Domingo, 17 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira
Campinas, SP, 06 de Dezembro de 2018 - "O mercado está inseguro, apesar dessas sinalizações positivas", resume o analista de mercado Marlos Correa, da Insoy Commodities nesta quarta-feira (5), depois de o mercado encerrar o dia na Bolsa de Chicago, mais uma vez, com estabilidade. As oscilações do preços foram limitadas ao longo de todo o dia e terminaram a sessão com pequenos ganhos entre os principais vencimentos.

Os preços da soja subiram entre 0,75 e 1,75 ponto nos contratos mais negociados, com o janeiro/19 ficando em US$ 9,13 e o maio/19, que continua sendo a principal referência para os negócios aqui no Brasil, terminar a sessão com US$ 9,37 por bushel.

A cautela dos traders é o que tem mantido essa estabilidade das cotações durante esta semana, uma vez que o mercado espera conhecer mais a fundo os detalhes dessa trégua foi sinalizada pelos presidentes Donald Trump e Xi Jinping, bem como a movimentação dos dois países após esse anúncio.

Nesta quarta, a China sinalizou que poderia voltar a comprar soja e demais produtos agrícolas dos Estados Unidos novamente, com um volume que poderia chegar aos 8 milhões de toneladas até o final deste ano e, embora a indicação seja bem positiva, o mercado ainda a trata como especulação, uma vez que vantagem para que a nação asiática compre a commodity nos EUA viria somente com a retirada das tarifas.

Como explicou o diretor da Labhoro Corretora, Ginaldo Sousa, ainda não há informações e tampouco confirmações de que a China já teria feito a retirada dessas tarifas e, com elas, ainda não é vantajoso para que volte a comprar nos Estados Unidos. "Os chineses não oficializaram e e os traders não confirmam, até porque se isso fosse divulgado, Chicago subiria de 50 a 60 centavos no dia", diz.

Mercado Brasileiro

Essa movimentação na China e mais as recentes altas, embora não tão intensas, dos preços na Bolsa de Chicago motivam uma continuidade das baixas nos prêmios pagos pela soja brasileira e vem chamando a atenção dos produtores.

No terminal de Paranaguá, as primeiras posições perderam o patamar dos 100 pontos e marcam 90 cents de dólar sobre os valores praticaods na CBOT nesta quarta-feira. O fevereiro e o março caíram para, respectivamente, 60 e 50 cents.

Nesse ambiente, os preços acompanham as baixas. Somente em Paranaguá, a soja disponível recuou 3,66% para terminar o dia com R$ 79,00 por saca, enquanto a safra nova se manteve nos R$ 80,00. Em Rio Grande, baixa de 1,20 no disponível e para janeiro, com preços de R$ 82,50 e R$ 82,00 por saca.

No interior do país, as cotações também cederam em algumas praças de comercialização, mas a maioria delas fechou o dia sem movimentação nos preços. Os indicativos variam entre R$ 63,00 e R$ 74,00 por saca no mercado disponível.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 17/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)