações de preços, e fim de deflação, observadas entre agosto e setembro em minério de ferro (de 0,27% para 10,15%); soja em grão (3,59% para 3,82%); e milho em grão (de -3,01% para 8,43%). Todas as três commodities têm peso expressivo no cálculo do IPA, respectivamente de 4,95%; de 5,84%; e de 2,32%.

“Quando nossa moeda enfraquece, pagamos caro por commodity, mesmo que tenhamos todas elas abundantes aqui no Brasil, se o preço é cotado a moeda internacional”, resumiu ele.

Outro produto que deve começar a subir por conta do dólar é o trigo, acrescentou o técnico. Atualmente, a deflação no produto se aprofundou (-0,28% para -1,70%), mas como o país não produz tudo que consome, e parte da demanda é importada, a recente desvalorização cambial também vai afetar o preço do item em breve.

Esses aumentos acendem sinal de alerta para possíveis aumentos de preço nos alimentos do varejo nas próximas apurações dos IGPs, notou Braz. Isso porque todos contam com cadeia de derivados expressiva em alimentação.

Por enquanto, a inflação dos alimentos está comportada, em 0,01% no IGP-10 anunciado hoje - o que ajudou na desaceleração da taxa do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de 0,14% para 0,08%. Mas, em agosto, os preços nessa classe de despesa caíam 0,37%, alertou o especialista.

Braz comentou que o atual movimento de dólar em alta bem como a permanência em patamar elevado tem surpreendido o mercado. Ele citou vários fatores que justificam o cenário, como período eleitoral, quando a moeda brasileira sempre mostra sinais de desvalorização; guerra comercial entre Estados Unidos e China, e aumento de juros americanos.

Mas, observou que, nesse caso, o que mais chama atenção é a continuidade deste fenômeno. Ele frisou que, quanto mais tempo o dólar se manter em patamar acima de R$ 4,10, mais o câmbio terá força para influenciar para cima a inflação. “O câmbio nesse patamar começa a ‘arrastar’ todos os preços”, admitiu.

Além disso, a surpresa com a manutenção do dólar em alta veio em um cenário em que o atacado tem que lidar com os recentes aumentos de combustíveis nas refinarias pela Petrobras, acrescentou. No atacado, a inflação de combustíveis para consumo saltou de 1,38% para 3,40%, com acelerações de preços em gasolina (1,36% para 4,86%) e diesel (estabilidade para 4,63%).

O técnico comentou que há uma chance de taxa de câmbio menor após definição do pleito presidencial, no fim de outubro, pois isso retiraria a incerteza eleitoral como influência a desvalorizar o Real. Mas observou que, até lá, é possível que os IGPs continuem em alta, pressionados por commodities mais caras, influenciadas por dólar em alta, reconheceu.

(Valor) (Alessandra Saraiva)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)
Quinta-Feira, 28/05
Por um país mais cooperativo, por Francisco Turra (10:17)
Milho começa a 5ª feira subindo na B3 e em Chicago (09:35)
Frigoríficos temem perder mercado após interdições por Covid-19 (09:30)
BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda (09:19)
Frango Americano projeta crescimento de 30% com apoio do Governo do Tocantins (09:18)
Pandemia já afeta produção de carne bovina (09:15)
Pela primeira vez, produção global de carne de frango deve ser maior que a de proteína suína (09:11)
Aviagen Brasil mostra espírito solidário com doações no interior de São Paulo (09:04)
Soja caminha de lado em Chicago nesta 5ª feira (08:32)
Suínos: vendas aumentam e elevam preços em maio (08:15)
Boi Gordo: mercado externo aquecido e menor oferta interna sustentam preços (08:13)
Indústrias estão oferecendo mais pela arroba do boi gordo (08:10)
Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar (08:03)
Soja brasileira está US$0,10/bushel mais cara que a americana (08:00)
Quarta-Feira, 27/05
Sindirações lança guia de boas práticas na indústria de alimentação animal para o enfrentamento da Covid-19 (15:23)
Milho: 4ª feira começa com resultados em campo misto na B3 (09:29)
PIB agropecuário crescerá até 2,5%,diz Ipea (09:13)
Mais proteína na cesta básica (09:12)
Soja em Chicago dá continuidade às últimas altas e segue em campo positivo nesta 4ª feira (08:50)
Agroindústrias de SC doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia (08:24)
Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia (08:21)
Suínos: cotações começam a ceder, principalmente para animal vivo (08:12)
Milho cai no mercado físico e na B3 nesta 3ª feira (08:10)
Boi: vencimentos futuros finalizam a 3ª feira com leves baixas na B3 (08:08)
Boi Gordo registra pouca oferta de boiadas e sem progresso nas escalas de abate (08:06)
Mercado climático pode fazer soja em Chicago buscar os US$ 9,00/bushel (08:00)
USDA: plantios de soja e milho avançam bem nos EUA e ficam dentro das expectativas (07:55)
Senado aprova prorrogação de vencimento de dívidas rurais (07:51)
Operações de embarque de grãos em berço de Paranaguá param após caso de Covid-19 (07:49)
Terça-Feira, 26/05
ACAV reitera compromisso firmado com o governo de SC em busca de soluções adequadas ao Estado (10:17)
Maioria dos funcionários da BRF volta ao trabalho em SC (08:49)
Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida (08:48)
Preços do milho andam de lado no mercado brasileiro (08:37)
Soja sobe em Chicago nesta 3ª feira, retomando negócios pós feriado nos EUA em campo positivo (08:36)
CNA e FEBRABAN discutem medidas estruturantes para o Agro (08:31)
Suíno: cotações mistas e altas mais discretas nesta segunda-feira (08:26)
Exportação de suínos deve ser recorde em maio; no caso das aves, preços vêm caindo (08:24)
Mais de 93% dos trabalhadores da BRF em Concórdia/SC voltam ao trabalho (08:18)
Em SP, antecipação do feriado deixou mercado do boi calmo (08:09)
Contratos futuros do boi finalizam a sessão desta 2ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:07)
Média diária exportada de carne bovina in natura teve um aumento de 34,54% frente ao ano passado (08:06)
Milho se movimenta pouco no mercado físico brasileiro (08:05)
Soja: semana começa com foco do produtor nos prêmios diante da pressão do dólar e de Chicago (08:00)
Exportação de soja do Brasil alcança 12,2 mi t no mês e já supera maio de 2019 (07:50)
Segunda-Feira, 25/05
Frigoríficos intensificam medidas em defesa dos trabalhadores (15:48)
Poedeira 051 e destinação de animais mortos são temas da Embrapa Suínos e Aves na Agrotins (10:38)
Poedeira 051 e destinação de animais mortos são temas da Embrapa Suínos e Aves na Agrotins (10:36)
Indústrias da Proteína Animal debatem conjuntura e situação de frigoríficos no RS (10:06)
Milho: com diferentes condições de mercado, preços são distintos dentre as regiões (10:04)
Soja: desvalorização internacional e queda do dólar pressionam valores no BR (10:02)
Investidores ampliam a pressão sobre as companhias do segmento nos EUA (09:47)
Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista (09:46)
Milho: vendedor está mais cauteloso com as variações do dólar (09:35)
Vendas de carne ficaram sustentadas pelo abate enxuto (09:34)
Novo webinar da Aviagen aborda nutrição de reprodutoras (09:21)
Milho inicia a semana com leves perdas na B3 (09:04)
Poder de compra do pecuarista frente ao milho caiu 18,1% na comparação anual (08:14)
Preço do suíno subiu nas granjas paulistas (08:12)
Suíno: mercado esfria e cotações ficam, na maioria, estáveis (07:40)
Milho fecha semana de forma lenta no mercado físico (07:38)
Boi Gordo: fim de safra sólido (07:36)
Aurora firma acordo nacional com o MPT para combater Covid-19 nos frigoríficos (07:02)
Empresa alimentícia de Arapongas desmente demissão em massa (07:00)
Milho: confira o que vai influenciar os preços nesta semana (02:57)