Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Matérias-Primas

Estoque de milho da safra passada pode ter se esgotado
Campinas, 31 de Março de 2016 - Técnicos e analistas em geral vinham apontando que - a partir de março, com o início dos embarques de soja – as exportações de milho retornariam ao seu nível habitual e, com isso, os preços retrocederiam a valores, digamos, mais palatáveis.

Mas como, março terminando, os preços do grão permanecem não só elevados, mas também em alta
- o preço médio no interior paulista, antes de terminado o mês, supera os R$50,00/saca, sugerindo aumento de pelo menos 13% em relação a fevereiro – a percepção que fica é a de que, frente aos preços extremamente atrativos e à expectativa de mais elevações, o produtor “sentou-se” sobre os estoques. Será?

O último levantamento de safra da CONAB sugere que não, apontando até que os estoques existentes podem ter se esgotado. A propósito, vejam-se os números.

Pelas projeções da CONAB, o estoque final da safra 2014/15 deveria girar em torno dos 10,5 milhões de toneladas, caindo mais de 10% em relação à safra anterior. Uma estimativa sem dúvida correta não fosse o fato de, já em dezembro, o dólar ter se aproximado da casa dos R$4,00 e tornado as exportações extremamente convidativas.

A realidade é que, só no trimestre dezembro/15-fevereiro/16 – ou seja, antes que o produto da safra 2015/2016 começasse a chegar ao mercado – exportou-se volume de milho quase 110% superior ao de idêntico período anterior. Quer dizer: enquanto a CONAB previu, para o ano-safra, aumento de 50% nas exportações, os embarques dos últimos meses mais do que dobraram, subindo de 7,7 milhões de toneladas para cerca de 16,1 milhões de toneladas – um volume que supera em mais de 50% o estoque final previsto.

No momento já se opera com milho da nova safra, a primeira do ano. Mas essa que já foi a safra principal agora contribui com apenas um terço da produção nacional de milho. Não só: o volume previsto para a presente “primeira safra” – pouco mais de 28,2 milhões de toneladas – não chega a atender nem a metade do consumo nacional previsto pela CONAB – perto de 58,4 milhões de toneladas.

Infelizmente, parece, não será tão cedo que os preços do milho retornarão a padrões que apresentem mais compatibilidade com a realidade econômica brasileira. E como até os fornecedores externos, tudo indica, se prevalecerão dessa realidade, o setor avícola continuará forçado a adequar a produção a níveis que possibilitem repassar o abusivo aumento de custos. Até, pelo menos, que chegue a segunda safra. Outrora, safrinha; hoje, safra principal.

(AviSite) (Redação)
Imprimir esta notícia...Enviar esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 17/06
2a. Conferência Brasil Sul da Indústria e Produção de Ovos é aberta em Gramado (07:55)
Desempenho do ovo na 24ª semana de 2019 (07:45)
Sexta-Feira, 14/06
Ovos férteis: produção caiu mais de 3% no 1º trimestre de 2019 (07:25)
Ovos: mesmo sem aumentos na semana, evolução permanece acima da média histórica (07:05)
Quinta-Feira, 13/06
Ovos: preço médio de junho é o pior do quadriênio (06:55)
OVOS: plantel em produção no mês de junho (06:45)
Quarta-Feira, 12/06
Proibição do uso de antimicrobianos: projeto de normatização é colocado em discussão (06:39)
Ovos: reposição abaixo do esperado na abertura da semana (06:30)
Terça-Feira, 11/06
Ovos: mercado deve seguir firme no decorrer da semana atual (07:20)



Últimos Clippings
Controle de cascudinhos é tema de palestra no Espírito Santo
Preço firme do milho, apesar de safra recorde, testa setor de carnes do Brasil
AVES participa de debate sobre a incorporação da Laticínios Veneza a Coopeavi
MSD Saúde Animal apoia 2ª Edição do Conbrasul
Jinc abre inscrições para a 13ª edição em Concórdia-SC

Nossos Parceiros
seifunMSD
AgroceresOrffa