Sábado, 25 de Janeiro de 2020
Mercado Externo

Consumo de carne bovina cai ao menor nível da década na Argentina
Buenos Aires, Argentina, 14 de Janeiro de 2020 - O consumo de carne bovina na Argentina caiu em 2019 para o nível mais baixo da década, uma consequência direta da perda do poder aquisitivo provocada pela crise econômica que abala o país desde abril de 2018.

O tradicional churrasco dos domingos ganhou uma versão mais magra e econômica. A carne bovina já não detém a exclusividade e divide as "parrillas" com porco, frango e até legumes assados. A queda no consumo foi de 9,5%, ficando em 51,3 quilos por pessoa em 2019, segundo o presidente da Câmara de Indústria e Comércio de Carnes e Derivados da Argentina (Ciccra), Miguel Schiariti.

"Há um só motivo para explicar por que isso ocorreu e é a perda do poder aquisitivo do salário. A macroeconomia entrou no bolso das pessoas e elas consumiram menos", lamentou o empresário em entrevista concedida à Agência Efe. O preços da carne, porém, subiram mais do que a inflação, fechando o ano em alta de 60%, percentual maior que os 55% previstos para o índice de preços, ainda não calculado no acumulado de 2019.

A venda da carne vermelha caiu ao nível mais baixo desde 2011, um resultado pior que a cesta de alimentos e bebidas normalmente consumida pelos argentinos, que teve queda de 8%. O resultado só não foi pior que o do setor de laticínios, que recuou 12%. "A queda do consumo de carne vermelha vem ocorrendo há pelo menos 20 anos. Ela vem sendo substituída por porco ou frango de maneira muito significativa", explicou Schiariti.

MUDANÇA NA MESA DOS ARGENTINOS

Há 30 anos, o argentino consumia por ano cerca de 90 quilos de carne bovina, 8 quilos de frango e quatro quilos de porco. Agora, os números são bem diferentes. A carne de frango já ocupa quase o mesmo espaço que a vermelha na mesa dos consumidores - 46 quilos x 51,3 quilos. Já a suína subiu para 17 quilos anuais em média.

Parte da mudança tem relação, segundo o presidente da Ciccra, com a queda dos preços da carne de frango e de porco. Alimentos congelados e já preparados também caíram no gosto da população. Ainda que a queda do consumo de carne vermelha siga caindo a passos largos, o argentino segue ingerindo mais do que o dobro de proteína animal bovina recomendado por nutricionistas.

A Guia Alimentar para a População Argentina recomenda consumir uma porção de 150 gramas de carne bovina três vezes por semana, o que daria 23,4 quilos anuais, menos da metade do consumo atual.

CARNE CONTRA A FOME

Nem todas as classes sociais têm acesso à carne para alimentar suas famílias. Com uma economia em recessão desde abril de 2018, 40% da população em situação de pobreza e desemprego em alta, a alimentação dos mais vulneráveis tem os carboidratos como base, mais baratos que as proteínas de origem animal. Os últimos dados divulgados pelo governo local mostram que 41,1% das crianças e adolescentes com idades entre 5 e 17 anos estão em situação de sobrepeso, um resultado da dieta desequilibrada.

Diante desse cenário de crise social, a indústria propôs ao governo uma forma de participar do plano "Argentina contra a fome", que dará a pessoas em situação de vulnerabilidade cartões de débito que só poderão ser usados para a compra de alimentos. "A venda da carne que for feita com o cartão alimentar terá um desconto de 100 pesos (R$ 6,91) no quilo carne.

O corte mais popular é vendido entre 240 (R$ 16,6) e 310 pesos (R$ 21,4) o quilo. Uma parte o governo cobrirá, não cobrando imposto sobre essa a venda. A outra nós cobrimos como participantes do programa", explicou Schiariti. A ideia é ampliar o consumo interno da carne, mas também participar solidariamente do plano para que a proteína animal chegue aos que mais necessitam e às crianças.

EXPORTAÇÕES DISPARAM

Se a demanda diminuiu no país, o apetite do exterior pela carne argentina vem crescendo nos últimos anos. Cada vez mais é possível ver nas propriedades rurais do país o que os produtores chamam de "feedlots", um sistema rápido de engorda em pequenos espaços.

"Se consome menos carne no mercado interno, mas produzimos mais. Em comparação com 2015, exportávamos 180 mil toneladas e produzíamos 2,7 milhões de toneladas de carne. Em 2019, exportamos 830 mil toneladas e se produziu 3,15 milhões de toneladas", explicou o presidente da Ciccra.

Com a pecuária em alta, apesar de haver temores quanto a uma diminuição do rebanho nos próximos meses devido ao abate de muitas fêmeas em 2019, o produtor conseguiu ter estabilidade. Por esse motivo, a indústria gerou 3,5 mil postos de trabalho nos últimos quatro anos.

As exportações também colocaram US$ 3 bilhões na balança comercial da Argentina. A China é o principal comprador da carne do país, sendo o destino de 75% do total exportado.
(UOL/EFE) (Cecilia Caminos)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 25/01
Sexta-Feira, 24/01
Biocamp lança uma novidade para o setor avícola na IPPE 2020 (16:28)
Agronegócio é responsável por 77% das exportações do PR (12:30)
CNA revela interesse indiano pela tecnologia brasileira de produção de frango (12:17)
O apetite da Tyson Foods pelo Brasil (12:15)
EUA pedem à Índia até US$ 6 bilhões em compras de produtos agrícolas, inclusive frango (12:12)
Secretário de Indústria e Comércio do Tocantins visita empresas no Bico do Papagaio (12:10)
Frango: baixa liquidez e estoques elevados pressionam valor da carne (10:01)
Congresso de Ovos 2020 divulga slogan: “Ovo: Alimento forte por natureza” (09:58)
Milho cai nesta 6ª feira em Chicago à espera do relatório do USDA (09:55)
Boi Gordo: semana foi marcada por redução dos abates em SP (09:31)
Time técnico da Wisium será destaque em evento internacional (09:20)
Aviagen “Breeding Sustainability” em destaque na Feira de Atlanta (09:10)
Futuros de gado tropeçam para baixa de dois meses antes do relatório do USDA (09:00)
Em setembro, Florianópolis sediará a 13ª edição do Simpósio da ACAV (08:50)
Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus (08:43)
Mantiqueira e Zona Sul lançam experiência gratuita no Rio de Janeiro (08:27)
União Europeia suspende importação de carne de frango da Ucrânia (08:18)
Frango: ave no atacado segue com preço em queda (08:00)
Suínos: animal vivo segue tendo queda de preço nas principais praças produtoras (07:50)
Preço da carne sem osso registrou desvalorização de 13,6% em relação ao início do ano (07:36)
Milho se fortalece em Chicago após anúncio de vendas americanas nesta 5ª feira (07:34)
Soja: maior competitividade do Brasil mantém pressão sobre mercado de Chicago (07:33)
Soja: enquanto negócios com os EUA só devem sair a partir de 15 de fevereiro, China compra no BR (07:30)
Quinta-Feira, 23/01
Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango (13:18)
Cotações do milho no mercado físico estão sustentadas (12:45)
Boi Gordo: negócios no mercado físico em SP é mínimo (12:40)
Evonik lançará Porphyrio® durante o IPPE, em Atlanta (12:35)
Cobb-Vantress destaca perdas com miopatias em aves em evento no RS (12:34)
Avicultura de postura nordestina evolui com o apoio de grandes parceiros (12:32)
CEPEA: cotações da carne e do Boi Gordo recuam na parcial de janeiro (11:38)
Sócia da Tyson Foods, gaúcha Vibra prepara investimentos no país (10:21)
Suínos: relação de troca por insumos aumenta (09:49)
Milho registra pequenos ganhos no começo desta quinta-feira em Chicago (09:36)
Soja: mercado em Chicago dá continuidade ao movimento de baixas nesta 5ª feira (09:35)
BRF desmente rumores de que a China estaria renegociando contratos de exportação de carnes (09:11)
Na China, vender carne é um negócio para os gigantes? (09:11)
Não precisamos desmatar para comer, basta aumentar a produtividade, diz Tereza Cristina (09:08)
Frango: movimentações lentas e atacadistas querendo escoar estoques (08:25)
Suínos: mais um dia de quedas para o animal vivo (08:24)
Cotação da arroba do Boi Gordo registra queda de 1,7% em uma semana (08:23)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação (08:23)
Avicultura mineira recupera preços mas tem pressão de custo (08:21)
Mercado do boi segue pressionado (08:20)
Sindicarne diz que saída de animais do PR compromete abastecimento local (08:15)
Recuo nos preços da carne bovina faz juros fecharem nas mínimas históricas (08:13)
Milho fecha a 4ª feira com cotações em campo misto na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha com portos estáveis no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Soja registra queda em Chicago nesta 4ª feira (07:30)
Quarta-Feira, 22/01
Primeiro trimestre na suinocultura com oportunidades surgindo de riscos (11:51)
Vagas do Condomínio Avícola serão ampliadas com novo galpão em 2020 (10:55)
Suínos: mercado futuro pressionado em meio à incerteza sobre a demanda chinesa (10:49)
Negócios no mercado físico do milho voltaram ao normal (10:40)
Boi Gordo: volume de negócios no mercado físico está baixo em SP (10:35)
Queda no poder de compra do pecuarista em relação ao farelo de soja (09:51)
Preços firmes do milho no mercado interno (09:48)
China derruba rentabilidade dos frigoríficos (09:09)
SENAC Aclimação recebe Instituto Ovos Brasil, abrindo o calendário de ações (08:45)
Frango: tendência é de recuo nos preços nos próximos dias (08:19)
Mapa reconhece inspeção de produtos de origem animal da Serra Catarinense e de Itapetininga (SP) (08:19)
Suínos: 3ª feira de quedas nas cotações (08:17)
Carne bovina: queda no varejo em SP e altas em MG e RJ (08:14)
Mercado registra embaraço nas exportações de carne bovina (08:05)
Boi: mercado futuro encerra a sessão desta 3ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:00)
Mercado brasileiro de soja sustenta otimismo com competitividade forte e concentração da demanda; milho exige cautela (07:57)
Milho cai em Chicago nesta 3ª feira à espera de compras chinesas (07:50)
Escassez de oferta entre abril e junho pode levar milho a patamares recordes (07:48)
Mercado da soja para produtor brasileiro é favorável em 2020 (07:47)
Soja: Chicago fecha 3ª feira com baixas na CBOT (07:45)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação com país asiático (07:45)
Terça-Feira, 21/01
PIB-AGRO/CEPEA: movimento de alta segue firme, com sustentação vinda da pecuária (15:41)
AB Vista vai apresentar o primeiro produto 'stimbiótico' no IPPE 2020 (14:47)
Soja: mercado recua em Chicago nesta 3ª feira (14:26)
Carnes: exportações aceleram em 2020 (12:44)
PIB do agro acumula alta de 1,15% até outubro de 2019 (12:35)
Obrigado ao Agronegócio por 2019 (11:19)
Fluxo de negócios no mercado físico do milho está ligeiramente maior (10:49)
Alemanha confirma caso de gripe aviária H5N8 em aves selvagens (10:37)
Ucrânia relata primeiro caso de gripe aviária H5 em três anos (10:22)
Alemanha e Polônia discutem nova ação para prevenir a peste suína (09:55)
Boi Gordo: ausência de negócios está reduzindo os estoques da indústria de SP (09:46)
Milho: Bolsa de Chicago volta do feriado com queda para as cotações (09:45)
Mapa negocia R$ 1,5 bilhão para apoiar contratação do seguro rural em 2021 (09:42)
Exportações brasileiras de milho em janeiro estão 35,6% menores do que mesmo mês de 2019 (09:00)
Frango: aumento para a ave viva em São Paulo chega a 12% (07:55)
Produção de suínos deve crescer 4% em 2020; exportações aumentarão 15% (07:50)
Boi: frigoríficos seguem fora das compras de animais e atentos as vendas no atacado (07:45)
Milho: mercado interno não registra movimentações nesta segunda-feira (07:40)
Soja: Mercado brasileiro inicia semana com preços estáveis (07:35)