Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
Exportação

Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados
São Paulo, SP, 17 de Janeiro de 2019 - O Ministério da Agricultura fixou uma meta para reabilitar os frigoríficos de carne de frango e fábricas de pescados que estão embargados pela União Europeia desde o ano passado por questões sanitárias. A intenção é reabrir o mercado europeu este ano.

No fim de 2018, o então ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já havia feito uma indicação positiva sobre as negociações com os europeus. Em dezembro, o bloco anunciou que visitará o Brasil para fazer auditorias em frigoríficos, provavelmente no primeiro semestre. A data exata ainda não foi marcada.

"Nosso sistema de defesa é respeitado lá fora. Esses desgastes com a União Europeia foram muito mais influenciados pela conjuntura política e não por questões técnicas. E existe sim a possibilidade de reabertura já neste ano", afirmou ao Valor o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Guilherme Leal.

De acordo com ele, a Pasta respondeu a todos os questionamentos sanitários feitos pela União Europeia. Por outro lado, o bloco ainda quer algumas garantias sanitárias antes de enviar técnicos para checar in loco se as unidades de carne de frango e pescado atendem às exigências. "Estamos cumprindo rigorosamente o calendário de informações da União Europeia", afirmou Leal.

O veto europeu a 20 frigoríficos de carne de frango é uma decorrência direta da Operação Trapaça, investigação da Polícia Federal deflagrada em março do último ano para apurar um esquema de fraudes envolvendo a BRF e laboratórios na análise da bactéria salmonela em lotes de carne de frango. Em reação, os europeus vetaram todas as unidades da BRF que podiam vender ao bloco.

Em reunião nos últimos dias, representantes da indústria de carne frango reforçaram à ministra Tereza Cristina a necessidade de retomar as vendas à União Europeia em 2019. Na ocasião, um convite para que a ministra vá a Bruxelas em março foi entregue.

"Esperamos que a União Europeia reabra seu mercado para parte das empresas ainda no primeiro semestre. Todas as empresas estão fazendo o dever de casa e já temos a sinalização de que eles vão voltar a importar", afirmou o presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra.

No ano passado, as restrições europeias tiveram impacto significativo nas exportações brasileiras. Ainda que nem todos tenham sido proibidos de exportar, não era possível ocupar o espaço aberto pela BRF, maior exportadora do país. Conforme dados da ABPA, o Brasil deixou de exportar em torno de 60 mil toneladas para os europeus em 2018. Esse volume representa 35% do que o país exportou para o bloco no período.

Além do setor avícola, há grande expectativa por parte da indústria brasileira de pescados para que ao menos 15 empresas possam voltar a exportar. No ano passado, Bruxelas proibiu as compras de pescados de todas as 64 plantas do Brasil habilitadas até então a vender para o bloco.

"Se tudo der certo, voltamos a exportar no segundo semestre. Mas sabemos que virá uma nova lista de empresas e os europeus devem habilitar planta por planta", ponderou Christiano Lobo, diretor da Abipesca, entidade que representa a indústria pesqueira. A sinalização, portanto, é que a abertura aos pescados deve ser limitada.

(Valor) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)