Sexta-feira, 22 de Março de 2019
Matérias-Primas

Milho: chegar aos 100 milhões/t é perspectiva não muito distante
Campinas, 14 de Novembro de 2016 - Se, no ano que vem, a produção brasileira de milho aproximar-se efetivamente dos 84 milhões de toneladas – como a CONAB aponta em sua segunda projeção para a safra 2016/2017- o incremento em uma década será superior a 60%.

Notar, porém, que ocorreu radical modificação na formação dessa produção. Dez anos atrás, em 2007, mais de 70% do volume registrado foi produzido na primeira safra – ou safra principal, como era então identificado o primeiro plantio. Ou seja: menos de 30% provinha da segunda safra, adequadamente chamada de “safrinha”.

Mas se ainda não chegou lá, a situação atual caminha para uma total reversão dos dois índices. Pois, de acordo com os primeiros números da CONAB, ainda que se recupere das perdas ocorridas em 2016, a primeira safra será a segunda menor da década, respondendo por menos de um terço da produção total.

Já a antigamente chamada “safrinha” – que, pelas primeiras projeções da CONAB, não apenas recupera-se das perdas enfrentadas em 2016, como também tende a alcançar novo recorde anual – será responsável por mais de 65% do volume produzido.

Notar, pelo gráfico abaixo, que entre 2007 e 2011 a produção brasileira de milho manteve-se em relativa estabilidade, o volume registrado aproximando-se, na média, dos 55 milhões de toneladas anuais. Tal estabilidade foi rompida em 2012 e alcançou novo patamar em 2013, ocasião em que o total produzido passou a superar os 80 milhões/t anuais, resultado que tende a se repetir em 2017.

Ou seja: há no período analisado um divisor de águas – de 2007 a 2011; e de 2012 até agora (a baixa produção de 2016 representou acidente de percurso de caráter climático). E esse divisor foi, justamente, um abastecimento interno extremamente apertado e com preços elevados – como vem ocorrendo em 2016, agora com muito maior intensidade.

Em outras palavras, foi o mercado que estimulou os produtores a alcançarem novo patamar produtivo – nos últimos cinco anos (2012/2016), mais de 40% superior à média anual do quinquênio 2007/2011 (isto, mesmo levando em conta a quebra de 2016).

Uma vez que agora o incentivo de mercado é muitíssimo mais forte, com certeza se terá, doravante, um novo patamar. Chegar aos 100 milhões de toneladas de milho não é difícil. Senão nesta próxima safra, provavelmente em 2018.

(AviSite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 22/03
Ovos: evolução do preço na Quaresma segue bem abaixo do alcançado no último triênio (06:51)
Quinta-Feira, 21/03
Avicultura em São Paulo em um qüinqüênio: ovos, 15% a mais; carne de frango, 11% a menos (06:34)
Ovos: mercado calmo e sem pressão sobre as cotações (06:18)
Produtor de ovos recupera participação em relação ao varejo (06:16)
Quarta-Feira, 20/03
Alojamento de Pintainhas de postura comercial aumenta 9,4% em 2018 (07:00)
Em mercado calmo ovos vermelhos tiveram leve evolução no preço máximo (06:01)
Terça-Feira, 19/03
Ovos: mercado calmo e reposição normal (06:56)
Segunda-Feira, 18/03
80% dos ovos produzidos no Brasil são destinados ao consumo (07:01)
Preço médio semanal da caixa de ovos brancos (06:59)
Ovos: em mercado especulado produtores alcançam primeiro reajuste da Quaresma (06:58)



Últimos Clippings
Instituto Ovos Brasil faz parceria com academia para levar informações sobre os valores nutricionais do ovo
Conab avalia que aumento das exportações de soja podem afetar mercado interno
Pré-Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 terá Simpósio de Automação
Frango: preços sobem, influenciados pelo bom ritmo de embarques
Ovos: preços do branco e do vermelho têm movimentos distintos

Nossos Parceiros
AgroceresMaxFilm
OrffaMSD
seifun