Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Economia

Alimentos ajudam, e inflação fica abaixo de 4%, mostra IPCA-15
São Paulo e Rio, 26 de Junho de 2019 -

A inflação perdeu força em junho e a variação acumulada em 12 meses voltou para abaixo dos 4%. Passado o choque provocado pelo aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis no início do ano, a taxa desacelerou, como era esperado.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor -15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, subiu 0,06% neste mês, após alta de 0,35% em maio. É a menor taxa para o período desde 2006, quando caiu 0,15%. Economistas preveem que o IPCA do mês "cheio" registre pequena deflação.

Em 12 meses, a alta do índice cedeu de 4,93% em maio para 3,84% em junho, em parte porque saiu da conta a disparada de 1,11% de junho de 2018, resultado da greve dos caminhoneiros. A meta de inflação para o ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%. Sem prever pressões mais relevantes nos próximos meses e diante de uma atividade econômica e um mercado de trabalho que não deslancham, alguns bancos e consultorias acreditam que o Banco Central iniciará em breve um ciclo de corte de juros.

Em junho, com a sazonalidade favorável, o grupo alimentação e bebidas teve deflação de 0,64% e tirou 0,16 ponto percentual do IPCA-15, o principal impacto negativo. A baixa foi influenciada pela alimentação no domicílio (-0,82%) com quedas em produtos como feijão-carioca (-14,99%), tomate (-13,43%) e batata-inglesa (-11,30%). Também dentro do script, os preços dos combustíveis tiveram queda de 0,67%, após alta de 3,30% em maio, puxados pelo etanol 4,57% mais barato.

Os principais núcleos (medidas que excluem ou reduzem o impacto de itens mais voláteis) cederam, o que para economistas é mais um fator que abre espaço para a queda dos juros. As variações de núcleos e alimentação fora de casa vieram abaixo do esperado por Alberto Ramos, diretor de pesquisa para a América Latina do Goldman Sachs, para quem a ociosidade da economia, o desemprego e as expectativas de inflação bem ancoradas dão "conforto" ao BC no curto prazo.

Nas contas da instituição, o núcleo da inflação de serviços desacelerou de 0,45% para 0,09%, de maio para junho. Em 12 meses, a alta passou de 4,18% para 3,86%. A média de sete medidas de núcleos também cedeu de 0,28% em maio para 0,19% em junho e de 3,57% para 3,37% em 12 meses. Todas bem abaixo da meta de 4,25%.

Para o Banco Safra, os núcleos estão "extremamente benignos" - ele mantém a estimativa de alta de 3,6% no IPCA deste ano.

Não se espera aceleração preocupante da inflação nos próximos meses. O Itaú Unibanco revisou a estimativa para o IPCA de junho de estável para queda de 0,01% e prevê alta de 0,23% em julho porque espera que a bandeira tarifária das contas de luz passe de verde, em que não há cobrança adicional, para amarela.

O banco manteve a projeção de IPCA de 3,6% em 2019. A inflação segue em trajetória benigna, diz o Itaú, observando que os choques temporários em alguns preços no início deste ano, em especial produtos in natura e combustíveis, já estão sendo revertidos.

Ainda em junho, o IPCA deve registrar deflação de 0,05%, com alimentos ainda em queda e uma conta de luz mais barata, diz Mauricio Nakahodo, economista do Banco MUFG Brasil. Em julho, a expectativa é de uma pequena inflação com algum repasse das altas nos preços dos alimentos que já estão sendo vistas em alguns preços ao produtor.

A alta do IPCA ao longo do segundo semestre deve ser gradual, acompanhando atividade econômica e mercado de trabalho fracos. O Banco MUFG Brasil mantém a estimativa de um IPCA de 4% em 2019, mas não descarta uma taxa abaixo desse nível.



(Valor ) (Ana Conceição e Bruno Villas Bôas)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/11
Milho se valoriza em Chicago suportado por vendas técnicas nesta 5ª feira (13:28)
Soja mantém estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (13:26)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte atingem o maior valor do ano em R$/kg vivo em outubro (11:26)
Suínos: poder de compra do suinocultor registra 3º mês consecutivo de alta (10:58)
Boi: na parcial do mês, alta do indicador chega a 19% (10:57)
Kemin debate estratégia de nutrição para dias quentes (09:49)
Ceva participa de curso internacional da Facta sobre matrizes (08:27)
Cenário é favorável para o campo, diz IPEA (08:17)
Ministra conversa com secretário americano sobre importação de carne brasileira (08:15)
Exportação de frango de SC teve o pior mês do ano em outubro (08:12)
Pecuária do MS crescerá 4,8% este ano com impulso da venda de carnes à China (08:09)
Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 é atualizado para R$ 609,5 bilhões (08:06)
Frango: cotações para ave congelada e resfriada continuam subindo (08:05)
Suínos: cotações aquecidas por aumento de consumo, exportação e alta da carne bovina (08:04)
Milho: disputa comercial e pressão da colheita mantêm quedas em Chicago (08:03)
Soja fecha em baixa com pressão China x EUA (08:00)
Nem mesmo o feriado segura a alta do boi gordo; em São Paulo bate nos R$ 230/@ (07:50)
Quarta-Feira, 20/11
Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11