Domingo, 08 de Dezembro de 2019
Exportação

Textos oficializam divergências entre UE e Mercosul sobre freio a importação
Genebra, Suíça, 10 de Julho de 2019 -

Logo depois do anúncio do acordo, no fim do mês passado, o Valor apontou as primeiras nuances nas explicações de autoridades europeias e brasileiras sobre o mecanismo que dá boa margem para um país bloquear a importação agrícola.

Agora, documentos oficiais confirmam as visões distintas. Na segunda-feira à noite, mais de uma semana após o anúncio do tratado, o Ministério da Agricultura do Brasil publicou uma nota de sete páginas com cifras sobre cotas, redução de tarifas e destacando que o acordo prevê normas para a aplicação do princípio de precaução.

Segundo o ministério, pelo acerto entre os dois blocos, o mecanismo "só pode ser usado com base em evidências científicas e o ônus da prova é do país que apresentar a reclamação" contra o produto importado. E destaca que o princípio de precaução "não se aplica a medidas sanitárias e fitossanitárias".

Ontem foi a vez de a UE publicar um resumo sobre a parte agrícola do acordo, no qual enfatiza que "continua livre para regular segurança dos alimentos" e define o que entende pelo princípio de precaução no acordo com o Mercosul.

"Princípio da precaução significa que os governos têm o direito legal de agir para proteger a saúde humana, animal ou vegetal, ou o ambiente, em face do risco percebido, mesmo quando a evidência científica [sobre os riscos da importação do produto] não é conclusiva", afirma o documento europeu.

Ou seja, a UE considera ter ampla margem para usar o mecanismo, sem a necessidade que o Mercosul aponta de ser apresentada evidência científica para justificar a rejeição de um produto importado.

O Ministério da Agricultura (Mapa) diz em seu documento que, caso o principio de precaução seja utilizado para fins protecionistas, o Mercosul pode contestar a medida na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Conforme o ministério, o princípio de precaução foi incluído no capítulo que trata do desenvolvimento sustentável (ambiente) e da segurança e saúde no trabalho. Para a UE, seu direito de usar livremente o mecanismo está expressamente mencionado no capítulo sobre comércio e desenvolvimento sustentável.

Princípio de precaução sempre foi uma questão altamente sensível para a agricultura brasileira. O Brasil só aceitou o mecanismo depois que, na barganha final em Bruxelas, os europeus ameaçaram que, sem ele, não haveria acordo.

Outros pontos podem complicar a redação final do acordo Mercosul-UE. Os europeus dizem que mantêm seu direito de estabelecer níveis máximos de resíduos para pesticidas, medicamentos veterinários ou contaminantes, pelos quais podem dificultar a entrada de um produto agrícola no mercado comum.

Nesta semana, na outra direção, o Brasil se uniu a cerca de outros cem países na Organização Mundial do Comércio para se queixar que a UE procura unilateralmente impor um enfoque regulatório a seus sócios comerciais que não se baseia em análises de riscos aceitas internacionalmente.

Os documentos divulgados procuram, por outro lado, acomodar inquietações de seus diferentes setores. O Ministério da Agricultura destaca como o Brasil ganhou acesso ao mercado europeu. Já a UE diz que os produtos agrícolas do Mercosul terão entrada limitada e "estritamente controlada".

Conforme o Mapa, aproximadamente 82% dos produtos agrícolas terão acesso livre ao mercado europeu "e o restante ampliará a participação por meio de cotas preferenciais fixas".

Do seu lado, a UE mencionas as cotas para produtos como carne bovina, açúcar, etanol, arroz e mel para considerar que, em vez de criarem um aumento equivalente nas importações, na prática, essas cotas (com tarifas menores ou mesmo sem tarifa) vão substituir as importações que já ocorrem hoje com alíquota mais elevada.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 08/12
Sexta-Feira, 06/12
Frango: novembro se configurou como o período de retomada de preços (15:53)
Suínos: preços em alta em São Paulo (14:19)
CNA leva posicionamento do Agro para a COP-25 (14:10)
Clientes Ross beneficiam-se de evento compartilhando informações no Peru (09:03)
Soja sobe em Chicago nesta 6ª com notícia de nova liberação de cotas da China para os EUA (08:46)
China vai abrir mão de tarifas sobre alguns embarques de soja e carne suína dos EUA (08:44)
MAPA convoca 100 médicos veterinários aprovados em concurso (08:03)
Ministério assina contrato com o BID: US$ 200 milhões para a Defesa Agropecuária (08:01)
Frango: exportação para China bate recorde (06:34)
Frango: cotações mornas nesta quinta-feira (06:27)
Suínos: cotações seguem estáveis, mas valorização sobre carne bovina em novembro foi recorde (06:24)
Peste Suína/Ásia: FAO eleva para 7,659 milhões número de animais eliminados por doença (06:17)
Preços globais da carne bovina devem permanecer sustentados em 2020, reafirma o Rabobank (06:16)
Contratos futuros para o boi gordo encerram a 5ª feira próximo da estabilidade na B3 (06:14)
Boi Gordo: poucos negócios e preços caindo (06:13)
Milho encerra quinta-feira em baixa na Bolsa de Chicago (06:12)
Soja sobe em Chicago pela terceira sessão consecutiva (06:10)
Quinta-Feira, 05/12
Soja intensifica ganhos em Chicago e sobe nesta 5ª feira (15:46)
Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro (15:11)
Suínos: competitividade da carne suína frente à de boi é a maior da série (11:39)
Boi: receita obtida com exportação é recorde (11:20)
Ricardo Santin será o novo presidente da ABPA (11:15)
Para CNA, não vai faltar produto e preços da carne vão se normalizar (09:44)
Goiás pode ampliar exportação de frango para o Chile (09:43)
Vendas de ovos disparam em Manaus (09:41)
Preços de alimentos no mundo sobem com impulso de carnes e óleos vegetais, diz FAO (09:33)
Líder, BRF tem capacidade ociosa para expandir produção no Brasil (09:28)
Produtor americano reduz ritmo de comercialização da soja a espera de melhores preços (08:56)
Soja segue trabalhando em alta em Chicago nesta 5ª feira (08:52)
CNA prevê aumento do valor da produção e do PIB do campo em 2020 (08:40)
Aviagen contrata novo Supervisor Regional de Vendas no Brasil (08:17)
Korin fornece frango caipira livres de transgênicos para o Carrefour no Estado de São Paulo e Brasília (08:12)
Frango: setores apresentaram leve queda ou estabilidade nesta 4ª feira (08:09)
Suínos: cotações mornas nesta 4ª feira (08:03)
JBS planeja investir R$ 8 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos (08:00)
Boi Gordo: vendas da carne continuam sendo o entrave (07:49)
Boi Gordo: preços da arroba recuaram 2,1% em SP (07:48)
Milho tem leves baixas em Chicago nesta 4ª feira, mas preços se sustentam no Brasil (07:38)
Quarta-Feira, 04/12
Unidades da Aviagen no Brasil recebem certificação de compartimentação (14:07)
Presidente da ABPA fala sobre o mercado de suínos e aves a médio e longo prazo (12:49)
Boi: volume de negócios foi pequeno nos últimos dias no mercado físico em SP (11:23)
A expectativa é boa para as exportações de milho nessa reta final do ano (10:20)
Vetanco realiza treinamento para controle estratégico de Cascudinhos (08:51)
Agropecuária é o setor com maior alta do PIB no terceiro trimestre do ano (08:22)
Frango: após dois dias de cotações estáveis, mercado começa a reagir (08:20)
Suínos: mercado mostra melhora para os principais setores (08:15)
Após máximas, preço do boi recua 5% em dezembro com pressão de consumidores (08:14)
Exportação de carne bovina do Brasil deve manter ritmo de alta em 2020, diz Abrafrigo (08:13)
Vencimentos futuros para o boi gordo encerram 3ª feira abaixo dos R$ 200,00/@ na Bolsa Brasileira (08:08)
Tereza Cristina abre reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina (08:06)
Milho: preços recuam na B3, mas sobem no interior do Brasil (08:05)
Soja recua até 2% no interior do Brasil com baixa do dólar e estabilidade em Chicago (08:00)
Grãos: cenário para preços se torna positivo para 2020 (07:56)
Terça-Feira, 03/12
Produção avícola sem uso de antibiótico ganha força no Nordeste (16:52)
Agroindústria contribui para estabilidade na população ocupada no agro (16:35)
Encontro de final de ano Programa Ovos RS apresenta novidades (14:51)
Milho abre a terça-feira com leves ganhos em Chicago mesmo após relatórios do USDA (14:31)
Soja: após 8 baixas consecutivas, mercado em Chicago sobe nesta 3ª feira (14:30)
Secex: exportação de carnes bovina, suína e de frango desacelera em novembro (09:38)
Venda de carne ao exterior cresce 28%, ajudada por epidemia na China (09:37)
Nas exportações em novembro, carne suína tem faturamento 46% maior em comparação a outubro (08:06)
Suínos: cotações estáveis marcam o começo de dezembro (08:03)
Frango: segunda-feira tem altas para frango vivo em algumas praças (08:03)
Milho registra pequenos ganhos em Chicago (08:01)
O mercado do boi gordo 'sossegou' (07:59)
Exportações brasileiras de milho fecham novembro com alta de 17,6% com relação ao ano passado (07:57)
Soja fecha em baixa na Bolsa de Chicago (07:55)