Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
Análise

Primeiros cem dias de Bolsonaro desafiam agro a contornar viés ideológico

Atuação de lideranças do setor evita, no entanto, maiores estragos na balança.
São Paulo, SP, 09 de Abril de 2019 - Nestes primeiros cem dias de governo, o agronegócio vem sendo constantemente chamuscado pelos disparos verbais do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Mais de uma vez, o setor sofreu as consequências de discussões laterais, como a possibilidade de mudança da embaixada brasileira de Israel para a cidade de Jerusalém ou o temor da presença chinesa na economia brasileira.

A carga ideológica que vem dominando o novo governo colocou em alerta vários países de peso nas importações de produtos brasileiros. Atritos comerciais drásticos só não ocorreram porque o próprio setor do agronegócio, grande apoiador do presidente, o advertiu dos riscos, fazendo-o sempre voltar atrás.

Uma da primeiras discussões tratou de uma possível extinção do Ministério do Meio Ambiente, o que gerou preocupação entre os europeus, para quem as regras de sustentabilidade na produção são cada vez mais uma exigência.

As normas ambientais dos europeus são motivo de discussão entre os
produtores brasileiros, mas não se pode pôr em risco a relação comercial com a Europa.

Neste primeiro trimestre, os europeus compraram o correspondente a US$ 3,8 bilhões do Brasil em produtos do agronegócio e foram responsáveis por 19% dos US$ 19,9 bilhões que o país exportou, conforme dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

Outra ameaça de atrito que o presidente teve de amenizar foi o fato de ter acusado a China, durante a campanha eleitoral, de estar comprando o Brasil.

Os chineses ficaram com 33% do que o Brasil exporta no setor do
agronegócio de janeiro a março último. Eles gastaram US$ 6,6 bilhões nesse setor no país.

Líderes na compra de soja brasileira —eles levam 76% do que o Brasil exporta—, os chineses ganham importância também nas carnes. Ficaram com 20% das proteínas animais comercializadas pelo Brasil no exterior nos três primeiros meses deste ano.

Também se tornaram importantes para os setores de algodão e de celulose, adquirindo 24% e 39%, respectivamente, do que o país exporta.

Um dos eventos mais rumorosos foi a especulação sobre a mudança da
embaixada em Israel.

Naturalmente, a medida não é bem-vista pelos árabes, parceiros importantes do agronegócio brasileiro. Por ora, a promessa é apenas abrir um escritório de representação comercial.

De janeiro a março, o Oriente Médio deixou US$ 1,7 bilhão no país com compras no setor de agronegócio. Levou 26% das carnes brasileiras, 16% dos cereais e 15% do açúcar.

À distância, a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, não se meteu em confusão e teve apenas de administrar as trapalhadas do governo.

SEDE CHINESA

Após o Brasil saciar o apetite chinês com as vendas de soja e de carnes, chegou a vez de ajudar a matar a sede dos asiáticos. Em fevereiro, eles, que já são os maiores importadores de soja e carne do Brasil, lideraram as importações de suco concentrado de laranja, o que garantiu a segunda posição ao país no acumulado do trimestre. A liderança é da Bélgica, porta de entrada para a Europa. O consumo no país asiático cresce (183% de 2003 a 2017) e abre oportunidades ao Brasil.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 23/05
Conferência FACTA WPSA-Brasil marca os 30 anos da entidade e coloca a avicultura brasileira em evidência (09:21)
CEO da Aviagen explora “Responsabilidade de Alimentar o mundo”, tema da Conferência FACTA 2019 (09:00)
ICC Brazil reforça o seu compromisso com as universidades (08:48)
Nova fórmula reduz fretes para os grãos (08:47)
Queda não será generalizada (08:46)
Queda não será generalizada (08:46)
Americanos obtêm mais carne bovina com rebanho menor (08:40)
China quer habilitar apenas mais 20 frigoríficos brasileiros (08:34)
Mercado do boi: preços seguem andando de lado (08:05)
Soja opera estável nesta 5ª feira em Chicago (08:00)
Tereza Cristina: “Vamos democratizar mais o crédito agrícola” (07:33)
Abertura do CPAgro Copacol tem a participação de 1,7 mil pessoas (07:31)
Diretor-Geral da FAO: voto do Brasil vai para vice-ministro da agricultura chinês (07:31)
SRB debate futuro dos contratos agrários com Ministro do STJ (07:30)
Oeste catarinense busca internacionalização da região (07:28)
Milho se recupera durante a 4ª feira e registra 8º dia seguido de cotações em alta na Bolsa de Chicago (07:05)
Soja fecha em alta na CBOT nesta 4ª feira (07:00)
Quarta-Feira, 22/05
SP: preços agropecuários caem 0,43% na primeira semana de maio (11:14)
5ª FAVESU: maior evento de avicultura e suinocultura do ES será em junho (11:03)
Regulamento traz organização e transparência para o Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos (09:36)
Yes amplia equipe e anuncia novo gerente comercial para o Brasil (08:47)
Venda de participação em ativos no Oriente Médio no foco da BRF (08:27)
Mercado do boi: alterações pontuais nas cotações (08:15)
Peste suína africana na China deve dar suporte aos preços da carne nos Estados Unidos (08:10)
Milho fecha terça-feira em alta pela sétima sessão seguida (08:05)
Soja: mercado inverte movimento e fecha em queda na 3ª feira (08:00)
Matopiba deverá ser o principal fornecedor de milho brasileiro para o México (07:17)
Terça-Feira, 21/05
Marcas apostam em 'carne vegetal' no país (15:39)
Safeeds apresenta linha de conservantes na Fenagra 2019 (15:35)
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)
Segunda-Feira, 20/05
'Frango 4.0’: 7 milhões de frangos por ano (09:02)
Mercado do Boi: cotações podem retomar fôlego (08:06)
Soja: semana de bons negócios no Brasil (08:00)
Retaliação da China cria pânico na suinocultura dos EUA e abre brecha para o Brasil (07:53)
SC quer estimular a produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:51)
SC busca solução para o recolhimento de animais mortos (07:50)
Ovos no Amazonas: produção chegou a 520 milhões de unidades em 2018 (07:48)
Aves contrabandeadas são sacrificadas por falta de documentação sanitária (07:47)
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)