Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
Matérias-Primas

Falta de chuvas em MS e PR acende alerta para safrinha
São Paulo, SP, 11 de Fevereiro de 2019 - A perspectiva de chuvas escassas no Centro-Sul do Brasil acendeu o sinal amarelo para a safra de inverno de milho - a safrinha - do ciclo 2018/19, que começa a ser colhida em junho. Apesar de ainda haver muito tempo pela frente, modelos climáticos indicam que haverá pouca umidade no solo entre o fim de fevereiro e o início de março no Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

"Não teremos quebra [de safra] como no ano passado, mas o sinal de alerta já está ligado", avaliou Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da consultoria Rural Clima.

Na safra passada (2017/18), a colheita de milho de inverno diminuiu 20%, somando 54 milhões de toneladas. Para o ciclo atual, as estimativas iniciais chegaram a apontar para colheita de 68,6 milhões de toneladas, segundo previsões da consultoria Agroconsult. Esse volume representaria um aumento de 27% ante a temporada 2017/18, quando houve quebras no Paraná e Mato Grosso do Sul.

No entanto, os mesmos Estados devem trazer preocupações para os produtores na safra corrente. "Os modelos apontam para chuvas abaixo do normal novamente", disse Paulo Sentelhas, pesquisador da área de agrometeorologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP). O Paraná é o segundo maior Estado produtor do país e Mato Grosso do Sul, o terceiro.

Para Sentelhas, a perspectiva é de umidade entre 10% e 30% no Paraná e no sul do Mato Grosso do Sul no fim de fevereiro. Em São Paulo, que produz apenas 4% da safrinha do país, a perspectiva é de umidade entre 20% e 30%. "Até 30% de umidade ainda é muito baixo para a cultura se desenvolver bem", disse. O pesquisador, contudo, ponderou que estimativas não são tão confiáveis com uma distância de mais de cinco dias e que o cenário pode mudar até o fim do mês.

"Mas uma coisa já é certa. Não chegaremos perto daquela safra inicialmente prevista em 68 milhões de toneladas", acrescentou Santos, da consultoria Rural Clima.

Se o cultivo de milho safrinha não estivesse adiantado ante 2017/18, o estrago seria maior. Após o plantio de soja mais acelerado da história, o avanço da semeadura de milho é evidente. Segundo dados da consultoria Safras & Mercado, o plantio da safrinha no Centro-Sul, maior região produtora, já chega a 28,8% da área de 11,9 milhões de hectares a ser semeada, bem à frente dos 10% de área cultivada em igual período de 2018.

A velocidade dos trabalhos fará com que quase 100% da safrinha seja plantada na janela climática ideal, o que diminui os riscos de estiagem. "Isso é um benefício, mas também tem seus riscos. Tem áreas em que a semeadura avançou bem e tiveram um início bem ruim por falta de chuvas", disse Sentelhas.

No Paraná, o plantio da safrinha também está acelerado. De acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado, o plantio de milho de inverno já ocupou 38% da área de 2,2 milhões de hectares a ser plantada. No mesmo período do ano passado, apenas 2% da área havia sido semeada.

Em Mato Grosso, principal produtor de milho do país, as perspectivas são positivas e apontam para uma safra maior que em 2017/18. As últimas projeções do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apontam para 28,8 milhões de toneladas de milho, um aumento de 4,4% ante 2017/18.

"Ainda é cedo para falarmos em quebra. No momento, podemos afirmar que a produção ainda será grande", disse Ana Luiza Lodi, analista da consultoria INTL FCStone.

Enquanto a ameaça de perdas paira sobre a safrinha, a queda de produção de soja já é realidade. Perdas acentuadas são percebidas em Mato Grosso do Sul, Paraná e Goiás. Para analistas, dificilmente a safra ultrapassará as 116 milhões de toneladas, aquém das 122 milhões de toneladas inicialmente estimadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 26/04
Quinta-Feira, 25/04
China: prejuízos com suíno, lucro com frango (14:38)
Seara, da JBS, recebe autorização para exportar frango para a Índia (12:24)
Empresa catarinense investe R$ 20 milhões em Apucarana (12:23)
CNA pede redução dos juros (08:25)
Soja atinge menor valor desde outubro (08:23)
Condomínio Avícola Encantado II e Sicredi formalizam contrato para viabilizar empreendimento (07:55)
Avimig participa de Audiência com governador de MG, Romeu Zema (07:44)
Em academia, nutricionista do Instituto Ovos Brasil dá dicas sobre o consumo de ovos e a prática de exercícios físicos (07:43)
Inflação que vem do campo agora tem foco nas carnes (07:36)
Copacol apresentou resultados positivos no primeiro trimestre (07:36)
Pernambuco: Lei que prevê a rastreabilidade de ovos é adiada (07:35)
Associação Paulista de Avicultura declara seu apoio à decisão do governo de SP sobre realização de feira de orgânicos (07:34)
Embrapa apresenta vídeos sobre práticas de debicagem em galinhas de postura (07:33)
Agricultura do Paraná propõe fusão de empresas a elas vinculadas (07:30)
Boi Gordo: entre a estabilidade e a queda (07:16)
Grandes estoques e ritmo de plantio deixam Bolsa de Chicago com queda de preços do milho (07:04)
Soja volta a recuar em Chicago ainda com pressão do clima e da demanda (07:00)
Quarta-Feira, 24/04
Os danos da vitória dos caminhoneiros (14:32)
Greve dos caminhoneiros: ANTT altera piso mínimo da tabela do frete (14:31)
Crise reformulará mercado global de proteínas animais (07:53)
Peste suína na China faz ações de frigoríficos dispararem (07:50)
Boi gordo: demanda em baixa, mas oferta restrita limita quedas (07:36)
Avanço do plantio americano deixa cotações do milho em baixa na Bolsa de Chicago (07:33)
Soja fecha com mais de 15 pts de baixa em Chicago e preços caem mais no Brasil (07:30)
China deve aumentar compras de frangos e suínos (07:12)
Workshop visa esclarecer adequações de instalações aduaneiras a exigências do Vigiagro (07:11)
BRF: Parece que o jogo virou, não é mesmo? (07:10)
Terça-Feira, 23/04
Negociações do Plano Safra na reta final (08:50)
Plantio de milho avança nos EUA, o que é bom para o sojicultor brasileiro (07:03)
Elanco começa trajetória independente da Eli Lilly (06:34)
AVES e CRMV-ES realizam curso para o setor de ovos do ES (06:30)
Carne brasileira pode ampliar espaço no mercado chinês, diz ministra (06:20)
Consumo calmo pressiona preços da arroba do boi (06:15)
Segunda-feira termina com milho desvalorizado em Chicago (06:09)
Soja: portos fecham em queda nesta 2ª feira com recuo em Chicago (06:07)
Preocupação na demanda por soja, peste suína africana se alastra por toda China (06:04)
Segunda-Feira, 22/04
StarYeast®, da ICC Brazil, é alternativa para crise de vitamina B2 na União Europeia (10:07)
Programa de autocontrole: cooperativas entregam carta de reivindicações ao MAPA (09:17)
Semana será decisiva para impasse entre governo e caminhoneiros (08:34)
PIB do agronegócio mineiro fecha 2018 com crescimento de 3,55% (08:32)
Serviço de Inspeção de Pernambuco passa a ter equivalência ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (08:20)
Ovos: última semana da Quaresma é marcada por preços estáveis (08:18)
Surto de peste suína africana na China altera dinâmica do mercado de carnes no Brasil (08:18)
Soja: preços sobem, mas médias mensais são as menores desde janeiro (08:15)
China terá redução de 10 mi de toneladas na oferta de carnes com peste suína (08:10)
Incerteza econômica faz agroindústria patinar (08:09)
Suínos: estabilidade nos preços na última semana (08:05)
Soja volta do feriado trabalhando com leves baixas em Chicago nesta 2ª feira (08:00)