Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
Matérias-Primas

Soja fecha com leves altas em Chicago nesta 2ª e mercado espera definições
Campinas, SP, 15 de Outubro de 2019 - As preocupações com a oferta de soja dos Estados Unidos promoveram mais um dia de alta para os preços da oleaginosa no mercado internacional nesta segunda-feira (14). O mercado, no entanto, segue bastante cauteloso, principalmente, diante das questões geopolíticas e de seus efeitos sobre a demanda.

Assim, os futuros da commodity terminaram o dia com ganhos entre 4 e 4,50 pontos nos principais contratos. O contrato novembro/19 fechou com US$ 9,40 e o maio/20, referência importante para a safra brasileira, valendo US$ 9,72 por bushel.

As adversidades climáticas no Corn Belt, com o frio intenso e ocorrências de geada e neve em muitas áreas produtoras têm sido importante fator de suporte para as cotações na CBOT. Como explicou o analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities, o mercado espera que a oferta possa ser ainda menor do que o estimado atualmente. O último número do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) é de pouco mais de 96 milhões de toneladas.

De acordo com o Commodity Weather Group (CWG), druante o final de semana áreas como o centro e o leste da Dakota do Norte e o nordeste da Dakota do Sul receberam algo entre 4 e 12 polegadas de neve. E no leste, centro e leste de Iowa uma geada forte, bem como no sul de Minnesota pode ter comprometido ainda mais o crescimento do milho.

Da mesma forma, Vanin afirma ainda que o tamanho da demanda da China deverá, ao lado dessas preocupações com a oferta, ajudar a determinar os andamento das cotações na Bolsa de Chicago. Há preocupações ainda relacionada à Peste Suína Africana e sobre os detalhes do semi-acordo firmado entre chineses e americanos.

A Peste Suína Africana (PSA) continua promovendo uma sombra sobre a demanda da China por soja. Ainda assim, as importações dessa commodity pela nação asiática foram de 8,2 milhões de toneladas. Apesar de apresentarem uma baixa de 13,5% em relação ao mês anterior , já que em agosto foram 9,48 milhões de toneladas, na comparação anual as importações chinesas da oleaginosa foram maiores, já que em setembro de 2018 totalizaram 8,01 milhões de toneladas.

E no acumulado de 2019, mesmo com todos os problemas, a China comprou 7,9% a mais do que nos primeiros nove meses de 2018 ao adquirir 64,511 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (14) pela Administração Geral das Alfândegas da China.

Há ainda uma queda na população de matrizes de suínos na China, como explica o analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities. "Isso é um problema e preocupa. Ainda não houve uma estabilização da população de suínos, a velocidade de abate está maior do que a produção. A demanda da China ainda é uma incógnita", diz.

PREÇOS NO BRASIL

No Brasil, os preços subiram motivados não só pelas altas em Chicago, mas com alta também do dólar frente ao real. A moeda americana subiu 0,81% para encerrar o dia com R$ 4,128.

Com essa combinação, os preços no interior subiram mais de 1% em algumas praças de comercialização, como foi o caso de Alto Garças, em Mato Grosso, onde o preço foi a R$ 79,70 por saca, com ganho de 2,18%.

Em Paranaguá, a soja disponível fechou estável nos R$ 88,50 por saca, enquanto subiu 0,56% para R$ 89,00 em Rio Grande. Já para a referência março/20, alta de 0,57% em ambos os terminais, para R$ 87,50 por saca.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 13/11
Novo leilão da CONAB oferta 50 mil toneladas de milho a criadores (08:07)
Terça-Feira, 12/11
Mais 13 frigoríficos brasileiros podem exportar carne para a China (15:54)
Abate de bovinos cresce 4% no 3º tri, diz IBGE; China impulsiona carnes do Brasil (14:32)
ABPA comemora novas habilitações de frigoríficos de aves e suínos (13:23)
Em 10 meses, exportações catarinenses de carne suína superam o faturamento de 2018 (13:21)
Milho: área plantada no verão deve crescer de 2% a 4% em 2019/20, prevê Abramilho (12:00)
Habilitação de frigoríficos é sinal de maior aproximação com árabes, diz executivo (08:03)
Arábia Saudita habilita oito novos frigoríficos brasileiros para exportação de carne bovina (06:05)
Emirados compram 175% mais carne bovina do Brasil (06:02)
Frango: alta apenas no atacado marca começo da semana com cotações mornas em demais setores (05:54)
Suínos: mercado fecha sem variação nesta segunda-feira (05:52)
Boi Gordo: poucos negócios nesta segunda feira (05:50)
Boi: mercado físico abre a semana com forte especulação altista (05:49)
Milho: Bolsa de Chicago encerra sessão com baixas nesta 2ª feira (05:46)
Soja: pessimismo sobre acordo China x EUA se intensifica e Chicago tem mais de 14 pts de baixa (05:43)
Soja: pessimismo sobre acordo China x EUA se intensifica e Chicago tem mais de 14 pts de baixa (05:43)
Segunda-Feira, 11/11
Encontre o time da APC no CBNA 2019 (11:45)
Exportações do agronegócio são recordes, mas faturamento externo cai (11:39)
Milho: demanda interna aumenta e impulsiona cotações (10:49)
Soja: grão se valoriza e indústria reduz processamento (10:47)
Vetanco Brasil reforça sua equipe técnica (10:29)
Soja começa semana operando em baixa na Bolsa de Chicago de olho na guerra comercial (10:18)
Ovos: exportações aumentam; no Brasil, pressão compradora limita altas (09:39)
Mercado de frango encerra a sexta-feira sem alterações expressivas (08:15)
Na B3, vencimento Dezembro/19 para o boi gordo encerra a 6ª feira a R$ 194,50/@ (08:05)
Receita das exportações de carne suína cresce 38,4% em outubro (08:00)
Milho sobe em Chicago na 6ªfeira após USDA reduzir safra, produtividade e exportações (07:36)
UFRA-PA abre processo para contratação de professores substitutos (02:46)
Sexta-Feira, 08/11
Suíno: altas de preços na granja e no atacado em São Paulo (13:40)
Milho segue desvalorizado em Chicago na espera por números do USDA (13:00)
Peru de Natal vai ficar mais caro na ceia de 2019 (12:30)
Andréa Silvestrim, Diretora do CBNA: “Com muita dedicação, estamos trazendo novos conceitos e tecnologias em nutrição para nosso próximo evento” (11:41)
BRF teve lucro líquido de R$ 293,9 milhões no 3º trimestre (11:32)
Faesc contra a tributação das exportações de produtos primários (10:40)
Milho: ofertas do cereal no mercado físico ficaram mais enxutas (10:20)
Soja: Chicago se mantém estável à espera dos novos números do USDA (10:16)
Biovet Vaxxinova realiza reunião de alinhamento estratégico (09:56)
Puxadas pelo milho, exportações do agro atingem US$ 8,4 bilhões em outubro (08:04)
Frango: atacado continua subindo (07:20)
Suínos: resultados inexpressivos marcam mercado nesta quinta-feira (07:14)
Boi: vencimentos Jan e Fev de 2020 fecham a sessão com quedas na B3 (07:13)
Cotação da arroba do boi sobe em 90% das praças pecuárias (07:13)
Milho se desvaloriza em Chicago nesta quinta-feira com números fracos para a exportação (07:12)
Soja brasileira está mais competitiva que a americana com um diferencial de até US$ 15/tonelada (07:10)
Produção de carne suína da China deve cair ao menos 20% em 2019, diz FAO (07:05)
Quinta-Feira, 07/11
China deve habilitar mais frigoríficos (21:38)
Frango: variações nos preços dos produtos marcaram outubro (14:44)
USDA: Vendas semanais de soja dos EUA ficam bem acima das expectativas (14:42)
Sindirações tem nova gestão para o período de 2019/2022 (11:38)
Hy-Line do Brasil recebe auditoria de missão chinesa para exportação de material genético (10:50)
Suínos: quantidade exportada é a 3ª maior e receita com embarques é recorde (09:15)
Boi: exportações recordes mantêm os preços internos em alta (09:12)
Missão chinesa chega a Rio Preto para avaliar polos de avicultura da região (08:22)
Seara adquire dona da mortadela Marba (08:20)
Ceva debate doenças respiratórias na produção de frangos de corte no Sindiavipar (08:08)
Preços da soja em Chicago já estão próximos do piso (08:04)
Soja trabalha com pequenas altas nesta 5ª e se ajusta antes do novo USDA (08:03)
Suínos: mercado segue aquecido nesta quarta-feira (07:59)
Boi Gordo: mercado segue firme e forte (07:57)
Milho: cotações futuras fecham a sessão de 4ª feira com ligeiras perdas em Chicago (07:50)