Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Exportação

Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam

Mercado precisa de um novo jeito, de observação e de métodos, segundo Fernando Muraro, da AgRural.
São Paulo, SP, 17 de Maio de 2019 - O mercado de commodities atualmente tem alguns fatores imponderáveis. A simplicidade do acompanhamento da oferta e da demanda das commodities já não é suficiente para uma avaliação do setor.

Dinheiro em excesso no mundo e facilidades nas comunicações trouxeram uma “financeirização” ao mercado há uma década.

Além dessas incertezas de quando e para onde o mercado financeiro vai, outros componentes de momento também dificultam o entendimento do mercado: guerra comercial, dólar e até a peste suína na China.

A avaliação é de Fernando Muraro, diretor da AgRural, que diz ser necessário “um novo jeito de ver o mercado”. É necessária muita observação e método, segundo ele. Ele classifica o ano de 2019, por exemplo, como um período de reviravolta.

“O (Donald) Trump, presidente dos Estados Unidos, está botando fogo no mundo.” E isso é mais um componente para as avaliações, já complicadas devido ao comportamento da Bolsa de Chicago, e plantio nos Estados Unidos.

Em 2000, a Bolsa de Chicago negociava o correspondente a quatro safras mundiais de milho e dez de soja. No ano passado, esses volumes atingiram 11 para o milho e 22 para a soja.
No início do ano passado, os fundos de investimentos, que viram que o mercado de commodities é muito atraente, tinham 28 milhões de toneladas de soja compradas em suas carteiras. Neste ano, estão com 22 milhões vendidas.

Quando entram comprando no mercado, os preços sobem. Quando saem,
desabam.

O mercado é muito influenciado, ainda, pelo dólar index, uma cesta de seis moedas em relação ao dólar americano. Existe uma correlação inversa e perversa. Quando a taxa do dólar sobe, derruba os preços das commodities.

Além desses efeitos externos contínuos sofridos pelas commodities, o mercado é afetado por ações de governos, como a guerra comercial entre chineses e americanos.

Essas disputadas comerciais entre os Estados Unidos, o maior produtor, e a China, a maior importadora, geram um excesso de estoques nos armazéns americanos. Já no Brasil, os chineses pagam prêmios para ter a soja brasileira.

A oleaginosa registrou o menor preços dos últimos 11 anos nesta semana. Além de dificuldades dos americanos para semear o milho, cuja área poderá ser transferida para a soja, o mercado prevê um consumo menor na China devido à peste suína.
Definir a hora de vender se tornou um ponto estratégico e necessita modelos de acompanhamento. “Tempo é mais importante do que preço”, diz ele.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 19/09
Quarta-Feira, 18/09
32ª Reunião CBNA: Inscrição de trabalhos científicos até 26 de setembro (12:51)
Milho: Mercado futuro opera com ligeiras perdas na manhã desta 4ª feira na CBOT (10:18)
Soja trabalha estável em Chicago nesta 4ª feira e espera notícias para definir direção (10:17)
Plantio de milho 2019/20 do Paraná atinge 24% da área, diz Deral; soja segue zerada (10:04)
ASGAV e SIPS entregam report de participação no SIAVS 2019 (09:56)
Venda de carne de frango tem queda em Santa Catarina (09:38)
Primeiro evento da Aviagen na Colômbia sinaliza expansão e sucesso na América Latina (08:47)
Trabalhos científicos serão recebidos pela APA para o Congresso de Ovos até o dia 13/12/2019 (08:29)
Arábia Saudita abre mercado para frutas e derivados de ovos do Brasil (08:24)
Frango Vivo: cotações registram estabilidade (08:17)
Suíno Vivo: Minas Gerais tem alta de 3,56% (08:16)
Preço do boi gordo sobe no Norte de Minas Gerais (08:13)
Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira (08:05)
Negócios com a soja travam no Brasil (08:00)
Terça-Feira, 17/09
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve atingir R$ 601,9 bi em 2019, segundo maior em 30 anos (13:31)
Ovo: fonte de selênio (13:00)
Equipe econômica volta a debater Refis de R$ 11 bi no Funrural (09:30)
Aviagen destaca o compromisso com o mercado avícola latino-americano no SIAVS 2019 (08:58)
Rebanho suíno da China diminuiu 38% em agosto (08:38)
Biomin, Sanphar e Romer Labs participam, juntas, do XXVI Congresso Latino-Americano de Avicultura, em Lima (Peru) (08:16)
Frango Vivo: Santa Catarina tem alta de 5,96% nesta segunda (08:10)
Suíno Vivo: MG, SC e SP registram alta (08:09)
Coreia do Sul detecta primeiro surto de peste suína africana, diz ministério (08:08)
Mercado do boi inicia segunda quinzena com preços firmes (08:07)
Milho sobe 1,63% na Bolsa de Chicago (08:00)
Soja: Mercado fecha estável em Chicago, mas sobe mais de 1% no interior do Brasil (07:45)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (06:54)
Santa Catarina alcança faturamento de US$ 2 bilhões com exportação de carnes em 2019 (06:53)
Arábia Saudita busca forragem para ração do Brasil (06:52)
Segunda-Feira, 16/09
Abate de aves registra alta no RS (15:04)
Vetanco destaca importância de sua participação no Siavs (13:24)
Luciano Mecchi é o novo gerente da equipe Safeeds (13:22)
Milho: demanda eleva indicador, mas preços recuam no centro-oeste (13:10)
Soja: preço recua no Brasil, mas queda é limitada por alta externa (13:09)
Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola (12:26)
A importância da nutrição precoce no desempenho e na saúde de frangos de corte e a relevância do plasma spray dried nesse contexto (10:11)
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar (07:04)
As dores de crescimento da escala necessária para alimentar o Planeta (07:02)
Safra do milho deve crescer pelo segundo ano consecutivo no RS (07:01)
China exclui soja e carne suína dos EUA de tarifas adicionais, diz Xinhua (07:00)
Avicultura de corte destaca-se no VBP agropecuário do Paraná (06:59)
Venda de carne para a China sobe a régua da balança comercial de Mato Grosso (06:58)
Suíno Vivo: São Paulo tem alta de 0,90% (06:25)
Os preços do boi gordo e da novilha subiram em São Paulo (06:23)
Sexta-feira acaba com estabilidade, mas milho sobe mais de 3% na semana em Chicago (06:18)
Soja: mercado brasileiro terminou a semana com queda de mais de 20% nos prêmios (06:00)
Sexta-Feira, 13/09
Milho: Chicago registra leves valorizações para as cotações nesta sexta-feira (13:52)
Exportações do agronegócio caíram 11% em agosto, para US$ 8,3 bi (09:04)
Frango: aumenta diferença entre preços interno e externo (08:28)
Suíno Vivo: três estados registraram alta nesta quinta-feira (08:18)
Mercado do boi gordo segue sustentado (08:10)
Milho: cotações sobem cerca de 2% em Chicago (08:07)
Soja sobe quase 30 pontos em Chicago nesta 5ª feira (08:00)