Nutrição


Ovos como alimento funcional


O conceito de “Alimentos Funcionais” surgiu pela primeira vez na década de 1980, quando o Ministério da Saúde e Bem-Estar do Japão instigou um sistema regulatório para alimentos que possuíssem benefícios para a saúde, com o objetivo de melhorar a saúde geral da população do país e manter um controle sobre os crescentes custos de saúde. Desde então, diferentes países adotaram uma idéias diferente de alimento funcionais em termos de definições, escopo e estrutura regulatória, mas não existe uma definição unicamente universal para alimentos funcionais, e um alimento pode ser considerado funcional se tiver efeitos benéficos sobre as funções-alvo no organismo, além dos efeitos nutricionais de uma maneira que seja relevante para a saúde e o bem-estar e / ou a redução da doença (Diplock et al., 1999).

O ovo é um alimento utilizado pelo homem a muitos anos como uma fonte barata de proteínas, sendo muito rico em outros nutrientes como vitaminas, minerais e ácidos graxos (Rêgo et al., 2012; Surai & Fisinin, 2015) o que o torna um alimento funcional. Eles são amplamente reconhecidos como um alimento que contém um bom equilíbrio de todos os nutrientes conhecidos, exceto a vitamina C. Muitas substâncias bioativas lipofílicas e vitaminas lipossolúveis são prontamente incorporadas na gema quando são adicionadas à dieta da galinha poedeira (Austic, Hsu , & Lartey,2018).

Nos últimos anos, tem ocorrido um aumento no consumo de ovos, tornando, assim, a indústria avícola em um dos segmentos animais que mais crescem em todo o mundo, com um crescimento de cerca de 95% (68,26 milhões de toneladas de ovos) comparada a produção de 1990 (Faostat, 2015).

Até a década de 1970, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) tinha o ovo como referência para estudos de necessidades nutricionais proteicas humanas.

Entretanto, no passado, o consumo de ovos ficou estigmatizado por causar problemas em relação aos níveis de colesterol no sangue humano. Apesar deste mito ainda estar presente no imaginário de muitas pessoas, como mostraram Ayim-Akonor e Akonor (2014), estudos recentes comprovam que essa percepção está errada (Ronget al., 2014, Virtanen et al., 2016).

Diante disso, existem esforços das organizações de produtores de ovos para a melhoria da imagem do produto diante do consumidor, pois é cada vez maior o consumo deste alimento no Brasil. Em 2013, o brasileiro consumiu 169 ovos/per capta e em 2014 atingiu a marca de 191 ovos/per capta. Esse consumo, entretanto, ainda é considerado baixo quando comparado a outros países, como estudo realizado em 2008 em países como França, Itália, Alemanha, Suécia e Estados Unidos, onde o consumo já era de 200 ovos/per capta. (Ubabef, 2016).

Ovos como alimento funcional


Nossos Parceiros
Orffaseifun
MaxFilmAgroceres
MSDvaccinar
© Copyright Mundo Agro Editora Ltda - 2012. Todos os direitos reservados.
Mundo Agro Editora Ltda
Rua Erasmo Braga, 1153 - 13070-147 - Campinas, SP
Tel./Fax: (19) 3241-9292