Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Exportação

Possibilidade de veto a importação agrícola divide o Mercosul em negociação
Genebra, 25 de Junho de 2019 -

O Mercosul chegou rachado a Bruxelas sobre uma demanda bastante sensível da União Europeia, para a que pode ser a rodada de barganhas decisivas para concluir o acordo de livre comércio entre os dois blocos.

<

O Valor apurou que Argentina, Paraguai e Uruguai já aceitam a exigência europeia de incluir no acordo o princípio de precaução, para qual Bruxelas teria mais margem para barrar importações agrícolas.

No entanto, o Brasil mantém sua posição historicamente contrária, por entender que barreiras nesse caso só podem ser adotadas com base em razões científicas evidentes.

Pelo princípio de precaução, a UE pode bloquear importações sem base científica. Bastaria a suposição quanto a questões envolvendo qualidades ou procedimentos. O ônus da prova passa a ser do país exportador, para comprovar que seus produtos não têm risco.

Assim, pelo menos no momento, o governo de Jair Bolsonaro encontra-se entre "a cruz e a espada", favorável ao acordo mas mantendo uma posição histórica difícil de ser contornada. A posição brasileira coincide com a dos Estados Unidos, outro grande exportador agrícola, na cena internacional.

A UE já flexibilizou sua demanda. Agora, em vez de querer aplicar o principio de salvaguarda em questões sanitárias e fitossanitárias (SPS), isso ocorreria somente em questões de meio ambiente, para prevenir importação agrícola que teria afetado a floresta, por exemplo.

No entanto, como notam certos negociadores, a União Europeia já aplica o princípio de precaução com ou sem acordo, e sem distinguir muito entre questões SPS ou ambientais.

Com a questão de sustentabilidade ambiental ainda mais forte na Europa, depois da eleição recente para o Parlamento Europeu, com amplos ganhos do Partido Verde, o princípio de precaução toma mais importância.

Tanto a central agrícola Copa-Cogeca como os dirigentes de França, Irlanda, Polônia e Bélgica têm pedido um "mecanismo de salvaguarda" para "mitigar" o impacto da entrada de mais produtos agrícolas do Mercosul.

A Copa-Cogeca diz claramente que a adoção de cotas tarifárias (volume quantitativo) para entrada de produtos agrícolas do Mercosul não será suficiente para mitigar o impacto comercial em setores como carne bovina, açúcar, etanol, carne de frango, arroz ou suco de laranja. "Limitar o acesso ao mercado é da máxima importância", diz.

O Mercosul é a origem de 75% da carne bovina importada pela UE. O Brasil exporta sete vezes mais do que os EUA e a Austrália, que estão entre os dois maiores exportadores mundiais de carnes. No ano passado, o Brasil vendeu 136 mil toneladas; os Estados Unidos, 19 mil, e a Austrália, 20 mil toneladas.

O comissário europeu da Agricultura, Phil Hogan, tem repetido que uma das questões a serem resolvidas nesta semana é sobre termos de mecanismos de salvaguarda.

A ideia entre negociadores do Mercosul é que um eventual acordo político possa estar pronto até sexta-feira, para anúncio pelos presidentes à margem da cúpula do G-20 em Osaka (Japão).

(Valor ) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/11
Milho se valoriza em Chicago suportado por vendas técnicas nesta 5ª feira (13:28)
Soja mantém estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (13:26)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte atingem o maior valor do ano em R$/kg vivo em outubro (11:26)
Suínos: poder de compra do suinocultor registra 3º mês consecutivo de alta (10:58)
Boi: na parcial do mês, alta do indicador chega a 19% (10:57)
Kemin debate estratégia de nutrição para dias quentes (09:49)
Ceva participa de curso internacional da Facta sobre matrizes (08:27)
Cenário é favorável para o campo, diz IPEA (08:17)
Ministra conversa com secretário americano sobre importação de carne brasileira (08:15)
Exportação de frango de SC teve o pior mês do ano em outubro (08:12)
Pecuária do MS crescerá 4,8% este ano com impulso da venda de carnes à China (08:09)
Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 é atualizado para R$ 609,5 bilhões (08:06)
Frango: cotações para ave congelada e resfriada continuam subindo (08:05)
Suínos: cotações aquecidas por aumento de consumo, exportação e alta da carne bovina (08:04)
Milho: disputa comercial e pressão da colheita mantêm quedas em Chicago (08:03)
Soja fecha em baixa com pressão China x EUA (08:00)
Nem mesmo o feriado segura a alta do boi gordo; em São Paulo bate nos R$ 230/@ (07:50)
Quarta-Feira, 20/11
Terça-Feira, 19/11
Milho segue subindo em Chicago nesta terça-feira (13:44)
Soja segue em alta na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (13:30)
Governo prorroga por dois anos contratos temporários de médicos-veterinários do Mapa (11:43)
Anec vê um recorde maior para as exportações de milho do país (11:34)
Mineira Pif Paf compra Fricasa, empresa catarinense de carne suína (11:30)
Evonik investe em capacitação visando excelência na dosagem de aminoácidos (11:17)
O futuro dos antibióticos depende de todos nós (10:44)
Copagril renova certificação internacional de qualidade e segurança de alimentos (10:41)
Frango: alta de 2% no preço do quilo da ave no atacado em São Paulo (08:14)
Cotação do boi gordo está em patamares recordes (08:12)
Suíno: primeira quinzena com mercado valorizado e exportações aquecidas (08:06)
PIB-Agro: pecuária mantém em alta PIB do agronegócio em agosto (08:05)
Valor da produção pecuária do Brasil crescerá 7% com impulso da China, diz CNA (08:04)
Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta (08:00)
Milho fecha a 2ªfeira em queda influenciada por clima bom no Brasil e incertezas comerciais (07:50)
Soja renova mínimas em Chicago e tem menor preço em 7 semanas nesta 2ª feira (07:45)
Segunda-Feira, 18/11
JBS lança selo de Bem-Estar Animal (16:10)
CNA prevê aumento de 7,2% no valor bruto da Produção Pecuária em 2019 (12:49)
Demanda interna e exportações dão sustentação ao preço do suíno (12:48)
Milho: semana começa com estabilidade para as cotações em Chicago (10:07)
Milho: demanda aquecida segue elevando preços no SPOT (10:06)
Soja: preço no porto fecha acima de R$ 90/sc (10:05)
Soja inicia semana com leves altas em Chicago (08:30)
Cursos FACTA sobre incubação e matrizes reúnem pesquisadores, profissionais do mercado e governo para discutir setor (08:15)
Soja: 6ª feira tem leves variações na Bolsa de Chicago (08:00)
C.Vale faz fusão e arrenda abatedouro da Averama (07:53)
Nunca a demanda por milho do Brasil cresceu tanto, diz SLC Agrícola (07:52)
_EUA poderão vender US$ 1 bilhão por ano à China (07:51)
Brasil vê pouco impacto em reabertura da China ao frango dos EUA (07:50)
Preço da arroba do boi se aproxima de R$200 e tem novo recorde, aponta indicador Esalq/B3 (07:49)
Sexta-Feira, 15/11