Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Bem-estar Animal

R$0,25 a mais no preço de lanche pode reduzir sofrimento de milhões de animais, diz ONG
São Paulo, SP, 16 de Outubro de 2019 - Basta uma moeda a mais para que milhões de animais de produção tenham uma vida melhor antes de virarem alimento em redes de fast food do Brasil, defende campanha lançada nesta quarta-feira pela organização internacional Proteção Animal Mundial, que toma como base estudo comparativo de custos de criação de frangos no país.

Segundo a entidade, ONG anteriormente conhecida como Sociedade Mundial de Proteção Animal, um sanduíche de uma rede de fast food no Brasil que usa frango criado com alto nível de bem-estar sai 25 centavos de real mais caro que aquele que contém carne de um animal criado em condições que estimulam crescimento acelerado e alta concentração de animais por metro quadrado.

A pesquisa, realizada em parceria com a consultoria internacional IHS Markit, analisou custos fixos e variáveis de diferentes sanduíches de carne de frango e outros produtos de frango como nuggets. Segundo o levantamento, a carne de frango representa entre 8% e 11% do custo total do produto.

“O Brasil não tem legislação específica sobre bem-estar de animais de produção e aí ficamos à mercê de quem compra os produtos. Quem impulsionará a mudança é quem consome”, afirmou à Reuters a coordenadora de bem-estar animal na Proteção Animal Mundial no Brasil, Paola Rueda.

A campanha da Proteção Animal Mundial é lançada em um momento de crescimento no número de consumidores que se declaram como vegetarianos ou que têm interesse em produtos alternativos à carne animal. Empresas como Fazendo Futuro, Superbom, Seara e Marfrig lançaram este ano produtos à base de plantas alternativos a itens como hambúrgueres de carne de boi e bife de frango, de olho em um mercado que está movimentando bilhões de dólares nos Estados Unidos.

“Nenhuma rede fast food hoje no Brasil tem compromissos de aquisição de produtos que zelam pelo bem-estar dos animais. Estamos procurando comprometimentos no Brasil das grandes redes internacionais, que lá fora têm compromissos firmados”, acrescentou ela, referindo-se a frango de corte e citando como exemplos redes como KFC, Burguer King e Subway.

Rueda comentou que atualmente o tempo médio de crescimento dos frangos no Brasil até o abate é de 42 dias, ganhando 65 gramas de peso por dia. Segundo ela, essa velocidade causa uma série de problemas aos animais e prejuízo às próprias granjas, uma vez que o desenvolvimento acelerado dos frangos gera dores crônicas e até fraturas, o que leva ao descarte.

“Hoje, o frango cresce muito rapidamente por causa de melhoramentos genéticos, mas as articulações não aguentam essa velocidade de crescimento muscular. Um dos nossos pontos é que esses animais tenham um crescimento saudável, um pouco mais lento, passando de 42 para 52 dias antes do abate”, disse Rueda.

Além do crescimento acelerado, a entidade também cita um quadro de aumento na densidade das granjas, que podem chegar a destinar um espaço menor que uma folha de papel A4 para cada frango viver. O pedido da Proteção Animal Mundial é para uma redução na média de animais por metro quadrado de 11 para 8,5. Essa redução, além de dar mais espaço às aves, ajudaria, junto com a desaceleração no crescimento, a reduzir o nível de estresse dos frangos, fortalecendo o sistema imunológico dos animais, disse Rueda.

“Animal sem estresse crônico fica menos sujeito a ficar imunossuprimido e a possibilidade das bactérias se reproduzirem é menor”, disse ela, citando a salmonella como exemplo.

A rede Subway afirmou em comunicado que dá preferência de compra a fornecedores que compartilham do compromisso do grupo com o bem-estar animal e que todo frango servido nas lojas no país vem de aves livres de confinamento em gaiolas.

“Nós já iniciamos uma transição para trabalharmos apenas com fornecedores que utilizam ovos de galinhas não confinadas em gaiolas. Nos comprometemos que até 2025 ou antes, 100% dos ovos utilizados nas fórmulas dos produtos nos restaurantes da Subway Brasil, serão de galinhas não submetidas a confinamento.”

Representantes de Burguer King Brasil e da KFC não se manifestaram até a publicação da reportagem.

Segundo a Proteção Animal Mundial, que em novembro vai organizar um simpósio em São Paulo sobre o futuro dos sistemas de produção de alimentos, apesar de a maior parte dos grandes criadores de frango no país estar nos nívels 3 e 4 de uma escala de 1 a 6 do Farm Animal Welfare Report, que classifica o nível de bem estar dos animais, o sistema fechado de criação intensiva sem luz natural tem mostrado sinais de estar crescendo no país.

Nas contas da entidade, incluir cuidados como instalação de poleiros e fardos de feno nas granjas e garantir seis horas contínuas de escuro por dia para descanso adequado das aves, custariam 38 centavos de real a mais por quilo de ave viva.

“A ideia aqui não é defender a criação de frango solto, o que geraria um custo absurdo para os produtores... O que o estudo mostra é que se mexer em todos esses outros aspectos, o bem-estar dos animais melhora muito e o custo não é tão caro.”
(Reuters) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 15/11
Quinta-Feira, 14/11
Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar o Brasil, dizem especialistas (17:07)
Boi: arroba e carne no atacado atingem patamares recordes (12:17)
A empresa de 65.000 famílias que concorre com BRF e JBS (11:24)
China suspende proibição de importação de carne de aves dos EUA (10:43)
China habilita terceirizado da BRF (10:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (10:03)
JBS tem lucro líquido no 3tri19 de R$ 356,7 milhões, revertendo prejuízo (09:45)
ABPA e Apex-Brasil promovem ação em evento de autoridades sanitárias da China (09:42)
China habilita terceirizado da BRF (09:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (09:04)
Frango: com maior liquidez, preço da asa atinge recorde (08:30)
Suínos: valor do leitão é recorde nominal (08:20)
Soja tem 5ª feira de pouca movimentação na Bolsa de Chicago, buscando direção (08:10)
Milho perde força em Chicago e reverte ganhos (07:39)
Soja: demanda interna paga melhor que a exportação na safra velha (07:38)
Quarta-Feira, 13/11
Investindo na avicultura latino-americana, Vaccinar patrocina VI Workshop Sindiavipar e apresenta palestra sobre performance reprodutiva de galos (14:39)
BRF avalia aquisições na Turquia para aumentar produção local (11:39)
Soja: mercado em Chicago se mantém inerte nesta 4ª feira (09:22)
Conab prevê novo recorde para safra brasileira de grãos com 246 milhões de t (08:23)
Ministra defende uso de tecnologia na agropecuária brasileira para ampliar mercado. (08:18)
Resultados comprovados impulsionam as vendas da Oceana para premixeiras, cooperativas e fábricas de rações (08:05)
Frango: mercado atacado fecha terça-feira com alta de 3,81% (07:59)
Suínos: boas notícias para o setor aquecem cotações (07:57)
Com maior oferta e consumo em queda, preços da carne suína recuam na China (07:56)
USDA: colheita da soja e do milho ficam ligeiramente acima do esperado nos EUA (07:53)
Milho: preços sobem mais de 1% na B3 e mais de 3% no interior do Brasil nesta 3ª feira (07:51)
Soja precisa de notícias fortes sobre a demanda da China para se recuperar em Chicago e formar preços melhores no BR (07:49)
Novo leilão da CONAB oferta 50 mil toneladas de milho a criadores (07:07)
Terça-Feira, 12/11
Mais 13 frigoríficos brasileiros podem exportar carne para a China (15:54)
Abate de bovinos cresce 4% no 3º tri, diz IBGE; China impulsiona carnes do Brasil (14:32)
ABPA comemora novas habilitações de frigoríficos de aves e suínos (13:23)
Em 10 meses, exportações catarinenses de carne suína superam o faturamento de 2018 (13:21)
Milho: área plantada no verão deve crescer de 2% a 4% em 2019/20, prevê Abramilho (12:00)
Habilitação de frigoríficos é sinal de maior aproximação com árabes, diz executivo (08:03)
Arábia Saudita habilita oito novos frigoríficos brasileiros para exportação de carne bovina (06:05)
Emirados compram 175% mais carne bovina do Brasil (06:02)
Frango: alta apenas no atacado marca começo da semana com cotações mornas em demais setores (05:54)
Suínos: mercado fecha sem variação nesta segunda-feira (05:52)
Boi Gordo: poucos negócios nesta segunda feira (05:50)
Boi: mercado físico abre a semana com forte especulação altista (05:49)
Milho: Bolsa de Chicago encerra sessão com baixas nesta 2ª feira (05:46)
Soja: pessimismo sobre acordo China x EUA se intensifica e Chicago tem mais de 14 pts de baixa (05:43)
Soja: pessimismo sobre acordo China x EUA se intensifica e Chicago tem mais de 14 pts de baixa (05:43)
Segunda-Feira, 11/11
Encontre o time da APC no CBNA 2019 (11:45)
Exportações do agronegócio são recordes, mas faturamento externo cai (11:39)
Milho: demanda interna aumenta e impulsiona cotações (10:49)
Soja: grão se valoriza e indústria reduz processamento (10:47)
Vetanco Brasil reforça sua equipe técnica (10:29)
Soja começa semana operando em baixa na Bolsa de Chicago de olho na guerra comercial (10:18)
Ovos: exportações aumentam; no Brasil, pressão compradora limita altas (09:39)
Mercado de frango encerra a sexta-feira sem alterações expressivas (08:15)
Na B3, vencimento Dezembro/19 para o boi gordo encerra a 6ª feira a R$ 194,50/@ (08:05)
Receita das exportações de carne suína cresce 38,4% em outubro (08:00)
Milho sobe em Chicago na 6ªfeira após USDA reduzir safra, produtividade e exportações (07:36)
UFRA-PA abre processo para contratação de professores substitutos (02:46)