Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
Mercado

Desempenho do ovo em novembro e no decorrer de 2018
Campinas, 03 de Dezembro de 2018 - Depois de fechar o décimo mês de 2018 com o pior resultado do ano e registrar o menor preço do último quadriênio para um mês de outubro, o ovo iniciou novembro sinalizando recuperação, porquanto obteve reajustes da ordem de 33% apenas nos oito primeiros dias de negócios do mês.

Mas essa recuperação foi efêmera. Pois sucedida por brevíssimo período de estabilização. E, já na passagem da primeira para a segunda quinzena, os preços do produto voltaram a refluir. Quase no mesmo espaço de tempo do ganho anterior, o produto perdeu 17% de seu preço.

Com tal desempenho, os resultados do mês foram pífios. Pois ainda que o preço médio tenha correspondido a um incremento de mais de 13% sobre outubro de 2018, comparativamente ao mesmo mês do ano passado prevaleceu redução superior a 14%. Com isso, a média alcançada em novembro, embora superando a do mês anterior, permanece como a terceira pior do ano. Aliás, terceira pior em mais de três anos, ou seja, desde outubro de 2015.

A esta altura de 2018 é pouco provável que o valor médio do produto no ano ultrapasse os R$64,00/caixa (preço aplicável a cargas fechadas de ovo branco extra comercializado no atacado da cidade de São Paulo). Quer dizer: deve alcançar, no exercício, valor inferior ao dos dois anos anteriores. E por quê?

Porque, sobretudo, estimulado pelo aumento do consumo observado dois anos atrás, o setor precipitou-se na expansão do plantel produtor. Para confirmar, basta observar que a média mensal de alojamento dos 10 primeiros meses de 2018 é quase 25% superior à de 2016. Junte-se a isso o habitual incremento de produtividade das linhagens em criação e uma retração de consumo que até agora não deu mostras de reversão e têm-se todos os ingredientes para colocar a atividade em xeque.

Em situações anteriores de fraco andamento do mercado, era suficiente descartar as poedeiras mais velhas ou menos produtivas e as condições do mercado se revertiam. Essa receita, agora, não tem o menor efeito. Pois, independente dos descartes que sejam efetuados, mais e mais poedeiras iniciam a produção. Uma situação que somente será minimizada com o aumento do consumo e das exportações.

(Ovosite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 14/12
Ovos de galinha: incremento de 8% no ano, mostra IBGE (07:53)
Luteína + zeaxantina, presentes na gema do ovo, podem reduzir risco de câncer de mama (07:00)
Ovos: preços seguem estáveis e sem expectativas no curto prazo (06:57)
Quinta-Feira, 13/12
Mantiqueira aposta em “Clube do Ovo” para atrair consumidores (07:46)
Ovos: evolução diária continua acima da média histórica (07:03)
Quarta-Feira, 12/12
Setor de ovos orgânicos projeta crescimento (07:39)
Ovos: mercado segue calmo e bem abastecido (07:27)
Ano tem sido bem difícil para os produtores de ovos (07:25)
Terça-Feira, 11/12
ABPA: o que veio e o que esperamos que virá (09:25)
Ansioso, produtor de ovos espera 2019 chegar (09:21)
C. P. Group adota política de “embalagens sustentáveis” (07:50)
Ovos: reposições retraídas e preços estáveis (06:53)
Segunda-Feira, 10/12
Preço médio semanal da caixa de ovos brancos (06:22)



Últimos Clippings
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA

Nossos Parceiros
MSDAgroceres