Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019
Matérias-Primas

Milho: chegar aos 100 milhões/t é perspectiva não muito distante
Campinas, 14 de Novembro de 2016 - Se, no ano que vem, a produção brasileira de milho aproximar-se efetivamente dos 84 milhões de toneladas – como a CONAB aponta em sua segunda projeção para a safra 2016/2017- o incremento em uma década será superior a 60%.

Notar, porém, que ocorreu radical modificação na formação dessa produção. Dez anos atrás, em 2007, mais de 70% do volume registrado foi produzido na primeira safra – ou safra principal, como era então identificado o primeiro plantio. Ou seja: menos de 30% provinha da segunda safra, adequadamente chamada de “safrinha”.

Mas se ainda não chegou lá, a situação atual caminha para uma total reversão dos dois índices. Pois, de acordo com os primeiros números da CONAB, ainda que se recupere das perdas ocorridas em 2016, a primeira safra será a segunda menor da década, respondendo por menos de um terço da produção total.

Já a antigamente chamada “safrinha” – que, pelas primeiras projeções da CONAB, não apenas recupera-se das perdas enfrentadas em 2016, como também tende a alcançar novo recorde anual – será responsável por mais de 65% do volume produzido.

Notar, pelo gráfico abaixo, que entre 2007 e 2011 a produção brasileira de milho manteve-se em relativa estabilidade, o volume registrado aproximando-se, na média, dos 55 milhões de toneladas anuais. Tal estabilidade foi rompida em 2012 e alcançou novo patamar em 2013, ocasião em que o total produzido passou a superar os 80 milhões/t anuais, resultado que tende a se repetir em 2017.

Ou seja: há no período analisado um divisor de águas – de 2007 a 2011; e de 2012 até agora (a baixa produção de 2016 representou acidente de percurso de caráter climático). E esse divisor foi, justamente, um abastecimento interno extremamente apertado e com preços elevados – como vem ocorrendo em 2016, agora com muito maior intensidade.

Em outras palavras, foi o mercado que estimulou os produtores a alcançarem novo patamar produtivo – nos últimos cinco anos (2012/2016), mais de 40% superior à média anual do quinquênio 2007/2011 (isto, mesmo levando em conta a quebra de 2016).

Uma vez que agora o incentivo de mercado é muitíssimo mais forte, com certeza se terá, doravante, um novo patamar. Chegar aos 100 milhões de toneladas de milho não é difícil. Senão nesta próxima safra, provavelmente em 2018.

(AviSite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 21/01
Sexta-Feira, 18/01
Ovo: evolução de preços frente ao custo e à inflação (07:21)
Mercado segue firme e Produtores de ovos alcançam novo reajuste (06:25)
Quinta-Feira, 17/01
Felipe Pelicioni é o novo Gerente de Produto da Unidade de Aves da Ceva Saúde Animal (13:35)
Ovos: altos índices de evolução devem ser vistos com reservas (07:17)
Ovos: nova alta na abertura da segunda quinzena (07:10)
Quarta-Feira, 16/01
Produtores de ovos alcançaram novos reajustes (07:23)
Alojamento de Pintainhas de postura comercial aumenta quase 11% até outubro (07:10)
Terça-Feira, 15/01
Califórnia detecta novo caso de Newcastle, 3º em poedeiras (08:43)
Reajuste no mercado de ovos alcançou apenas os vermelhos (06:34)
Ovo x Milho: poder de compra do Produtor de ovos piorou ainda mais em dezembro (06:33)



Últimos Clippings
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais

Nossos Parceiros
MaxFilmAgroceres
seifunMSD