Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018
Mercado

Desempenho do ovo em dezembro e em 2017
Campinas, 05 de Janeiro de 2018 - Para o ovo, as Festas de 2017 foram decepcionantes. Basta dizer que o produto viveu o pior Natal dos últimos três anos, pois até nominalmente o preço médio de dezembro ficou aquém dos registrados no mesmo mês de 2015 e 2016.

Não só isso, porquanto mal se chegou a alcançar, no mês, 85% do valor médio registrado nos 12 meses do ano anterior (R$75,43/caixa, resultado aplicável a cargas fechadas do ovo branco extra comercializado no atacado da cidade de São Paulo). E, pela média dos 16 anos anteriores (2001 a 2016), a remuneração obtida deveria ser quase 12% superior a essa média.

Em outras palavras, se tivesse repetido o comportamento médio deste século, o ovo fecharia 2017 valendo algo em torno de R$84,00/caixa – remuneração aparentemente alta, mas sem nada de excepcional, pois não só corresponderia à média registrada entre fevereiro e setembro deste ano, como também estaria mais de 7,5% aquém do pico de preços de 2017 (R$91,13/caixa no mês de abril). Mas a média de dezembro foi quase 25% menor que o valor projetado pela média histórica.

O mais interessante é que no segundo semestre o ovo perdeu, senão tudo, a maior parte do que conquistou na primeira metade de 2017. Assim, após um princípio de ano preocupante (em janeiro foram registrados os menores preços em 16 meses), o produto passou a apresentar reação excepcional. A ponto de alcançar, no mês de abril, o maior valor nominal de todos os tempos.

Com isso, fechou os seis meses iniciais do exercício obtendo valorização de 10% sobre o mesmo semestre do ano anterior, período que, por sua vez, já havia registrado valorização de 30% sobre o primeiro semestre de 2015.

Mas tudo isso veio por água abaixo na segunda parte do ano, pois os valores médios mensais sofreram sucessivos decréscimos. Em conseqüência, reverteu-se totalmente o resultado positivo inicial e o segundo semestre foi encerrado com queda de 3,6% em relação ao segundo semestre de 2016.

Em decorrência desse fraco desempenho, o ano foi encerrado com uma valorização de 3,11% - acima da inflação é verdade, mas nada comparável aos (cerca de) 27% de 2016.

(AviSite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/01
Terça-Feira, 16/01
Segunda-Feira, 15/01
Sexta-Feira, 12/01
Quinta-Feira, 11/01
MAPA propõe uso de coprodutos na alimentação animal (08:40)
Aves e ovos na inflação de 2017 segundo o IBGE (08:38)
Ovos: aos poucos mercado vai alcançando o equilíbrio almejado (08:00)



Últimos Clippings
Yamasa estará presente na IPPE, em Atlanta, pela 13ª vez consecutiva
Médicos Veterinários e Zootecnistas paulistas poderão votar on-line pela primeira vez
Conab negocia mais remoções de milho para o Nordeste
Superavit de US$ 81,86 bilhões do agronegócio foi o 2º maior da história
Coopavel: um show de atrações nos 30 anos de um dos maiores eventos do agronegócio mundial

Nossos Parceiros
MSDDeHeus
AdisseoAgroceres
PhileoBoehringer Ingelheim
Pleyades