Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
Matérias-Primas

Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago
Campinas, SP, 17 de Maio de 2019 - Illinois, um dos principais estados produtores dos EUA, tem somente 11% da área de milho plantada, contra 82% de média e 88% do ano passado. Previsões para os próximos dias seguem desfavoráveis. No Brasil, demanda, prêmios mais altos e dólar na casa dos R$ 4,00 seguem criando oportunidades.

Nesta quinta-feira (16), o mercado da soja teve alta de pouco mais de quatro pontos nos principais contratos da Bolsa de Chicago (CBOT). O vencimento julho fechou o dia com US$ 8,39 por bushel.

De acordo com Jack Scoville, analista da Price Futures Group, o mercado está focado no clima ruim, já que os números de plantio nos Estados Unidos não são tão animadores quanto no ano passado. Scoville aponta que essa situação se faz presente principalmente no milho no estado de Illinois, que tem 11% da área plantada - um número baixo de acordo com a média dos últimos cinco anos.

Com isso, ainda não se sabe qual será o tamanho da área destinada para a soja, ao mesmo tempo em que os estoques estão em alta. E as previsões para os próximos dias ainda são de condições desfavoráveis, que mantém os trabalhos de campo ainda se desenvolvendo em ritmo lento ou até permanecendo interrompidos.

O mapa atualizado do NOAA para o período de 16 a 23 de maio mostra a continuidade das chuvas intensas no Corn Belt. Estados como o Nebraska, Missouri, Iowa e a Dakota do Sul poderiam registrar acumulados de 75 a 100 mm, podendo atrasar ainda mais o avanço dos trabalho de campo.

PREÇOS NO BRASIL

A quinta-feira, mais uma vez, foi de bons preços e bom volume de negócios para a soja no mercado brasileiro. Com prêmios ainda sustentados e variando entre 85 e 92 cents de dólar acima das cotações praticadas em Chicago e mais o dólar na casa dos R$ 4,00 levaram os indicativos nos portos a algo entre R$ 80,00 e R$ 81,00 por saca.

No interior, os preços também subiram e registraram ganhos de pouco mais de 1% nas principais praças de comercialização pesquisadas pelo Notícias Agrícolas. Em Assis/SP, o preço subiu 2,26% para R$ 68,00 por saca.

Dólar dispara acima de R$4 com mercado questionando força do governo

SÃO PAULO (Reuters) -
O dólar fechou em firme alta ante o real nesta quinta-feira, acima de 4 reais pela primeira vez em sete meses e meio, com o real consolidando o fim de seu rali pós-eleição, conforme investidores incorporam mais risco diante da piora de perspectiva para a agenda de reformas.

A moeda norte-americana rompeu a barreira dos 4 reais ainda pela manhã. Mas, diferentemente de outros pregões, a disparada para esse nível não atraiu fluxo relevante de tesourarias bancárias e exportadores na ponta de venda.

Com a típica queda de volumes durante a tarde e sem oferta de moeda no mercado, o dólar teve espaço livre para continuar a escalada, em sintonia com um dia negativo para os mercados brasileiros em geral.

Os juros: tiveram a maior alta em quase dois meses, e o Ibovespa chegou a perder os 90 mil pontos na última hora de negócios.

Na máxima do dia, o dólar bateu 4,0425 reais, com valorização de 1,16%.

O fechamento não foi muito menor. O dólar à vista terminou a sessão em alta de 1,01%, a 4,0366 reais na venda.

Na B3, o dólar futuro subia 1,00%, a 4,0485 reais.

"Não dá mais para dizer que esse patamar está 'torto'. O nível de risco aumentou, e o mercado se ajusta a isso. É reação à piora de fundamento", disse Ronaldo Patah, estrategista de investimentos do UBS Wealth Management.

Além do cenário externo mais conturbado, o câmbio tem reagido à deterioração do cenário local, com rebaixamentos sequenciais nas projeções para a economia em meio a frequentes reveses na articulação política do governo.

A confiança do mercado após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, em outubro do ano passado, levou o dólar a uma mínima em torno de 3,65 reais no fim do último mês de janeiro.

Desde então, contudo, o Executivo tem acumulado derrotas no Congresso, sem uma base consolidada e com ameaças persistentes de diluição adicional da proposta da reforma da Previdência.

Como resultado, o dólar anulou toda a queda vista após a eleição de Bolsonaro. E, desde a mínima deste ano, já sobe 10,33%.

Citando o ambiente piorado para as negociações em prol da reforma da Previdência, o Bank of America Merrill Lynch aumentou nesta quinta-feira a estimativa para o dólar ao fim do ano. O banco agora espera taxa de 3,80 reais ao término de 2019, ante prognóstico anterior de 3,60 reais.

"Crescimento menor, juros mais baixos, real mais fraco", resumiu em nota equipe de estrategistas do BofA.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes e Izadora Pimenta)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 19/06
Terça-Feira, 18/06
Brasil exportará recorde de 38 mi t de milho no ano, com vendas até aos EUA, diz Agroconsult (11:02)
GTFoods comemora 27 anos (09:01)
Recorde na exportação de milho (08:59)
Plano Safra confirma crédito mais caro (08:56)
Maior produtora de carne dos EUA lança hambúrguer que usa ervilha (07:29)
Saem de Paranaguá, no litoral paranaense, 38% das exportações brasileiras da carne de frango (07:28)
Segunda-Feira, 17/06
2a Conbrasul Ovos destaca transformação global da produção de ovos e desafios do setor na manha desta segunda 17 (13:15)
Valor da Produção Agropecuária de 2019 é de R$ 600,93 bilhões (13:12)
Controle de cascudinhos é tema de palestra no Espírito Santo (11:39)
Preço firme do milho, apesar de safra recorde, testa setor de carnes do Brasil (11:07)
AVES participa de debate sobre a incorporação da Laticínios Veneza a Coopeavi (08:41)
MSD Saúde Animal apoia 2ª Edição do Conbrasul (08:39)
Jinc abre inscrições para a 13ª edição em Concórdia-SC (08:35)
Aviagen América Latina e Pluma Agroavícola Reforçam Compromisso para o Crescimento de Seus Negócios (08:30)
Acordo sanitário com a China deve ser revisado (08:28)
Ministério prevê retomada da venda de carne aos EUA (08:15)
Brasil acionará OMC para contestar barreira da Indonésia a carne de frango (08:13)
Cotações do milho registram maior patamar dos últimos 5 anos na Bolsa de Chicago (08:12)
Soja: Com boas e persistentes chuvas previstas nos EUA, mercado fecha 6ª em alta na CBOT (08:05)
Mais real e apenas com o 'boi China' melhor, mercado do boi renova esperança para esta semana (08:04)
Brasil recorre à OMC contra barreira da Indonésia ao frango brasileiro (07:47)
Sexta-Feira, 14/06
Redução do uso de Antibióticos é tema de palestra promovida pela Vetanco (12:53)
Prevenção contra a PSA (11:11)
É hora de reorganizar os negócios, diz CEO da BRF (06:35)
Frigoríficos já podem retomar exportação de carne bovina à China (06:33)
Consumo de carne suína em baixa na China (06:31)
Mercado do boi 'acordou' mais tarde, reagiu e já mostrou negócios pré crise da vaca louca (06:27)
Mercado do boi gordo está ganhando firmeza (06:25)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (06:21)
Governo gaúcho reativa Câmaras Setoriais e Temáticas (06:18)
Conselho do Agro debate reforma tributária (06:17)
Abatedouro de aves é inaugurado no Parque Agroindustrial de Gurupi (GO) (06:15)
Justiça alemã valida morte de milhões de pintos machos na indústria (06:14)
Autoridades brasileiras e argentinas pedem corredor do milho e internacionalização de aeroporto (06:13)
Consumir carne de frango ao invés da bovina já diminui impactos ambientais (06:12)
Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal (06:09)
Saldo da balança do agronegócio foi de US$ 8,6 bilhões em maio (06:07)
Mercado do milho fecha a sessão desta 5ª com com forte avanço em Chicago (06:06)
Soja: produtor brasileiro tem momento de melhores patamares em Chicago e prêmios altos (06:03)
Quinta-Feira, 13/06
SP: Preços Agropecuários recuam 1,76% no fechamento do mês de maio (15:05)
Suínos: liquidez aquecida nos mercados interno e externo eleva preços (14:41)
Brasil volta a exportar carne bovina para China (12:11)
Setor de equipamentos participa em peso do SIAVS 2019 (12:09)
IBGE: abate de frangos, no 1º trimestre, recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 (11:27)
Ovos de galinha: produção cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997, diz IBGE (11:26)
Korin investe em fábrica para ração de frangos (08:23)
Subprodutos fazem milho dos EUA mais competitivo (08:21)
Cooperativas de crédito ganham força (08:19)
Marfrig descarta ter que comprar ações da National Beef (08:15)
Mercado do boi ganha firmeza (08:10)
Previsão de mais chuvas e incerteza sobre produção deixa milho levemente mais valorizado nesta 4ª feira em Chicago (08:05)
Soja sobe quase 20 pts em Chicago nesta 4ª feira (08:00)