Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
Mercado

Forte quebra nos EUA beneficia exportação brasileira de milho
São Paulo e do Rio, 12 de Junho de 2019 -

São Pedro tem ajudado os produtores brasileiros de grãos nas últimas safras. No ciclo 2018/19 não será diferente. A quebra de safra de milho dos EUA - maiores produtores e exportadores do cereal - na temporada que está sendo semeada agora (2019/20) poderá ser ainda maior que a esperada e, nesse contexto, o Brasil, segundo principal fornecedor global, tende a ser beneficiado.

"O percentual da área americana considerada ruim e muito ruim está mais elevado que o registrado em 2012, quando a quebra foi bem significativa. Este é o pior início de safra de milho da história dos EUA", disse Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima, durante evento promovido pela Syngenta em Campinas (SP).

De acordo com o Departamento dos EUA (USDA), a proporção de área considerada ruim e muito ruim chegava a 9% do total cultivado em 9 de junho. O relatório de 18 de junho de 2012, uma semana mais tarde naquele ano, mostrava também 9% da área em condições ruins ou muito ruins.

Diante das intempéries, o USDA, em relatório divulgado ontem, reduziu sua estimativa para a colheita do país em 2019/20 para 347,5 milhões de toneladas, quase 35 milhões a menos que o projetado em maio e volume 5,1% inferior ao de 2018/19. Na comparação, as exportações americanas deverão cair 2,3%, para 54,6 milhões de toneladas, e os estoques finais do país tendem a recuar 23,7%, para 42,6 milhões.

"Nosso número hoje é de produção nos EUA de até 325 milhões de toneladas em 2019/20, mas com viés de baixa. O que está sendo plantado agora já está praticamente fora da janela climática, deve ter baixa produtividade", disse Santos.

Com a demanda externa aquecida e a indústria aumentando o consumo, a tendência é de preços altos no Brasil. "O produtor vai rir à toa. A safrinha terá alta produtividade", disse Santos. A tendência é que aumente a demanda externa pelo milho brasileiro, o que deve contribuir para elevar os preços domésticos.

Em suas contas, os embarques brasileiros de milho alcançarão 34 milhões de toneladas na temporada 2018/19. A Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec) prevê 31 milhões, enquanto a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) elevou ontem sua projeção para 32 milhões de toneladas, ante as 24,8 milhões de 2017/18.

A demanda pode elevar o prêmio pago pelo milho brasileiro nos portos. Segundo Luiz Fernando Roque, consultor da Safras & Mercado, em Santos (SP) e em Vitória (ES) o prêmio está em 25 centavos de dólar sobre a cotação do bushel na bolsa de Chicago para a entrega à vista e em 15 centavos de dólar para entrega em agosto.

Com o início da entrada da safrinha no mercado, os prêmios recuaram, mas tendem a voltar a subir com a quebra americana. Na semana passada, o prêmio pago estava em 40 centavos de dólar por bushel, e há um ano em 97 centavos de dólar, impulsionados pelas quebras de produção no Paraná e em Mato Grosso do Sul - segundo e terceiro principais Estados produtores.

O aumento das exportações também se tornará viável graças à recuperação da colheita. No relatório divulgado ontem, a Conab passou a estimar a produção brasileira total de milho em 2018/19 em 97 milhões de toneladas, 20,2% mais que em 2017/18. Do total, 26,3 milhões de toneladas vieram da primeira safra (queda de 1,8%) e 70,7 milhões serão colhidas na "safrinha" (alta de 31%).

Conforme o IBGE, que também divulgou ontem novas estimativas para a colheita brasileira de grãos, a segunda safra de milho de 2019, principal sustentáculo das exportações, chegará a 68,2 milhões de toneladas, 22,6% mais que a do ano passado, e baterá novo recorde.

"O ano agrícola começou mais cedo. As chuvas previstas para outubro caíram na segunda quinzena de setembro, antecipando o plantio da soja. Isso expandiu a janela de plantio do milho, que por sua vez pegou um clima favorável por mais tempo. E o aumento nos preços na época do plantio completou o quadro positivo", disse Carlos Antônio Barradas, o gerente da pesquisa do IBGE.

(Valor ) (Kauanna Navarro, Marina Salles, Fernanda Pressinot)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 19/06
Terça-Feira, 18/06
Brasil exportará recorde de 38 mi t de milho no ano, com vendas até aos EUA, diz Agroconsult (11:02)
GTFoods comemora 27 anos (09:01)
Recorde na exportação de milho (08:59)
Plano Safra confirma crédito mais caro (08:56)
Maior produtora de carne dos EUA lança hambúrguer que usa ervilha (07:29)
Saem de Paranaguá, no litoral paranaense, 38% das exportações brasileiras da carne de frango (07:28)
Segunda-Feira, 17/06
2a Conbrasul Ovos destaca transformação global da produção de ovos e desafios do setor na manha desta segunda 17 (13:15)
Valor da Produção Agropecuária de 2019 é de R$ 600,93 bilhões (13:12)
Controle de cascudinhos é tema de palestra no Espírito Santo (11:39)
Preço firme do milho, apesar de safra recorde, testa setor de carnes do Brasil (11:07)
AVES participa de debate sobre a incorporação da Laticínios Veneza a Coopeavi (08:41)
MSD Saúde Animal apoia 2ª Edição do Conbrasul (08:39)
Jinc abre inscrições para a 13ª edição em Concórdia-SC (08:35)
Aviagen América Latina e Pluma Agroavícola Reforçam Compromisso para o Crescimento de Seus Negócios (08:30)
Acordo sanitário com a China deve ser revisado (08:28)
Ministério prevê retomada da venda de carne aos EUA (08:15)
Brasil acionará OMC para contestar barreira da Indonésia a carne de frango (08:13)
Cotações do milho registram maior patamar dos últimos 5 anos na Bolsa de Chicago (08:12)
Soja: Com boas e persistentes chuvas previstas nos EUA, mercado fecha 6ª em alta na CBOT (08:05)
Mais real e apenas com o 'boi China' melhor, mercado do boi renova esperança para esta semana (08:04)
Brasil recorre à OMC contra barreira da Indonésia ao frango brasileiro (07:47)
Sexta-Feira, 14/06
Redução do uso de Antibióticos é tema de palestra promovida pela Vetanco (12:53)
Prevenção contra a PSA (11:11)
É hora de reorganizar os negócios, diz CEO da BRF (06:35)
Frigoríficos já podem retomar exportação de carne bovina à China (06:33)
Consumo de carne suína em baixa na China (06:31)
Mercado do boi 'acordou' mais tarde, reagiu e já mostrou negócios pré crise da vaca louca (06:27)
Mercado do boi gordo está ganhando firmeza (06:25)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (06:21)
Governo gaúcho reativa Câmaras Setoriais e Temáticas (06:18)
Conselho do Agro debate reforma tributária (06:17)
Abatedouro de aves é inaugurado no Parque Agroindustrial de Gurupi (GO) (06:15)
Justiça alemã valida morte de milhões de pintos machos na indústria (06:14)
Autoridades brasileiras e argentinas pedem corredor do milho e internacionalização de aeroporto (06:13)
Consumir carne de frango ao invés da bovina já diminui impactos ambientais (06:12)
Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal (06:09)
Saldo da balança do agronegócio foi de US$ 8,6 bilhões em maio (06:07)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (06:06)
Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos (06:03)
Quinta-Feira, 13/06
SP: Preços Agropecuários recuam 1,76% no fechamento do mês de maio (15:05)
Suínos: liquidez aquecida nos mercados interno e externo eleva preços (14:41)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (12:11)
Setor de equipamentos participa em peso do SIAVS 2019 (12:09)
IBGE: abate de frangos, no 1º trimestre, recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 (11:27)
Ovos de galinha: produção cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997, diz IBGE (11:26)
Korin investe em fábrica para ração de frangos (08:23)
Subprodutos fazem milho dos EUA mais competitivo (08:21)
Cooperativas de crédito ganham força (08:19)
Marfrig descarta ter que comprar ações da National Beef (08:15)
Mercado do boi ganha firmeza (08:10)
Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago (08:05)
Soja sobe quase 20 pts em Chicago nesta 4ª feira (08:00)