Domingo, 23 de Fevereiro de 2020
Mercado Externo

CNA defende maior inserção do Agro no mercado internacional

João Martins discursou na abertura do ENAEX 2017, no Rio de Janeiro, sobre a competitividade das exportações brasileiras
Rio de Janeiro, RJ, 10 de Agosto de 2017 - Ao discursar na abertura do Encontro Nacional de Comércio Exterior (ENAEX 2017), o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, afirmou que “mais do que gerar superávits na balança comercial, queremos aumentar os fluxos de comércio do Brasil”.

Promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), o ENAEX 2017 reuniu nesta quarta (9), no Rio, lideranças do setor produtivo, autoridades e especialistas em torno do tema “Reduzir Custos para Exportar, Reindustrializar e Crescer”. O presidente da República, Michel Temer, também esteve na abertura.

Em seu discurso, o presidente da CNA afirmou que “por meio da dedicação dos nossos produtores e de todo o investimento em tecnologia que realizamos”, a agropecuária brasileira hoje é globalizada. O país, no entanto, precisa de uma política comercial clara, contínua, e a ampliação da presença brasileira em mercados externos deve ser uma estratégia de longo prazo.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), disse Martins, mostra que "sem as políticas atuais de apoio doméstico ao produtor, adotadas pelos países, o comercio internacional de produtos agrícolas seria maior".

“Subsídios à produção ainda são os que têm mais impacto no comércio agrícola e prejudicam os produtores brasileiros”, afirmou o presidente da CNA. E concluiu que para garantir e manter a competitividade da agropecuária brasileira, “precisamos garantir um limite máximo de subsídio por país, de acordo com sua produção”.

Martins falou também que é preciso investimentos em infraestrutura e, mais do que isso, “precisamos desburocratizar o processo de exportação”. Outro ponto levantado pelo presidente da CNA foi a necessidade de se evitar que novas regulamentações se tornem barreiras aos nossos produtos. “Agora é o momento de reduzir barreiras aos investimentos e ao comércio com nossos parceiros”.

O produtor, afirmou Martins, "está fazendo o dever de casa, adotando sustentabilidade, tecnologia e inovação, como base do desenvolvimento da sua produção". E é preciso enxergar o atual período como uma “oportunidade para inovar, para desenvolver novas ideias e gerar as transformações necessárias para a implementação da politicas de médio e longo prazo”.

“Precisamos promover mudanças que levem nosso país ao crescimento sustentável. Esta é uma tarefa não apenas dos representantes políticos, mas também da sociedade. O setor agropecuário tem o dever de participar desse momento de renovação e, com sua agenda, vai contribuir com o desenvolvimento do nosso país”, afirmou.

O presidente Michel Temer, que discursou na abertura do ENAEX 2017, afirmou que em relação à produção agrícola brasileira, não bastam safras recordes, é preciso escoá-la com eficiência, e o governo está disposto a investir cada vez mais em ferrovias, portos e rodovias, a partir dos programas de concessões ao setor privado.

O presidente da AEB, José Augusto de Castro, elogiou o desempenho da agropecuária brasileira, responsável principal pelos superávits da balança comercial, mas reclamou que o "custo Brasil continua a afetar todo as nossas exportações".

Já o ministro dos Transportes, Maurício Quintela, reconheceu que é dever do governo estabelecer "as melhores condições para o fortalecimento das vendas externas do país", citando medidas oficiais de melhoria dos portos.
(CNA) (Assessoria de Imprensa )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 23/02
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)