Domingo, 19 de Maio de 2019
Empresas

Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda
São Paulo, SP , 15 de Maio de 2019 - A JBS não precisará tirar recursos do caixa para pagar imposto de renda no Brasil por um "longo período". A afirmação foi feita ontem pelo vice-presidente de finanças e diretor de relações com investidores da empresa, Guilherme Cavalcanti.

Em teleconferência, o executivo afirmou ao analista Alan Alanis, do banco de investimentos UBS, que a JBS pode abater o imposto de renda com a utilização de prejuízos fiscais acumulados e do ágio (expectativa de rentabilidade futura, o "goodwill") apurado nas diversas aquisições feitas pela empresa.

Cavalcanti fez o comentário sobre os pagamentos futuros de tributos ao explicar o lucro líquido da JBS no primeiro trimestre. O resultado do período foi impulsionado pela adiamento do pagamento de imposto de renda. Entre janeiro e março, a JBS lucrou mais de R$ 1 bilhão. No período, o saldo de imposto de renda e contribuição social diferidos somou R$ 784 milhões, ante R$ 120 milhões no mesmo intervalo do ano passado.

De acordo com o vice-presidente de finanças da JBS, o imposto foi adiado em razão do impacto negativo da apreciação do dólar sobre o valor em reais das dívidas da empresa no Brasil. "Essa perda se torna um crédito porque podemos compensar em pagamentos futuros de imposto", disse Cavalcanti, ressaltando que é bem mais difícil projetar a alíquota efetiva de imposto de renda a ser paga no Brasil do que nos EUA.

Nos Estados Unidos, onde a JBS possui a maior parte de suas operações, a alíquota efetiva é estável, de 19%, afirmou. Aqui, a taxa efetiva ficou em 38,7% no primeiro trimestre, já descontando o impacto positivo do imposto diferido. Nos primeiros três meses do ano passado, a alíquota havia sido de 51,8%. Na prática, a carga tributária sobre o lucro líquido é maior no Brasil.

Afora as questões tributárias, os executivos da JBS destacaram ontem, em teleconferências com analistas, que as perspectivas são positivas para os próximos trimestres. A demanda asiática, que já estava aquecida, deve crescer ainda mais devido ao surto de peste suína africana que atingiu o plantel da China, país responsável por 50% da produção mundial de carne suína.

Na bolsa, os investidores reagiram positivamente às perspectivas e ao resultado trimestral. As ações da JBS subiram ontem 8,36%, negociadas a R$ 21,39 na B3. Foi a maior alta dentre os papéis do Ibovespa.

"A peste suína vai potencializar a oportunidade que já estava no mercado", afirmou o CEO da JBS, Gilberto Tomazoni. Nesse cenário, as exportações de carne bovina estão em franca ascensão. A partir da Austrália, as vendas do produto aos chineses cresceram 80% no primeiro trimestre, acrescentou André Nogueira, que comanda a JBS USA (unidade que reúne os negócios da JBS fora do Brasil). Os embarques de carne bovina do Canadá para o mercado chinês também aumentaram, e devem mais que dobrar entre junho e agosto, segundo o executivo da JBS USA.

No Brasil, as perspectivas de demanda também são positivas. "Estamos sentido um crescimento das exportações de carne suína, em volume e preço", afirmou Tomazoni. Os negócios de carne suína, frango e alimentos processados da JBS no Brasil ficam sob o guarda-chuva da Seara.

De acordo com Tomazoni, a Seara vem se recuperando dos problemas que fizeram a margem Ebitda do negócio cair 1,7 ponto no primeiro trimestre, para 6,6%. A Seara foi prejudicada pelas restrições comerciais da Arábia Saudita e por "problemas operacionais" em duas unidades, o que custou dois pontos de margem, afirmou o CEO da JBS.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 19/05
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)
Quinta-Feira, 16/05
Boi Gordo: preço do bezerro sobe, mas arroba permanece estável e poder de compra cai (11:00)
Demanda externa provoca reabertura de frigoríficos (10:55)
Ceva promove eventos sobre laringotraqueite infecciosa pelo país (10:44)
Confira a programação completa da 5ª Favesu (09:37)
Limpadora de ovos fica sem receber adicional de insalubridade de granja (09:09)
Governo costura nova medida para elevar disputa no crédito (08:16)
Mercado do Boi Gordo interrompe a queda por um dia para depois retomar rumo de baixa (08:10)
Cotações perdem força, mas milho encerra a quarta-feira ainda em alta na Bolsa de Chicago (08:08)
Preços da soja sobem forte no Brasil nesta 4ª feira (08:05)
Ministério muda regras para ingresso de produtos de origem animal no país (08:03)
Exportações do agro somam US$ 30,42 bi no quadrimestre (07:58)
Consultoria jurídica da CNA beneficia produtores integrados de aves e suínos (07:36)
Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp (07:34)
Criada há três anos, Lei da Integração trouxe equilíbrio entre produtores e agroindústria (07:32)
Quarta-Feira, 15/05
Ceva apresentará no Simpósio Goiano de Avicultura dados da vacina Cevac IBras (11:22)
Cobb-Vantress realiza Escola Técnica Cobb+Aurora e homenageia a empresa pelos 50 anos de história (11:18)
Veja os convidados confirmados do AveLive (09:40)
Conferência FACTA WPSA-Brasil: como a avicultura deve se preparar frente nova demanda? (09:18)
Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda (08:23)
Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto (08:05)
Oferta de boiadas melhora e pressão de baixa ganha força (08:01)
Cotações do milho disparam em Chicago nesta terça-feira (07:59)
Brasil negocia cerca de 2 mi de t de soja nesta 3ª feira com disparada dos preços em Chicago (07:57)
União Europeia volta a ser o principal destino das vendas externas paulistas (07:55)
Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos (07:10)
Terça-Feira, 14/05
1º trimestre: Abate de bovinos e suínos mantém crescimento; o de frangos recua (11:43)
China terá mais demanda por carnes por causa de peste suína africana, dizem executivos de banco (11:28)
No Simpósio Goiano de Avicultura, Aviagen foca sua participação na divulgação de sua ave Ross 308 AP (09:52)
Produção de ovos tem primeira queda em 22 anos (09:49)
Emater-DF apresenta novas tecnologias na AgroBrasília (09:47)
Desperdícios no processo produtivo de rações (09:08)
Avaliação e controle da qualidade de pintos de 1 dia (09:05)
Ex-ministro da Agricultura alerta para risco de contaminação do vírus no país (08:38)
Lucro da JBS dobra no 1º trimestre e supera R$ 1 bilhão (08:36)
Peste suína na China começa a inflar exportação do Brasil (08:29)
Soja: Chicago tem altas de dois dígitos nesta 3ª feira (08:24)
Boi segue em recuo e mais pressão virá da queda da carcaça casada e da desova (08:10)
Conferência FACTA debaterá a responsabilidade da avicultura em alimentar o mundo (08:07)
Atraso no plantio do milho nos EUA sustenta altas em Chicago (08:02)
Soja sobe até 3% no interior do Brasil (08:00)
1º Diálogo Técnico MAPA e Setor de Reciclagem Animal (07:33)
PIB do agronegócio mineiro cresce 3,55% em 2018 (07:20)
Veja como devem ficar as cotações do milho até o fim de 2019 (07:19)
BRF inicia produção de produtos comemorativos para o Natal (07:18)