Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019
Mercado

FRANGO/2018: preço de insumo elevado e queda na exportação prejudicam setor em 2018
Piracicaba, SP, 09 de Janeiro de 2019 - 2018 foi mais um ano desafiador ao setor avícola. De acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, o período foi marcado por elevação nos preços de importantes insumos, como milho e farelo de soja, e por restrições à carne de frango brasileira no mercado internacional. Esse cenário resultou em quedas nos preços da proteína no mercado doméstico, especialmente no primeiro semestre. Na segunda metade do ano, observou-se certa recuperação nos valores da carne, diante da diminuição na produção.

A forte alta nos preços do milho e do farelo de soja de 2017 para 2018 reduziu em 14,4% o poder de compra do avicultor paulista frente ao cereal nesse período e em 16,7% em relação ao derivado. O avicultor seria ainda mais desfavorecido caso o frango vivo, negociado na Grande São Paulo, não tivesse registrado alta real de 3,9% entre 2017 e 2018 (valores deflacionados pelo IPCA de novembro/18).

No entanto, o movimento altista restringiu-se ao animal vivo. Ainda na região paulista, de 2017 para 2018, em termos reais, o frango congelado se desvalorizou 1,8% e o resfriado, 4,3%. Esse resultado se deve às sucessivas quedas nos preços da proteína entre janeiro a abril. Este último mês, inclusive, foi um dos mais críticos para a cadeia, tendo em vista que o frango congelado registrou a menor média mensal de toda a série do Cepea, iniciada em janeiro de 2004. Para o frango resfriado, a média de abril/18 foi a menor em 12 anos, em termos reais.

Um dos fatores que levou a essa forte retração dos preços em abril foi a decisão da União Europeia de descredenciar algumas plantas frigoríficas brasileiras que estavam habilitadas a exportar carne de frango ao bloco econômico, já que o mercado doméstico não conseguiu absorver a maior disponibilidade da proteína. Posteriormente, visando reverter esse cenário, a indústria começou a reduzir a oferta da carne, e os preços esboçaram reação já em maio. Segundo o IBGE, de janeiro a setembro de 2018, foram abatidas 4,3 bilhões de cabeças de frango, quantidade 3% inferior à do mesmo período de 2017.

Ainda em maio, a paralisação dos caminhoneiros trouxe apreensão ao setor e as negociações de frango ficaram travadas no período. Com o fim do protesto, a retomada das atividades dos frigoríficos e as compras para abastecer as redes atacadistas foram intensas, refletindo de forma expressiva nas cotações da carne. No atacado da região paulista, em junho, os preços do frango congelado e do resfriado avançaram 26% em relação àqueles verificados em maio. Já em julho, os preços cederam, representando um maior ajuste entre a oferta e a demanda.

Nos meses subsequentes, as cotações se sustentaram em patamares mais altos do que os observados ao longo do primeiro semestre, sendo isso resultante da menor oferta da proteína e do ritmo mais intenso das exportações a partir do meio do ano.

No primeiro semestre, o volume exportado de carne foi 13% menor quando comparado ao mesmo período de 2017, com média mensal de embarques de 300,1 mil toneladas. Já no segundo semestre, a média mensal de embarques passou a ser de 325,03 mil t. De janeiro a dezembro, as exportações caíram 6,5% em relação às do mesmo período de 2017, de acordo com dados da Secex.

O desempenho das exportações em 2018 foi prejudicado também pelas mudanças nos critérios quanto ao abate halal. A Arábia Saudita, um dos principais importadores da carne de frango brasileira, reduziu em 17,5% suas compras até dezembro. Outros importantes players, como Japão, África do Sul, União Europeia e Hong Kong, também diminuíram o volume importado.

Por outro lado, a China, um grande destino da carne nacional, aumentou em 11,9% as importações em 2018, sinalizando que a sobretaxa imposta pelo governo chinês em junho à carne de frango brasileira não trouxe grandes restrições ao comércio. Apesar das compras mais tímidas dos principais parceiros comerciais, o Brasil conseguiu escoar um volume maior para outros países, como, por exemplo, Coreia do Sul, Chile e México.
(CEPEA) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 21/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)