Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019
Agronegócios

‘Nova’ CPR promete injetar bilhões no campo

Mudanças previstas na “MP do Agro” tendem a tornar a tradicional Cédula de Produto Rural mais atraente
Brasília, 12 de Dezembro de 2019 - Criada em 1994, a Cédula de Produto Rural (CPR) amadureceu e se tornou um dos principais meios de financiamento no campo nas últimas décadas. A emissão do título, relativamente barata, garante recursos antecipados a agricultores e pecuaristas em troca da promessa de entrega da produção ao comprador (CPR física) ou de pagamento em dinheiro após a comercialização (CPR financeira). Com o avanço das tecnologias e a proliferação de alternativas de crédito, porém, questões que limitam o uso da ferramenta burocráticas ou que reduzem sua liquidez - tornaram-se barreiras que alterações feitas na semana passada na Medida Provisória 897/2019, a “MP do Agro”, prometem derrubar.

O objetivo é tornar o papel mais atraente e dinâmico, para que possa ser usado em um número maior de operações de crédito e possa ajudar a alavancar dezenas - ou centenas - de bilhões de reais em oferta de recursos para operações rurais no futuro. “Coringa”, a CPR, a partir das mudanças propostas, poderá ser emitida de forma eletrônica, em moeda estrangeira, por residentes ou não no país, por agroindústrias de beneficiamento ou de “primeira industrialização” e até para produtos que não são negociados em bolsa. De quebra, propriedades poderão ser divididas para facilitar que sejam oferecidas como garantia nas operações.

Apenas para custeio, a agropecuária nacional demanda cerca de R$ 450 bilhões por ano. Esse valor, somado à necessidade de recursos para investimentos, industrialização e comercialização, é que alimenta as projeções para o potencial das CPRs. “Nosso agronegócio, em poucos anos, precisará de algumas centenas de bilhões de reais adicionais e estamos construindo um mercado de crédito capaz de suprir essa demanda. Sem dúvida alguma, a maior parte das necessidades virá via CPR”, afirma José Ângelo Mazzilo Júnior, secretário-adjunto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.

Cálculos da startup PagAgro indicam que apenas a cadeia de insumos gira de R$ 120 bilhões a R$ 140 bilhões por ano para financiar a produção agrícola brasileira, e que entre R$ 25 bilhões e R$ 30 bilhões são lastreados com CPRs.

O subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri, está confiante de que a repaginação da CPR de fato vai revigorá-la. Para as emissões de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), opção que ganha cada vez mais força no financiamento de agroindústrias, nas quais o título é usado como lastro, será fundamental - tanto para operações em real como em moeda estrangeira. “As emissões de CRA em moeda estrangeira, por exemplo, poderão dobrar”, aposta.

De janeiro a novembro, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), as emissões de CRA totalizaram quase R$ 11 bilhões, ante cerca de R$ 6 bilhões no mesmo período de 2018 - conforme a PagAgro, cerca de 10% delas lastreadas com CPRs. Na B3, o estoque de recursos referentes a esses papéis chega a R$ 42 bilhões. O governo estima que as “novas” CPRs, reforçarão a já forte tendência de expansão dos CRAs, que poderão passar a injetar mais de R$ 80 bilhões por ano no mercado a partir de 2025.

No texto original, a “MP do Agro” previa vinculação do patrimônio afetado apenas à CIR (Cédula Imobiliária Rural), criada especificamente para isso e destinada aos bancos. Com as mudanças, que para entrarem em vigor ainda dependem de aval dos plenários da Câmara, do Senado e sanção presidencial, outros agentes passarão a acessar o novo modelo de fracionamento da propriedade nas operações com CPRs. “Investidores, tradings, agroindústrias, todos vão poder trabalhar com patrimônio de afetação”, avalia o consultor José Carlos Vaz, que já foi secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e diretor de Agronegócios do Banco do Brasil.

Agroindústrias de beneficiamento e de “primeira industrialização” de produtos agropecuários como grãos, carnes, leite, florestas plantadas e pescados, entre outros, também poderão emitir CPRs, o que até agora é restrito a produtores e cooperativas. Para o vendedor, o título não será isento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), e para o comprador haverá incidência de Imposto de Renda sobre o rendimento. Mas Vaz diz que, mesmo assim, médios frigoríficos, fornecedores de insumos e prestadores de serviço serão estimulados a operar com a cédula. “A CPR vai virar um instrumento poderoso para a mais poderosa cadeia de negócios do país”.

Outros consultores e integrantes do governo ouvidos pelo Valor, ressalvam, porém, que as empresas podem operar outros títulos isentos de tributação, o que pode restringir seu interesse em elevar os negócios baseados em CPRs.

A emissão de CPR em dólar, que já estava prevista no texto original da “MP do Agro”, a partir das mudanças propostas também poderá ser usada em operações com produtos que não são negociados em bolsas. Uma lista de 70 itens que fazem parte da pauta de exportação do Brasil e estão “acostumados” com ambiente dolarizado, como frutas, pescados e produtos florestais, deverá ser construída pelo setor de agronegócios em parceria com o Ministério da Agricultura e levada ao Conselho Monetário Nacional (CMN) para uma decisão final.

“O produtor vai fazer a avaliação de risco. Mas, para casar fluxo de receita com despesas, que muitas vezes já é em dólar, é bom que ele tenha a possibilidade de emitir CPR em outra moeda”, afirma Fernanda Schwantes, assessora técnica da Comissão Nacional de Política Agrícola da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Quanto à preocupação do governo sobre uma possível disparada de endividamento em dólar em alguns segmentos - como aconteceu no mercado de leasing de veículos no fim dos anos de 1990 -, Schwantes diz que caberá às associações instruir os produtores sobre os riscos e as condições ofertadas. (Colaborou Fernando Lopes)
(Valor) (Rafael Walendorff)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 12/12
Coopavel: 32 perguntas e respostas sobre o 32º Show Rural (17:07)
Produção de ovos bateu novo recorde no 3º trimestre de 2019, aponta IBGE (11:16)
IBGE: abate de frangos cresceu 3,0% em relação ao trimestre anterior (11:15)
Avicultura: Verão 2020 com alimentação nutritiva e saudável (11:11)
‘Nova’ CPR promete injetar bilhões no campo (10:05)
Quarta-Feira, 11/12
Termina nesta semana, dia 13/12, prazo para entrega de trabalhos científicos para o Congresso de Ovos da Apa (14:30)
Boi Gordo: mercado físico mostra resistência em trabalhar em valores menores (13:08)
Milho segue caindo em Chicago, mas perspectiva é de retomada nos próximos dias (12:42)
Soja corrige preços nesta 4ª feira na Bolsa de Chicago (12:30)
ABPA lança site da campanha #BrLivredePSA (11:00)
China impulsiona embarques recorde de frigoríficos (09:37)
STF encerra disputa sobre cesta básica (09:35)
Kemin anuncia investimentos em Transformação Digital (08:49)
Protegendo a qualidade da carne de frango (08:44)
Avicultura 4.0 – Um novo horizonte no processo avícola (08:39)
Exportações do agronegócio são recordes, mas faturamento externo cai (08:34)
Desafios do Brasil na defesa sanitária animal (08:32)
Frango: cotações estagnadas nesta terça-feira (08:20)
Suínos: mercado aquecido nesta terça-feira (08:10)
Reino Unido registra caso de gripe aviária pela 1ª vez desde 2017 (08:10)
Boi gordo caiu 6,7% em São Paulo em dezembro (08:09)
Para evitar o tombo, o mercado boi do busca equilíbrio (08:06)
Exportações de carne bovina devem fechar 2019 com resultado recorde (08:05)
Milho encera 3ªfeira em campo misto na Bolsa de Chicago (08:04)
Soja fecha com leve alta nesta 3ª feira em Chicago (08:00)
Safra de grãos de 2020 será recorde e deverá chegar a 240,9 milhões de toneladas (07:50)
Terça-Feira, 10/12
Ovos RS: Ano VII apresenta balanço das atividades e prestação de contas 2019 (11:25)
Boi Gordo impulsiona IPPA/CEPEA em novembro (10:41)
Boi: Mercado físico esteve praticamente vazio de negócios em SP (09:55)
Safra 2020 deve bater recorde de 240,9 milhões de toneladas (09:54)
Milho: Chicago inicia a terça-feira com estabilidade após leve avanço na colheita (09:32)
Frango: mercado misto, mas com expectativa de atividade até o fim da quinzena (08:22)
Suínos: segunda-feira registra mercado aquecido, principalmente SP (08:19)
Soja: mercado fecha com boas altas em Chicago nesta 2ª e favorece preços nos portos do BR (07:57)
Soja em Chicago segue em alta com notícias de compras chinesas nos EUA e recuo do dólar (07:56)
Exportação de milho do Brasil já supera 40 mi t no acumulado do ano (07:55)
Cotações do milho fecham a sessão desta 2ª feira com leves baixas em Chicago (07:50)
Contratações de crédito rural da Safra 2019/2020 somam R$ 93,5 bilhões (07:45)
Segunda-Feira, 09/12
Ovos: média parcial de dezembro supera a do período da Quaresma (11:20)
Milho: preços seguem em alta, mas intensidade varia dentre regiões (11:19)
Soja: melhora do clima beneficia lavouras e preços recuam (11:18)
Preço do frango no atacado subiu 25,3% frente a 2018 (09:58)
Milho: Contratos futuros iniciam a semana operando em campo misto na Bolsa de Chicago (09:50)
Dália inaugura complexo avícola na próxima sexta-feira (09:49)
Agroindústrias catarinenses retomam investimentos que devem chegar a R$ 2 bilhões até 2020 (08:58)
Em Minas, Governador participa de anúncio de R$ 50 mi em investimentos na avicultura de postura (08:56)
JBS segregará ativos de bovinos do Brasil em reestruturação (08:54)
Importação de soja da China salta em novembro (08:40)
China anuncia plano para restaurar produção de suínos em 2021 (08:24)
Frango: sexta-feira foi marcada por mercado misto (07:55)
Arroba do boi em SP fecha em alta após quatro quedas (07:53)
Exportação de carne suína catarinense bate recorde histórico (07:51)
Suínos: mercado estável, com perspectiva de aquecimento com as festas de fim de ano (07:50)
Mapa identifica recuo no preço da carne bovina na primeira semana de dezembro (07:47)
Boi: preços não sobem indefinidamente (07:45)
Milho acumula queda de 1,35% na última semana em Chicago (07:25)
Soja em Chicago sobe mais de 1% na semana (07:23)
Sexta-Feira, 06/12
Frango: novembro se configurou como o período de retomada de preços (15:53)
Suínos: preços em alta em São Paulo (14:19)
CNA leva posicionamento do Agro para a COP-25 (14:10)
Clientes Ross beneficiam-se de evento compartilhando informações no Peru (09:03)
Soja sobe em Chicago nesta 6ª com notícia de nova liberação de cotas da China para os EUA (08:46)
China vai abrir mão de tarifas sobre alguns embarques de soja e carne suína dos EUA (08:44)
MAPA convoca 100 médicos veterinários aprovados em concurso (08:03)
Ministério assina contrato com o BID: US$ 200 milhões para a Defesa Agropecuária (08:01)
Frango: exportação para China bate recorde (06:34)
Frango: cotações mornas nesta quinta-feira (06:27)
Suínos: cotações seguem estáveis, mas valorização sobre carne bovina em novembro foi recorde (06:24)
Peste Suína/Ásia: FAO eleva para 7,659 milhões número de animais eliminados por doença (06:17)
Preços globais da carne bovina devem permanecer sustentados em 2020, reafirma o Rabobank (06:16)
Contratos futuros para o boi gordo encerram a 5ª feira próximo da estabilidade na B3 (06:14)
Boi Gordo: poucos negócios e preços caindo (06:13)
Milho encerra quinta-feira em baixa na Bolsa de Chicago (06:12)
Soja sobe em Chicago pela terceira sessão consecutiva (06:10)