Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
Saúde Animal

Produzir aves sem antibióticos exige tempo de aprendizagem, diz executivo
São Paulo, 14 de Outubro de 2019 -

O uso racional de antibióticos na produção de aves pautou o XXVI Congresso Latino-Americano de avicultura, realizado este ano em Lima (Peru). A discussão do assunto se tornou fundamental, diante das mudanças nos hábitos do consumidor moderno.

Para Ricardo Pereira, presidente da Biomin, empresa fabricante de soluções naturais para nutrição animal, esse é um caminho sem volta. Mas exige um tempo de adaptação e ajuste de toda a cadeia produtiva.

Segundo o executivo, algumas empresas já fizeram essa mudança, entre elas a maior produtora de frango do Brasil, a BRF, que já produz 2 bilhões de aves por ano sem uso de antibióticos, uma transformação que levou anos para ser concluída, conta.

Confira a entrevista que o executivo concedeu à Globo Rural.

Globo Rural -  Foi falado muito aqui sobre redução do uso de antibióticos na produção animal. Qual é a importância disso e é possível produzir sem antibióticos?



Ricardo Pereira - É muito importante, porque precisa preservar essas drogas [antibióticos] para o ser humano. Isso é um programa que envolve inclusive a Organização Mundial de Saúde (OMS). E é possível. Nós temos várias experiências de parar de usar, reduzir o número de antibióticos, deixar só pra uso terapêutico, tirar ele da condição de preventivo ou promotor de crescimento, e conseguimos com as nossas soluções fazer com que a produção de carne de frango possa seguir sem antibiótico mantendo os padrões de performance, de custo e eficiência.

Globo Rural - Outro tema bastante falado aqui é a peste suína africana lá na Ásia, que está se espalhando e dizimando o rebanho da China, principalmente. Isso impacta, de alguma forma, o setor brasileiro? O Brasil é o maior exportador de carne de frango do mundo. Como isso afeta a cadeia produtiva no Brasil?



Pereira - Muito positivamente e por um longo prazo. A China perdeu, dizem as fontes, entre 30% e 50% da produção de suínos. Eles tinham aproximadamente 1 bilhão de animais, é quase um animal para cada chinês. E reduziram isso pela metade. Para cobrir isso, tem que usar todas as proteínas que estão disponíveis. Frango vai ser a primeira, porque é rápida pra entrar em produção. Tem o lado do ruminante [boi], do peixe e suíno. E o problema na China não se resolve rápido. Não existe vacina para a peste suína africana.  As condições de biosseguridade são difíceis, como em qualquer país. Então isso vai ter um impacto muito positivo em todos os países produtores de proteína animal, e pela minha percepção pelos próximos três a cinco anos, no mínimo.

Globo Rural - Voltando a falar da avicultura e do uso de antibióticos, hoje, você já percebe alguma mudança nessa matriz, no caso da Biomin, que é produtora e fornecedora para a indústria avícola, uma mudança na venda de produtos?



Pereira - Há uma migração muito interessante para essas soluções que substituem o uso de antibióticos. Isso já é claro. Nosso negócio tem sido positivamente afetado por isso. É muito difícil fazer essa mudança, porque você tem que mudar um monte de conceitos. Viemos com os antibióticos até agora, mais de 50 anos a 60 anos, mas mudar exige que enxergue de coisa mais ampla, tem que ter um aproach mais holístico. Dá pra fazer. Há um período de aprendizagem. Algumas empresas estão mais avançadas. A maior empresa do Brasil hoje já produz frango sem nenhum antibiótico promotor de crescimento há mais de três anos. Isso vai continuar acontecendo. Vai acontecer muito rápido, tem um tempo de aprendizado muito interessante. Não é só produto. É o serviço e o conhecimento.

Globo Rural -  Essa mudança é uma exigência do consumo?


.
Pereira - Quem puxa isso é o consumidor. Ele quer ter comida mais agradável, mais saudável e por mais tempo, porque nós vamos viver cada vez mais tempo. Isso é fundamental que você tenha essa mudança. Essa mudança vai fazer a diferença na nossa qualidade de vida e muda a indústria como um todo. Ele (consumidor) que puxou. E vai ser sempre ele.

(Globo Rural) (Cassiano Ribeiro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 20/11
Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11
Quinta-Feira, 14/11
Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar o Brasil, dizem especialistas (17:07)
Boi: arroba e carne no atacado atingem patamares recordes (12:17)
A empresa de 65.000 famílias que concorre com BRF e JBS (11:24)
China suspende proibição de importação de carne de aves dos EUA (10:43)
China habilita terceirizado da BRF (10:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (10:03)
JBS tem lucro líquido no 3tri19 de R$ 356,7 milhões, revertendo prejuízo (09:45)
ABPA e Apex-Brasil promovem ação em evento de autoridades sanitárias da China (09:42)
China habilita terceirizado da BRF (09:18)
Milho será fiel da balança para colheita recorde de grãos (09:04)
Frango: com maior liquidez, preço da asa atinge recorde (08:30)
Suínos: valor do leitão é recorde nominal (08:20)
Soja tem 5ª feira de pouca movimentação na Bolsa de Chicago, buscando direção (08:10)
Milho perde força em Chicago e reverte ganhos (07:39)
Soja: demanda interna paga melhor que a exportação na safra velha (07:38)