Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Matérias-Primas

Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos
Campinas, SP, 14 de Junho de 2019 - Ontem, quinta-feira (13), os preços da soja subiram no mercado brasileiro em uma combinação de altas sendo registradas na Bolsa de Chicago e dos prêmios e nos portos do país. Acima dos 100 pontos e firmes - apesar da estabilidade dos últimos dias -, os valores pagos pelo produto nacional acima das referências da CBOT são estimulados pela força da demanda chinesa neste momento.

Como explicou o analista de mercado Eduardo Vanin, da Agrinvest Commodities, as compras da China seguem muito focadas no mercado do Brasil, principalmente neste momento em que seu consumo vem retomando um ritmo mais forte.

"A demanda da China está muito concentrada aqui. O esmagamento começa a voltar ao normal, com cerca de 7,5 milhões de toneladas ao mês, um aumento gradual do consumo de rações. E eles estão ainda com baixos estoques de soja e farelo, então vão vir comprar aqui", diz Vanin ao Notícias Agrícolas.

Somente em junho, o Brasil tem potencial, de acordo com os line-ups, para exportar mais de 10 milhões de toneladas de soja em grãos. Em todo o ano, o total acumulado já chega as 40,3 milhões de toneladas, contra 38,2 milhões do mesmo período de 2018, de acordo com os últmios números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

"O quadro segue muito comprador e com grande espaço para seguir embarcando forte", diz Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting. Tal volume no acumulado de 2019, ainda segundo o especialista, indica que o Brasil "vai ter aperto no abastecimento a frente e desta forma apelo para seguir com grandes
embarques nas próximas semanas.

Números da consultoria Datagro mostram que o Brasil já comercializou 70% de sua safra 2018/19. E, apesar de um mercado ainda bastante comprador, o produtor se mostra um pouco mais reticente neste momento, evitando novos negócios.

"Os portos estão lotados para embarque junho, não há espaço para embarque novo, e os interessados querem a soja de final de julho e agosto, e os vendedores querem valores mais altos para mais adiante, onde se fala em R$ 84,00, R$ 85,00 talvez para setembro, mas os produtores querem R$ 90,00. Então, os negócios são pontuais", explica Brandalizze.

E o restante do volume que ainda há a ser comercializado está sendo utilizado pelo produtor brasileiro como um ativo financeiro, esperando por um quadro de preços melhores. "E provavelmente terão", acredita o consultor da Brandalizze Consulting.

Nesta quinta-feira (13), os preços subiram de forma generalizada no mercado interno. No interior, os ganhos chegaram a bater em 2,29%, como foi o caso de Rondonópolis, onde fechou com R$ 71,60 por saca. Em Itiquira, o avanço foi de 3,09% para R$ 70,10. Ambas as praças ficam são localizadas em Mato Grosso.

Os ganhos passaram de 1% nos portos. A soja disponível fechou com R$ 82,00 por saca em Paranaguá, subindo 1,23%, e com R$ 81,20 em Rio Grande, com alta de 1,25%. Para julho, R$ 83,00 e R$ 82,00 por saca, respectivamente, com avanços de 1,22% e 1,23%.

BOLSA DE CHICAGO

No mercado internacional, os futuros da oleaginosa terminaram o dia com ganhos de mais de 1%, ou altas de 9,75 a 10 pontos entre as posições mais negociadas. O julho ficou em US$ 8,88 e o agosto, US$ 8,94 por bushel. "Os preços caminham para seu novo intervalo em Chicago que é de US$ 9,00 a US$ 9,50 diante da realidade da nova safra americana", acredita Vlamir Brandalizze.

O novo mapa do NOAA, o serviço oficial de clima do governo americano, traz a continuidade das chuvas no Corn Belt para os próximos sete dias e, confirmadas, podem comprometer ainda mais o desenvolvimento do plantio.

Os traders buscam saber se os produtores americanos poderão encontrar uma brecha para continuar com o plantio da soja e serão capazes de conclui-lo nesta temporada. Enquanto isso, seguem especulando sobre qual será a real área plantada pelos americanos este ano.

Ainda nesta quinta-feira, o mercado também recebe os números das vendas semanais que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou em seu reporte, os quais ficaram aquém do esperado, confirmando o foco do maior comprador mundial no mercado brasileiro.

Na semana encerrada em 6 de junho, os EUA venderam 255,9 mil toneladas de soja, 50% menos do que na semana anterior e 44% em relação à média das últimas quatro semanas. As expectativas dos traders eram de 300 mil a 800 mil toneladas. A maior parte foi destinada ao Egito.

Em todo o ano comercial, as vendas americanas já somam 46.937,9 milhões de toneladas, contra mais de 56 milhões do anterior, neste mesmo período. Em seu último boletim, o USDA revisou sua estimativa para as exportações do ano comercial presente - que se encerra em 31 de agosto - para 46,27 milhões de toneladas.

Da safra 2019/20, foram vendidas 275,2 mil toneladas, com o Paquistão como principal destino.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 12/09
Indicadores da Pecuária crescem em relação ao 2º trimestre de 2018 (14:09)
Suínos: demanda aumenta e eleva preços do vivo e da carne (13:56)
Boi: preços da carcaça seguem em alta (13:55)
No 2º trimestre, abate de frangos cresceu 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (13:54)
Ovos de Galinha: no segundo trimestre, o recorde de produção da série (13:53)
Pif Paf Alimentos conquista habilitação para exportar para a China (11:58)
Aviagen promove seminários técnicos para cliente IP-CMI na América Central (09:29)
Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio (07:11)
China corre para desenvolver uma vacina contra peste suína (07:06)
Estudo confirma alta do escoamento de grãos pelo Norte (07:05)
Frango Vivo: Atacado tem queda de 1,15% nesta quarta-feira (07:00)
Suíno Vivo: Santa Catarina e São Paulo têm alta nesta quarta (06:59)
Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT (06:56)
Soja fecha em queda em Chicago nesta 4ª e ajuda a pressionar cotações no Brasil (06:52)
Quarta-Feira, 11/09
POLINUTRI® reuniu equipe e clientes durante SIAVS (13:34)
V Workshop Internacional de Ambiência de Precisão será realizado em Campinas, SP (13:12)
Milho puxa mais uma colheita recorde de grãos (10:11)
FPA discute gestão compartilhada de energia no campo (10:10)
Frango Vivo: cotações ficam estáveis nesta terça-feira (08:06)
Preços agropecuários: alta de 0,83% no fechamento do mês de agosto (07:14)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,92% (07:05)
China abre mercado para farelo de soja argentino (07:03)
Milho: cotações encerram a sessão desta 3ª feira com ganhos na Bolsa de Chicago (07:02)
Soja fecha a terça-feira com mais de 14 pts de alta em Chicago (06:59)
Ministra inicia viaja ao Oriente Médio para ampliar relações comerciais (06:12)
Cooperativa LAR comemora 20 anos de avicultura (06:12)
Produção animal: adaptações ao aquecimento global da suinocultura (06:12)
Exportações de carne seguem em alta nos Portos do Paraná (06:12)
Terça-Feira, 10/09
Indonésia quer negociar com Santa Catarina (23:29)
Ruralistas tentam emplacar venda de terra a estrangeiro (10:56)
Mais 25 frigoríficos do Brasil recebem o sinal verde da China (10:48)
Brasil inicia negociações de livre comércio com México (10:47)
Milho: demanda incerta (09:15)
Soja: nem pra lá, nem pra cá (09:03)
Aviagen inaugura seu 9º e maior incubatório nos EUA (08:55)
Preços do boi gordo em alta em Dourados-MS (08:40)
Ações de Marfrig e Minerva sobem (08:15)
Frango Vivo: Santa Catarina tem queda de 5,62% nesta segunda (08:12)
Suíno Vivo: PR, RS e SP têm alta nesta segunda-feira (08:11)
Soja opera em alta em Chicago nesta 3ª com apoio no milho e à espera do novo USDA (08:00)
Milho: cotações encerram a segunda-feira com leves baixas em Chicago (07:47)