Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Exportações de grãos rumo a novos recordes
São Paulo, SP, 07 de Agosto de 2017 - O volume das exportações brasileiras de soja e milho continuam a confirmar as expectativas e a caminhar para novos recordes neste ano. Embalados por colheitas recorde no país na safra 2016/17, os embarques da oleaginosa vão superar com folga a marca de 60 milhões de toneladas, ao passo que os do cereal tendem a somar, na pior das hipóteses, 30 milhões.

Levantamento da Associação Nacional dos Exportadores (Anec) baseado nas cargas que efetivamente já partiram dos portos apontou que, em julho, os envios de soja ao exterior atingiram 6,4 milhões de toneladas, 1,5 milhão a mais que no mesmo mês de 2017, e já alcançaram 51,9 milhões de toneladas nos primeiros sete meses do ano, aumento de 17% sobre igual intervalo de 2016.

A entidade estima que os embarques vão chegar a entre 61 milhões e 62 milhões de toneladas neste ano, mas o volume poderá ser até maior. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa grandes tradings, elevou sua projeção para 64 milhões de toneladas em relatório divulgado na sexta-feira, 1 milhão a mais que o previsto no fim de junho e volume 24% superior ao do ano passado.

Nos cálculos da Abiove, as exportações do grão vão render US$ 23,4 bilhões em 2017, um incremento de 22,8% em relação a 2016. Somando-se farelo e óleo, os embarques do chamado "complexo soja" deverão chegar a US$ 29,7 bilhões neste ano, 16,9% acima do ano passado.

Enquanto os volumes das exportações de soja começam a diminuir, dado o forte ritmo dos últimos meses, os de milho colhido na segunda safra já apresentam aumento expressivo. Segundo a Anec, somaram 3,3 milhões de toneladas em julho, ante mesmo de 1 milhão em junho e 2,3 milhões em julho de 2016. Segundo a entidade, foi o maior volume de milho já embarcado em um mês de julho, e as exportações totais tendem a chegar a 30 milhões de toneladas no ano. Algumas consultorias, porém, já preveem 34 milhões.
(Valor Econômico) (Fernando Lopes e Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 27/02
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)