Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Falta de chuvas em MS e PR acende alerta para safrinha
São Paulo, SP, 11 de Fevereiro de 2019 - A perspectiva de chuvas escassas no Centro-Sul do Brasil acendeu o sinal amarelo para a safra de inverno de milho - a safrinha - do ciclo 2018/19, que começa a ser colhida em junho. Apesar de ainda haver muito tempo pela frente, modelos climáticos indicam que haverá pouca umidade no solo entre o fim de fevereiro e o início de março no Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

"Não teremos quebra [de safra] como no ano passado, mas o sinal de alerta já está ligado", avaliou Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da consultoria Rural Clima.

Na safra passada (2017/18), a colheita de milho de inverno diminuiu 20%, somando 54 milhões de toneladas. Para o ciclo atual, as estimativas iniciais chegaram a apontar para colheita de 68,6 milhões de toneladas, segundo previsões da consultoria Agroconsult. Esse volume representaria um aumento de 27% ante a temporada 2017/18, quando houve quebras no Paraná e Mato Grosso do Sul.

No entanto, os mesmos Estados devem trazer preocupações para os produtores na safra corrente. "Os modelos apontam para chuvas abaixo do normal novamente", disse Paulo Sentelhas, pesquisador da área de agrometeorologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP). O Paraná é o segundo maior Estado produtor do país e Mato Grosso do Sul, o terceiro.

Para Sentelhas, a perspectiva é de umidade entre 10% e 30% no Paraná e no sul do Mato Grosso do Sul no fim de fevereiro. Em São Paulo, que produz apenas 4% da safrinha do país, a perspectiva é de umidade entre 20% e 30%. "Até 30% de umidade ainda é muito baixo para a cultura se desenvolver bem", disse. O pesquisador, contudo, ponderou que estimativas não são tão confiáveis com uma distância de mais de cinco dias e que o cenário pode mudar até o fim do mês.

"Mas uma coisa já é certa. Não chegaremos perto daquela safra inicialmente prevista em 68 milhões de toneladas", acrescentou Santos, da consultoria Rural Clima.

Se o cultivo de milho safrinha não estivesse adiantado ante 2017/18, o estrago seria maior. Após o plantio de soja mais acelerado da história, o avanço da semeadura de milho é evidente. Segundo dados da consultoria Safras & Mercado, o plantio da safrinha no Centro-Sul, maior região produtora, já chega a 28,8% da área de 11,9 milhões de hectares a ser semeada, bem à frente dos 10% de área cultivada em igual período de 2018.

A velocidade dos trabalhos fará com que quase 100% da safrinha seja plantada na janela climática ideal, o que diminui os riscos de estiagem. "Isso é um benefício, mas também tem seus riscos. Tem áreas em que a semeadura avançou bem e tiveram um início bem ruim por falta de chuvas", disse Sentelhas.

No Paraná, o plantio da safrinha também está acelerado. De acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado, o plantio de milho de inverno já ocupou 38% da área de 2,2 milhões de hectares a ser plantada. No mesmo período do ano passado, apenas 2% da área havia sido semeada.

Em Mato Grosso, principal produtor de milho do país, as perspectivas são positivas e apontam para uma safra maior que em 2017/18. As últimas projeções do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apontam para 28,8 milhões de toneladas de milho, um aumento de 4,4% ante 2017/18.

"Ainda é cedo para falarmos em quebra. No momento, podemos afirmar que a produção ainda será grande", disse Ana Luiza Lodi, analista da consultoria INTL FCStone.

Enquanto a ameaça de perdas paira sobre a safrinha, a queda de produção de soja já é realidade. Perdas acentuadas são percebidas em Mato Grosso do Sul, Paraná e Goiás. Para analistas, dificilmente a safra ultrapassará as 116 milhões de toneladas, aquém das 122 milhões de toneladas inicialmente estimadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)