Sexta-feira, 22 de Março de 2019
Mercado

FRANGO/2018: preço de insumo elevado e queda na exportação prejudicam setor em 2018
Piracicaba, SP, 09 de Janeiro de 2019 - 2018 foi mais um ano desafiador ao setor avícola. De acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, o período foi marcado por elevação nos preços de importantes insumos, como milho e farelo de soja, e por restrições à carne de frango brasileira no mercado internacional. Esse cenário resultou em quedas nos preços da proteína no mercado doméstico, especialmente no primeiro semestre. Na segunda metade do ano, observou-se certa recuperação nos valores da carne, diante da diminuição na produção.

A forte alta nos preços do milho e do farelo de soja de 2017 para 2018 reduziu em 14,4% o poder de compra do avicultor paulista frente ao cereal nesse período e em 16,7% em relação ao derivado. O avicultor seria ainda mais desfavorecido caso o frango vivo, negociado na Grande São Paulo, não tivesse registrado alta real de 3,9% entre 2017 e 2018 (valores deflacionados pelo IPCA de novembro/18).

No entanto, o movimento altista restringiu-se ao animal vivo. Ainda na região paulista, de 2017 para 2018, em termos reais, o frango congelado se desvalorizou 1,8% e o resfriado, 4,3%. Esse resultado se deve às sucessivas quedas nos preços da proteína entre janeiro a abril. Este último mês, inclusive, foi um dos mais críticos para a cadeia, tendo em vista que o frango congelado registrou a menor média mensal de toda a série do Cepea, iniciada em janeiro de 2004. Para o frango resfriado, a média de abril/18 foi a menor em 12 anos, em termos reais.

Um dos fatores que levou a essa forte retração dos preços em abril foi a decisão da União Europeia de descredenciar algumas plantas frigoríficas brasileiras que estavam habilitadas a exportar carne de frango ao bloco econômico, já que o mercado doméstico não conseguiu absorver a maior disponibilidade da proteína. Posteriormente, visando reverter esse cenário, a indústria começou a reduzir a oferta da carne, e os preços esboçaram reação já em maio. Segundo o IBGE, de janeiro a setembro de 2018, foram abatidas 4,3 bilhões de cabeças de frango, quantidade 3% inferior à do mesmo período de 2017.

Ainda em maio, a paralisação dos caminhoneiros trouxe apreensão ao setor e as negociações de frango ficaram travadas no período. Com o fim do protesto, a retomada das atividades dos frigoríficos e as compras para abastecer as redes atacadistas foram intensas, refletindo de forma expressiva nas cotações da carne. No atacado da região paulista, em junho, os preços do frango congelado e do resfriado avançaram 26% em relação àqueles verificados em maio. Já em julho, os preços cederam, representando um maior ajuste entre a oferta e a demanda.

Nos meses subsequentes, as cotações se sustentaram em patamares mais altos do que os observados ao longo do primeiro semestre, sendo isso resultante da menor oferta da proteína e do ritmo mais intenso das exportações a partir do meio do ano.

No primeiro semestre, o volume exportado de carne foi 13% menor quando comparado ao mesmo período de 2017, com média mensal de embarques de 300,1 mil toneladas. Já no segundo semestre, a média mensal de embarques passou a ser de 325,03 mil t. De janeiro a dezembro, as exportações caíram 6,5% em relação às do mesmo período de 2017, de acordo com dados da Secex.

O desempenho das exportações em 2018 foi prejudicado também pelas mudanças nos critérios quanto ao abate halal. A Arábia Saudita, um dos principais importadores da carne de frango brasileira, reduziu em 17,5% suas compras até dezembro. Outros importantes players, como Japão, África do Sul, União Europeia e Hong Kong, também diminuíram o volume importado.

Por outro lado, a China, um grande destino da carne nacional, aumentou em 11,9% as importações em 2018, sinalizando que a sobretaxa imposta pelo governo chinês em junho à carne de frango brasileira não trouxe grandes restrições ao comércio. Apesar das compras mais tímidas dos principais parceiros comerciais, o Brasil conseguiu escoar um volume maior para outros países, como, por exemplo, Coreia do Sul, Chile e México.
(CEPEA) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 22/03
Instituto Ovos Brasil faz parceria com academia para levar informações sobre os valores nutricionais do ovo (15:02)
Conab avalia que aumento das exportações de soja podem afetar mercado interno (13:23)
Frango: preços sobem, influenciados pelo bom ritmo de embarques (08:33)
Ovos: preços do branco e do vermelho têm movimentos distintos (08:32)
Pré-Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 terá Simpósio de Automação (08:00)
Taxar o agro pode trazer grandes prejuízos ao país, dizem especialistas (07:06)
Para reflexão do setor: McDonald's testa nugget vegano feito de grão de bico, milho e batata (07:05)
Suíno Vivo: procura por animal vivo segue elevada (06:22)
Demanda lenta, mas preços do boi gordo firmes (06:20)
Possível atraso nas plantações de milho americano sustentam altas em Chicago (06:18)
Mesmo com enchentes nos EUA, mercado de soja não reage (06:17)
Soja: Preços sobem até R$ 2/saca nos portos e interior do Brasil (06:16)
Mercado de frango começa a ganhar fôlego e registra crescimento no 1º bimestre do ano em SC (04:02)
Mapa publica IN sobre novos procedimentos de registro de estabelecimentos sob SIF (03:58)
Quinta-Feira, 21/03
Suínos: demanda mantém preços elevados em SP (10:04)
Boi Gordo: abates aumentam 3,5% frente à 2017; volume é o maior desde 2014 (10:01)
Para reflexão do setor: NotCo chega ao Brasil com sua maionese sem ovo (09:19)
Missão do USDA que avaliará carne bovina será agendada esta semana (08:41)
Abate de suínos aumenta 61% em 11 anos, afirma IBGE (08:18)
ECPP fecha parceria com a Gujão Alimentos (08:04)
PIB do Agro fecha 2018 com estabilidade (07:28)
Tereza Cristina diz que agro precisa de investimentos em infraestrutura (07:26)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (07:07)
Cotações da arroba do boi gordo em alta (07:05)
Milho fecha a 4ª feira estável em Chicago (07:03)
Soja recua mais de 1% nos portos do Brasil (07:00)
Quarta-Feira, 20/03
Evonik lança novo método rápido e confiável para avaliar a qualidade de matérias-primas (13:42)
Cinergis Agronegócios realiza sua II Reunião Técnico-Comercial (12:41)
EUA vão informar em três dias quando virão ao Brasil inspecionar frigoríficos para liberar importação de carne bovina (12:32)
Funrural: terra de ninguém (11:47)
Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais (11:15)
Da Unitá para o mundo (10:43)
Deputados paulistas articulam bancada do agronegócio na ALESP (10:42)
SC: exportações do complexo soja aumentam 58% em 2019 (09:10)
China recusa habilitação de frigoríficos (08:20)
Estados Unidos mandarão equipe de inspeção ao Brasil para autorizar importação de carne in natura (08:15)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça-feira (19) (07:23)
Boi Gordo: mercado segue firme (07:22)
Em poucos dias começa o Congresso de Ovos da APA (07:17)
Milho fecha a 3ª feira com resultados misturados (07:05)
Soja fecha mais uma vez estável em Chicago (07:00)
Terça-Feira, 19/03
Exportações do agronegócio renderam US$ 7,2 bi em fevereiro (13:26)
Grupo Mantiqueira apresenta produto vegano e outras novidades na Super Rio Expofood (13:17)
Yes amplia estrutura comercial visando crescimento nos mercados nacional e internacional (13:10)
Embrapa: custos de produção de suínos e frangos de corte caem em fevereiro (12:27)
Concurso de Qualidade de Ovos 2019 acontecerá durante a 5ª FAVESU (08:23)
IEA divulga a estimativa da Produção Animal do Estado de São Paulo, em 2018 (08:21)
Nos EUA, redução de peso melhora lucro do frango (08:05)
Macedônia do Norte quer aumentar importação de frango do Paraná (08:04)
Produção paulista de frango caiu 11,1% em 2018 (08:00)
Boi Gordo: segunda quinzena começa com preços em alta (07:45)
Exportação de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro (07:40)
Soja tem pequenas baixas em Chicago nesta 3ª feira (07:29)
Milho desvalorizado em Chicago nesta segunda-feira (07:20)
Segunda-Feira, 18/03
Carnes necessitam de um marketing proativo, segundo analistas do setor (14:26)
Exportação de carne é principal tema na agenda de Tereza Cristina nos EUA (14:21)
Vetanco estará presente ao SBSA 2019 (14:14)
Estoque de soja elevado nos EUA reduz patamar de negócios no Brasil (10:00)
Milho: possível maior oferta pressiona valores internos (09:47)
Com Brexit, carne e açúcar do Brasil perdem fatia na União Europeia (08:24)
Declaração de chanceler sobre China gera mal-estar com o agronegócio (08:21)
Soja recua em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Acordo EUA-China e o agro brasileiro (07:05)
Peste na China causa disrupção no mercado de carnes e leva à disparada de BRF e JBS na bolsa (07:04)
A força do frango (07:03)