Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020
Mercado

Boi: preços não sobem indefinidamente

Mas as quedas (depois das altas fortes) também tem fim.
Campinas, SP, 09 de Dezembro de 2019 - Com a demanda chinesa por proteínas em alta, 2020 deverá ser bom para a exportação. Com o cenário de preços físicos com fortes altas, no começo da segunda quinzena de novembro apareceram negócios no mercado futuro do boi gordo para outubro de 2020 por até R$230,00/@, à vista, sem o Funrural.

No final de novembro, ainda com os preços do boi gordo subindo fortemente, o mercado atacadista teve dificuldade em repassar essas altas para o varejo (mercado doméstico).

Com isto, começaram a aparecer ofertas de compra menores e o gado, que estava retido em razão das valorizações consecutivas, apareceu, não em excesso, mas em maior volume. Isso foi suficiente para que os preços no mercado físico cedessem, assim como os futuros, e os preços exuberantes ficaram para trás.

O ponto é que, mesmo quando o mercado físico trabalhava no patamar de R$230,00/@, os preços futuros não superaram tal marca.

Outubro de 2020 pessimista

Na manhã de 6/12, o mercado futuro para outubro de 2020 aponta para uma cotação 0,4% menor que a de dezembro de 2019, na B3. Aqui usamos preços futuros para dezembro (mês atual) porque o mercado tem se ajustado, com isso, estes valores da B3 já ponderam um valor menor que o vigente no físico.

Perceba que é umas das piores projeções de variação da série. E se analisarmos os outros anos com quedas no intervalo, vemos que o “cluster” deste bloco não é homogêneo.

Em 2005 tivemos a febre aftosa em Mato Grosso do Sul e o mercado já vinha em queda, com abates de fêmeas crescentes.

Em 2009 tivemos a “marolinha”, que dispensa apresentações e, no setor, quebrou dezenas de frigoríficos.

E 2017? Também não precisa de muita força para puxar pela memória: Carne Fraca, volta do Funrural, delações dos diretores da JBS.

Já 2011 e 2012 foram anos relativamente calmos, mas ocorreram após anos de sucessivas altas, salvo 2009, cujo consumo foi afetado pela crise.

Para 2020, a China deve continuar com bons volumes comprados, mesmo que em preços possivelmente mais calmos.

Um ponto é que o mercado doméstico deve continuar melhorando, possivelmente mais rápido que o esperado no passado recente. Os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre vieram positivos e as projeções para a economia devem ser revistas nas próximas semanas.

O bezerro que o boi de 2020 foi um dia

Não é porque um bezerro foi comprado valorizado que o boi vai ser bem vendido anos depois.

No entanto, o bezerro em alta demonstra um cenário de oferta limitada da categoria, o que gera alguma redução na disponibilidade de bois nos anos seguintes. Não é regra, pois a demanda também oscila, mas vale dar uma olhada no histórico.

As cotações projetadas para 2020 apontam para valorizações de menos de 20% sobre a arroba do bezerro de 2018.

Em outros momentos de preços em alta, com retenção de fêmeas, tivemos relações de mais de 60% para o boi vendido em meados de 2008 (bezerro de 2006) e de 40% ao final de 2014 (bezerro de 2012).

A título de referência, 20% e 40% de ágio sobre a arroba do bezerro de outubro de 2018 seriam arrobas do boi gordo de 217,00/@ e 253,00/@ para outubro de 2020.

Possíveis estratégias

Como dito, é bem possível que o mercado futuro esteja pessimista com o que acontecerá em outubro e outros meses. É provável que o mercado futuro siga pressionado pelo cenário do físico, mas quando houver a estabilização no mercado do boi gordo, os contratos futuros devem ter ainda mais espaço para reagir.

Com isto, temos algumas possibilidades. Se o pessimismo de outubro (e outros contratos) for real, há oportunidades para garantir a aquisição de arrobas no mercado futuro, para quem tem reposição a ser feita no segundo semestre de 2020. Quanto à compra de contratos futuros, cabe a advertência de que o mercado físico ainda está se ajustando e isso pode perdurar por algum tempo. Ou seja, adquirir contratos futuros, mesmo que provavelmente interessantes, ainda deve custar ajustes até o cenário firmar de maneira mais sólida.

Outra possibilidade é a busca por opções de compra (calls). Como o mercado físico atualmente está mais calmo, as opções de compra ficam menos valorizadas. Há também a questão de volatilidade e prazo longo, que as encarecem, mas é algo a ser acompanhado.

Assim como foi 2019, o próximo ano não está indicando um cenário atrativo para travar preços, ainda mais nos patamares futuros atuais. No entanto, se o leitor quiser desconsiderar o cenário positivo esperado e garantir os preços, é uma boa estratégia sempre, apenas não deixe de se manter exposto às altas.

Temos um cenário de mais frigoríficos habilitados à China, em relação ao início de 2019, e estes devem entrar na briga pelo gado a termo em 2020, tentando garantir parte desta oferta de confinamento do segundo semestre.
(Scot Consultoria) (Hyberville Neto)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 29/01
Terça-Feira, 28/01
Agroindústrias da Serra catarinense terão mais facilidade para vender no mercado nacional (13:31)
CNA faz balanço de missão à Índia e diz que Brasil será um grande fornecedor de alimentos ao país (10:32)
Milho: terça-feira começa com cotações caindo em Chicago (10:22)
Milho: Estresse do dólar influenciou na intenção de venda do produtor (10:11)
Boi Gordo: Indústria necessita compor os abates (10:10)
Exportações brasileiras de milho em janeiro estão 34,6% menores do que mesmo mês de 2019 (09:31)
Soja tem novo dia de baixas nesta 3ª feira em Chicago (09:20)
JBS firma acordo de R$ 3 bi para exportar mais à China (08:57)
Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos (08:48)
Avicultura paranaense supera expectativas e atinge crescimento acima de 6% na produção anual (08:18)
Seara Alimentos inicia capacitação de mais de 170 jovens (08:15)
Boi: Mercado futuro encerra a 2ª feira com ligeiras quedas na Bolsa Brasileira (08:10)
Após semanas de desvalorização, carne bovina reage no varejo (08:08)
Suínos: demanda interna baixa e exportações lentas pressionam cotações (08:05)
Milho cai em Chicago nesta segunda-feira em meio a temores sobre o coronavírus (08:03)
Soja ameniza perdas em Chicago após 2ª feira tensa (08:00)
Segunda-Feira, 27/01
Soja: Mercado perde mais de 10 pts em Chicago nesta 2ª feira (12:45)
China foi o principal destino das exportações paulistas em 2019 (12:23)
Produtores de carne suína dos EUA estão bem equipados para suprir as necessidades da China (11:11)
ABPA não descarta importação de milho de outros países, até mesmo dos EUA (10:50)
Plantio do milho no Mato Grosso avançou 7,92 p.p na última semana (10:29)
Soja: apesar do recuo das cotações, ritmo de negócios aumenta (10:20)
Oferta restrita de boiadas prontas tem implicado em redução dos abates (10:17)
ABPA e AGROICONE apresentam estudo sobre sustentabilidade no GFFA 2020 (09:55)
Preços do milho sobem na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:52)
Redes de fast-food não têm compromisso com bem-estar de frangos, aponta pesquisa (09:01)
Brasil insta Índia a cortar impostos de importação sobre frango e seus produtos (08:50)
Na Índia, Tereza Cristina diz que agricultura brasileira não é vilã (08:48)
Brasil e Índia firmam cooperação técnica em produção animal (08:16)
Frango: cotações caminham para equilíbrio após altas em 2019 (08:13)
Suínos: cotações pressionadas pela baixa demanda (08:02)
Preço da carne bovina desacelera e segue em tendência de queda (08:01)
Boi: mercado finaliza a semana em queda (08:00)
Milho se desvaloriza em Chicago com preocupação sobre problemas chineses (07:53)
Brasil fecha última semana com liderança firme no comércio global de soja (07:50)
Sexta-Feira, 24/01
Biocamp lança uma novidade para o setor avícola na IPPE 2020 (16:28)
Agronegócio é responsável por 77% das exportações do PR (12:30)
CNA revela interesse indiano pela tecnologia brasileira de produção de frango (12:17)
O apetite da Tyson Foods pelo Brasil (12:15)
EUA pedem à Índia até US$ 6 bilhões em compras de produtos agrícolas, inclusive frango (12:12)
Secretário de Indústria e Comércio do Tocantins visita empresas no Bico do Papagaio (12:10)
Frango: baixa liquidez e estoques elevados pressionam valor da carne (10:01)
Congresso de Ovos 2020 divulga slogan: “Ovo: Alimento forte por natureza” (09:58)
Milho cai nesta 6ª feira em Chicago à espera do relatório do USDA (09:55)
Boi Gordo: semana foi marcada por redução dos abates em SP (09:31)
Time técnico da Wisium será destaque em evento internacional (09:20)
Aviagen “Breeding Sustainability” em destaque na Feira de Atlanta (09:10)
Futuros de gado tropeçam para baixa de dois meses antes do relatório do USDA (09:00)
Em setembro, Florianópolis sediará a 13ª edição do Simpósio da ACAV (08:50)
Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus (08:43)
Mantiqueira e Zona Sul lançam experiência gratuita no Rio de Janeiro (08:27)
União Europeia suspende importação de carne de frango da Ucrânia (08:18)
Frango: ave no atacado segue com preço em queda (08:00)
Suínos: animal vivo segue tendo queda de preço nas principais praças produtoras (07:50)
Preço da carne sem osso registrou desvalorização de 13,6% em relação ao início do ano (07:36)
Milho se fortalece em Chicago após anúncio de vendas americanas nesta 5ª feira (07:34)
Soja: maior competitividade do Brasil mantém pressão sobre mercado de Chicago (07:33)
Soja: enquanto negócios com os EUA só devem sair a partir de 15 de fevereiro, China compra no BR (07:30)
Quinta-Feira, 23/01
Brasil pede à Índia corte de taxas de importação sobre produtos de frango (13:18)
Cotações do milho no mercado físico estão sustentadas (12:45)
Boi Gordo: negócios no mercado físico em SP é mínimo (12:40)
Evonik lançará Porphyrio® durante o IPPE, em Atlanta (12:35)
Cobb-Vantress destaca perdas com miopatias em aves em evento no RS (12:34)
Avicultura de postura nordestina evolui com o apoio de grandes parceiros (12:32)
CEPEA: cotações da carne e do Boi Gordo recuam na parcial de janeiro (11:38)
Sócia da Tyson Foods, gaúcha Vibra prepara investimentos no país (10:21)
Suínos: relação de troca por insumos aumenta (09:49)
Milho registra pequenos ganhos no começo desta quinta-feira em Chicago (09:36)
Soja: mercado em Chicago dá continuidade ao movimento de baixas nesta 5ª feira (09:35)
BRF desmente rumores de que a China estaria renegociando contratos de exportação de carnes (09:11)
Na China, vender carne é um negócio para os gigantes? (09:11)
Não precisamos desmatar para comer, basta aumentar a produtividade, diz Tereza Cristina (09:08)
Frango: movimentações lentas e atacadistas querendo escoar estoques (08:25)
Suínos: mais um dia de quedas para o animal vivo (08:24)
Cotação da arroba do Boi Gordo registra queda de 1,7% em uma semana (08:23)
Na Índia, ministra busca ampliar e diversificar comércio e cooperação (08:23)
Avicultura mineira recupera preços mas tem pressão de custo (08:21)
Mercado do boi segue pressionado (08:20)
Sindicarne diz que saída de animais do PR compromete abastecimento local (08:15)
Recuo nos preços da carne bovina faz juros fecharem nas mínimas históricas (08:13)
Milho fecha a 4ª feira com cotações em campo misto na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha com portos estáveis no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Soja registra queda em Chicago nesta 4ª feira (07:30)