Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
Exportação

Mercosul acelera vigência de acordo com UE
Santa Fé, Argentina, 16 de Julho de 2019 - Os quatro sócios do Mercosul vão acelerar a implantação do acordo de livre-comércio com a União Europeia. Eles se mostraram decididos a usar uma "cláusula de vigência bilateral" para tornar o tratado comercial vigente em cada país-membro do bloco tão logo haja aprovação de seus respectivos Parlamentos.

Assim, um país como o Brasil não precisaria esperar o Paraguai ou o Uruguai não teria que aguardar a Argentina, por exemplo, para colocar o acordo em prática. Para isso, o Parlamento Europeu deverá ter feito sua parte e ratificado o tratado com a eliminação progressiva de tarifas.

Normalmente, a validade requer aprovação de todos os signatários envolvidos. O governo brasileiro tem defendido a aplicação da cláusula de bilateralidade desde o anúncio do acordo, no mês passado, em Bruxelas.

Havia discussão entre os demais parceiros do bloco, entretanto, sobre a conveniência de usar ou não essa "manobra" para não arrastar a entrada em vigência do maior tratado de livre-comércio já firmado pelo Mercosul.

"Os tempos [no Mercosul] mudaram. Hoje precisamos de instrumentos efetivos para dar respostas rápidas às expectativas do setor exportador e produtivo dos nossos países", afirmou a diretora-geral de assuntos de integração da chancelaria uruguaia, Valeria Csukasi.

"Queremos tirar proveito, o mais rápido possível, do acordo e dos benefícios que ele pode nos trazer", acrescentou o embaixador Juan Ángel Delgadillo, vice-ministro de Relações Econômicas e Integração do Paraguai.

As conversas sobre o acionamento da cláusula avançaram ontem em Santa Fé, na Argentina, durante encontro do Grupo Mercado Comum (GMC), principal instância técnica do Mercosul. Os ministros da Economia e das Relações Exteriores do bloco se reúnem hoje - amanhã será a vez da cúpula dos presidentes.

Parece uma decisão burocrática, mas tem efeitos práticos. Outros acordos já celebrados pelo Mercosul, com o Egito e com a SACU (união aduaneira liderada pela África do Sul), demoraram mais de cinco anos para funcionar, devido à necessidade de ratificação por cada um dos sócios.

Apesar do clima de congratulação por causa do acordo recém-fechado, um tema recorrente na agenda do Mercosul voltou à tona nas conversas: fazer em conjunto ou individualmente as próximas negociações comerciais.

Os quatro países sul-americanos só se sentam juntos nas tratativas externas desde 2002. O "novo" Itamaraty do governo Jair Bolsonaro admitia a hipótese de revisar essa norma, preservando-a apenas para acordos já em negociação e liberando cada sócio para futuras conversas com outros parceiros interessados, mas está animado com o tratado UE-Mercosul. Na visão do governo brasileiro, foi uma mostra de que, ao assumir uma postura mais liberal, é possível ter bons resultados com todos juntos.

Um funcionário graduado em Brasília comenta, pedindo para não ser identificado, que tudo dependerá do processo eleitoral na Argentina. Uma eventual vitória do kirchnerismo, com viés mais protecionista, deve levar o Brasil a repensar essa "amarra" do Mercosul e a defender flexibilidade dos sócios para negociar novos acordos individualmente.

O cabeça da chapa que tem Cristina Kirchner como vice, Alberto Fernández, lidera as pesquisas e fez críticas duras ao tratado de livre-comércio com os europeus. Ele já aventou, inclusive, a possibilidade de rejeição dos termos pelo Congresso argentino. Para a fonte brasileira, tudo vai depender do comportamento de Fernández, em caso de vitória no pleito de outubro. "Sabemos também que o discurso de campanha é um, o discurso de governo é outro. Temos que ver."

Da parte do governo de Mauricio Macri, que tenta a reeleição na Argentina, há interesse em flexibilizar a norma do Mercosul existente desde o começo da década passada. Uma fonte da Casa Rosada comentou com o Valor que o país vê com simpatia a negociação conjunta com parceiros maiores, como Estados Unidos ou Japão, porque isso aumenta o poder de barganha do Mercosul.

No entanto, segundo esse auxiliar de Macri, o atual governo gosta da ideia de flexibilidade para fechar acordos individuais com países ou blocos de menor peso na arena internacional, como os centro-americanos.

Para o secretário de Relações Econômicas Internacionais da chancelaria argentina, Horacio Reyser, novos tratados de livre-comércio com o Mercosul têm boas possibilidades de sair nos próximos meses. Ele demonstra otimismo com a rodada negociadora marcada para agosto com os integrantes da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) - Suíça, Noruega, Islândia, Liechtenstein - e estima que um acordo com o Canadá possa ser fechado no primeiro semestre de 2020. Além desses, o Mercosul está em tratativas comerciais com Cingapura e com a Coreia do Sul.

(Valor) (Daniel Rittner)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 22/08
Brasil deve produzir 13 milhões de t de carne de frango em 2019, diz ABPA (07:33)
Frigoríficos esperam ao menos 3 anos de alta nas exportações (07:32)
Santa Catarina quer investir na produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:30)
Após retomar atividades, BRF diz que dobrará abates de frango em unidades atingidas por crise (07:30)
Quarta-Feira, 21/08
ABPA projeta forte aumento da exportação de carne de frango e suína em 2019 (19:07)
‘Bonança perfeita’ anima indústria de aves e suínos (19:01)
Peste suína na China faz setor de carnes do Brasil viver bonança após tempestade (18:58)
Boi: Mercado reagiu em São Paulo (18:56)
Milho: Cotações fecham a 4ª feira com ganhos em Chicago na espera (18:55)
Soja: Portos têm referências de até R$ 88/saca com fortalecimento dos prêmios no BR (18:53)
Soja: Brasil teria apenas mais 2 mi de t para exportação e negócios seguem fluindo (18:52)
32ª Reunião Anual CBNA: Congresso sobre Nutrição e Bem-Estar Animal - Aves, Suínos e Bovinos encerra inscrições de trabalhos científicos dia 12 de setembro (14:02)
Perspectiva da Conab prevê aumento de 3,6% na produção dos quatro principais grãos do país até 2020 (11:37)
Sindiavipar e Mapa promoverão encontro com agroindústrias (09:24)
Vetanco Brasil recertificada na ISO 9001:2015 (09:21)
NOTA DE FALECIMENTO: morre José Augusto Pessamilio (09:09)
Julho tem queda nos custos de produção de suínos e de frangos de corte (09:02)
Milho: relatos de campo (08:36)
Soja: receios com lavouras (08:30)
Bayer anuncia venda da unidade de saúde animal para a Elanco por US$ 7,6 bilhões (08:22)
SIAVS 2019: Segundo dia do evento terá palestrante internacional e Painel dos CEOs (08:17)
Soja sobe levemente em Chicago nesta 4ª feira com foco dividido entre geopolítica e safra dos EUA (08:13)
Consumo enfraquecido mantém mercado do boi gordo morno (08:12)
Milho: mercado futuro encerra a sessão desta 3ª feira com quedas na Bolsa de Chicago (08:10)
Brasil vê aumento na nova safra de soja; quebra nos EUA traz oportunidades, diz Conab (08:05)
Soja: com dólar acima dos R$ 4 e Chicago estável, preços no BR tem novas altas (08:00)
Terça-Feira, 20/08
Vetanco registra presença na 60ª Festa do Ovo (12:32)
Setor de genética avícola lança marca internacional (10:35)
O Brasil que é exemplo para o mundo, por Francisco Turra (10:32)
Após conquista da carne, ovo sintético é novo horizonte (09:36)
FACTA promove curso de ambiência e bem-estar na avicultura e suinocultura em Dourados (MS) (09:34)
SIAVS ganha lançamento de vacina bivalente inativada contra salmonelas do Biovet Vaxxinova (08:37)
Falta 1 semana para o Prêmio Imprensa 2019 do IOB (08:29)
Seara lança linha completa de carne de frango orgânica (08:22)
Boi: mercado do boi com cotações estáveis (08:12)
Milho: clima e exportações americanas atuam para desvalorizar cotações em Chicago (08:10)
China eleva compra de soja em grão da Rússia (08:09)
Soja: mercado futuro encerra o pregão desta 2ª feira com fortes desvalorizações na Bolsa de Chicago (08:08)
Produtores rurais participam de palestra sobre inspeção de ovos e abatedouro de aves (08:00)
Produtores já podem ter acesso a novo programa de composição de dívidas rurais (07:58)
UNIDO e CIBiogás promovem treinamento sobre biogás (07:54)
EUA: incêndio em abatedouro derruba preço da carne bovina (07:53)
Segunda-Feira, 19/08
APINCO elege nova diretoria e comemora 40 anos de fundação (12:07)
De Heus apresenta soluções nutricionais sustentáveis no SIAVS (10:24)
Milho: queda externa pressiona cotações nos portos brasileiros (10:23)
Soja: com vendedores retraídos, preços sobem (10:21)
Milho: Semana começa com cotações desvalorizadas em Chicago (09:52)
AVES e ASES se reúnem com presidente do IDAF para tratar de assuntos voltados para os dois setores (08:49)
Milho: olho nas lavouras (08:26)
Soja: pés no chão (08:24)
Grãos e carnes movem avanço da Frísia (08:18)
Soja sobe mais de 16% em reais por saca desde maio no porto de Paranaguá (08:07)
Milho: cotações sobem 3% nesta sexta-feira, mas acumulam queda de mais de 9% na semana (08:04)
China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês (08:01)
Boi: Mercado futuro encerra a sessão nesta 6ª feira sem grandes movimentações na Bolsa Brasileira (07:45)
Sexta-Feira, 16/08
Frango: preço do milho cai e favorece poder de compra do avicultor (16:37)
Soja: a guerra, de novo (07:20)
ICC Brazil participa do SIAVS 2019 (06:58)
Suínos: maior volume estocado pressiona cotação da carne (06:36)
Boi: preço da arroba atravessa a 1ª quinzena praticamente estável (06:35)
Dividendo a minoritários pressiona caixa da Marfrig (06:31)
JBS amplia unidades já autorizadas a vender à China (06:28)
Setor produtivo e governo debatem medidas de prevenção à peste suína e clássica (06:22)
Boi: Mercado sustentado em São Paulo (06:21)
Milho: Após três dias com fortes baixas, Bolsa de Chicago registra leves ganhos nesta quinta (06:20)
Soja: com vendas de mais de 3 mi de t nas últimas duas semanas, preços seguem fortes (06:18)
Com aquisições e IPO nos EUA no radar, ações da JBS disparam (06:16)