Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Política Agrícola

Plano Safra confirma crédito mais caro
Brasília, 18 de Junho de 2019 -

As taxas de juros controladas das linhas de crédito rural para grandes produtores vão subir de 7% para 8% ao ano no Plano Safra 2019/20, apurou o Valor. O plano, que deverá contemplar um volume total de recursos próximo ao do ciclo 2018/19 (R$ 191,1 bilhões), será anunciado amanhã pelo governo em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente Jair Bolsonaro e entrará em vigor em 1º de julho.

Na lógica do governo, os produtores de grande porte tem de ser cada vez mais estimulados a acessar fontes alternativas de crédito rural, entre elas títulos como as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). Nesse sentido, o Conselho Monetário Nacional (CMN) deverá aprovar a ampliação de 35% para 50% o percentual que o bancos terão que direcionar de suas emissões de LCA para o crédito rural.

Conforme prognóstico do governo, os recursos obtidos com captação de LCA, deverão se tornar o maior "funding" para o crédito agrícola ao longo da próxima safra, acima da poupança rural e dos depósito à vista, que são as fontes tradicionais dos financiamentos ao setor e contam com juros controlados. As operações de crédito rural com LCA já cresceram 37% nos 11 primeiros meses do ciclo 2018/19 (julho do ano passado e maio último), para R$ 28,5 bilhões, enquanto os empréstimos baseados em poupança somaram R$ 43,5 bilhões, um aumento de 27%.

"E para os grandes produtores também lançaremos outras ferramentas, inclusive para a captação de recursos fora do país", afirmou a ministra Tereza Cristina durante o programa "Roda Viva" que foi ao ar na TV Cultura na noite de ontem.

O governo deverá anunciar hoje a edição de uma medida provisória que regulamenta a emissão os títulos CRA e CDCA em moeda estrangeira. A mesma MP criará o fundo garantidor de crédito para uma linha do BNDES destinada a renegociar dívidas e instituirá o chamado "patrimônio de afetação" - que permitirá que produtores deem como garantia frações de imóveis rurais.

"O sentido disso tudo é dar ao produtor um arsenal maior de ferramentas para ele tomar crédito mais barato, sem que o governo precise entrar na negociação. A ideia é reduzir paulatinamente a dependência do crédito subsidiado e, ao mesmo tempo, dar ferramentas para ele barganhar preço no crédito livre", afirmou Rogério Boueri, subsecretário de Política Agrícola do Ministério da Economia, ao Valor

A alta de juros prevista para os grandes produtores segue o roteiro acertado entre os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Tereza Cristina para todo o Plano Safra: em relação ao atual ciclo 2018/19, haverá aumento de 0,5 a 1 ponto percentual nas taxas para todos os portes de produtores - inclusive médios e pequenos, embora para esses as altas sejam menores.

Até uma linha do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) que financia alimentos básicos como arroz, feijão, leite, batata-inglesa e milho deverá ter os juros aumentados de 2,5% para 3% ao ano, diz uma fonte a par do assunto. As demais linhas do Pronaf devem ser preservadas.

Ainda que já provoque reações contrárias em segmentos do agronegócio, a elevação das taxas de juros foi uma derrota que Tereza aceitou absorver para se sair vitoriosa em outra batalha não menos importante, que é garantir R$ 1 bilhão para o programa de subsídios ao seguro rural - esse orçamento previsto para a rubrica começou o ano com R$ 440,5 milhões, mas já sofreu um corte de 16% em 2019. O novo montante previsto, contudo, também poderá ser contingenciado, uma vez que as verbas não figuram como despesa obrigatória do governo. (Colaborou Fernando Lopes)

(Valor) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)