Sábado, 25 de Maio de 2019
Análise

Trégua entre China e EUA pouco muda o cenário para a soja brasileira

Pelos próximos 90 dias, apenas não haverá imposição de nova tarifas pelos americanos.
São Paulo, SP, 04 de Dezembro de 2018 - Um esperado acordo entre Estados Unidos e China para terminar a guerra comercial que travam há meses não ocorreu no G20 de Buenos Aires. Os dois países só acertaram uma trégua de 90 dias.

Essa parada para a apresentação de novas propostas pelas duas partes não deverá mudar o cenário agrícola atual, e o Brasil pouco será afetado.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o dirigente chinês, Xi Jinping, durante jantar em Buenos Aires, no sábado (1º)
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o dirigente chinês, Xi Jinping, durante jantar em Buenos Aires, no sábado (1º) - Kevin Lamarque - 1º.dez.18/Reuters
Isso porque nada muda, por ora. Apenas não serão acrescentadas novas tarifas nos produtos negociados entre os dois países a partir de janeiro, como havia prometido Donald Trump.

A soja é o principal produto agrícola disputado por EUA e Brasil na China. A colheita americana já terminou, e a brasileira começa em 30 dias. Ambos terão volumes recordes de produção.

Um eventual favorecimento dos EUA nesse cenário só ocorreria com a concretização da afirmação de Trump de que a China vai importar “muito produto agrícola” dos EUA.

Não deve ocorrer, no entanto. O próprio secretário do Usda (Departamento de Agricultura dos EUA), Sonny Perdue, não acredita em uma retirada, pela China, das taxas impostas à soja.

Se a China voltar às compras nos Estados Unidos, o preço da oleaginosa subirá em Chicago, elevando os gastos dos chineses. Além disso, A China tem estoques elevados e boa oferta de produto da Argentina e do Brasil. No caso brasileiro, provavelmente os chineses não terão de pagar um prêmio extra tão elevado como neste ano, uma vez que a oferta de soja da América do Sul será maior em 2019.

Essa trégua temporária fará bem para os dois países. As indústrias da China seriam muito afetadas pela taxa de 25%, que estava sendo prometida por Trump.

Já os Estados Unidos, além do encarecimento do custo interno e da redução das vendas industriais para a China, já convivem com um sério problema: o da agropecuária.

Os americanos têm queda nas exportações de soja, trigo, sorgo, carnes e arroz.

A ação de Trump já causou sérios danos à agropecuária. Estimativas do próprio governo indicam que a renda agrícola dos EUA deverá cair 12% neste ano. Dentro da porteira, o recuo será de 8,4%.

A renda cai porque os preços recuam. E essa queda se deve à redução de horizontes para as exportações. No ano fiscal de 2017/18, a China havia comprado 19,4 milhões de toneladas de soja dos americanos até o fim de novembro. Neste ano, o volume é de apenas 600 mil toneladas.

A ausência da China no mercado americano fará com que os estoques de soja dos EUA terminem o ano fiscal, em 31 de agosto de 2019, em 23% do consumo, o mais alto patamar desde a safra 1985/86.

A pressão sobre Trump para o fim dessa aventura protecionista é grande. A guerra comercial com a China afeta vários setores agrícolas. As compras de algodão dos EUA pela China caíram 39% de julho a setembro.

Só com os principais grãos exportados, os EUA já gastaram US$ 4,7 bilhões de subsídios internos. E vem aí uma segunda rodada de ajuda.

Trump não tinha ideia da encrenca em que ia se meter com a China. É bom que o futuro presidente, Jair Bolsonaro, aprenda que com mercado não se brinca. É fácil perdê-los e difícil reconquistá-los.
A trégua entre EUA e China fez a soja subir 1,2% em Chicago nesta segunda-feira (3). O algodão teve alta de 1,3%% em Nova York.

No Brasil, com a redução dos prêmios, os preços ficaram estáveis e o mercado travado, segundo a AgRural.

Carnes

Os preços externos das proteínas melhoraram no mês passado, em relação aos de outubro. O melhor desempenho ficou para a carne suína, que teve alta de 3,5%. A bovina subiu 2,5%, e a de frango, 2,8%.

Quantidade

Os dados são do Ministério do Desenvolvimento. O Mdic apontou, ainda, que a indústria colocou 131 mil toneladas de carne bovina no mercado externo em novembro, 6% mais do que em outubro.

Em queda

Já as exportações de carne de frango “in natura” recuaram para 297 mil toneladas, 3,5% menos no mês. A suína somou 51 mil toneladas, com média 3,3% superior à de outubro.

No ano

As receitas com as exportações de carne de frango “in natura” caíram para US$ 5,4 bilhões até novembro, 10% menos do que em igual período de 2017.

Milho

As receitas com o cereal também foram menores no ano, caindo 14% em relação às de janeiro a novembro do ano passado.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 25/05
Sexta-Feira, 24/05
MSD Saúde Animal promove 2° Encontro Empresarial na Europa para experiências com Innovax ND-IBD (10:40)
Frango: exportação aquecida diminui oferta interna e eleva preços (10:16)
ABPA comemora renovação de cotas de importação do México para aves (10:11)
IPCA-15 foi de 0,35% em maio (10:09)
Confiança do Agronegócio encerra 1º trimestre otimista (09:23)
Safra de grãos do Paraná poderá chegar a 37 milhões de toneladas (09:06)
Balança comercial do agronegócio deste ano não repete o recorde de 2018 (08:59)
Ministério busca ampliar número de frigoríficos aptos a exportar à China (08:46)
EUA confirmam ajuda de até US$ 16 bi a produtores (08:42)
Mercado do Boi: compradores fazem oferta de compra abaixo da referência em boa parte das praças pecuárias (08:37)
Exportação de milho do Brasil, mais competitivo que o dos EUA, deve ganhar ritmo (08:28)
Suínos: preço do milho sobe, mas média ainda favorece relação de troca (08:17)
Boi: exportações de carne seguem em ritmo acelerado (08:16)
Pecuaristas ainda com poder de cadenciar vendas, mais China, seguram a @ do boi (08:14)
Milho se desvaloriza em Chicago (08:12)
Soja tem leve avanço em Chicago nesta 6ª feira (08:04)
Acordo entre UE e Mercosul leva pânico a produtores de carne franceses (08:00)
Projeto Campo Futuro levanta custos de produção agropecuária em Santa Catarina (07:40)
Governador do Paraná conhece abatedouro avícola daUnitá (07:39)
Brasil manda lista de 30 frigoríficos indicados a exportar para a China (07:36)
Quinta-Feira, 23/05
Conferência FACTA WPSA-Brasil marca os 30 anos da entidade e coloca a avicultura brasileira em evidência (09:21)
CEO da Aviagen explora “Responsabilidade de Alimentar o mundo”, tema da Conferência FACTA 2019 (09:00)
ICC Brazil reforça o seu compromisso com as universidades (08:48)
Nova fórmula reduz fretes para os grãos (08:47)
Queda não será generalizada (08:46)
Queda não será generalizada (08:46)
Americanos obtêm mais carne bovina com rebanho menor (08:40)
China quer habilitar apenas mais 20 frigoríficos brasileiros (08:34)
Mercado do boi: preços seguem andando de lado (08:05)
Soja opera estável nesta 5ª feira em Chicago (08:00)
Tereza Cristina: “Vamos democratizar mais o crédito agrícola” (07:33)
Abertura do CPAgro Copacol tem a participação de 1,7 mil pessoas (07:31)
Diretor-Geral da FAO: voto do Brasil vai para vice-ministro da agricultura chinês (07:31)
SRB debate futuro dos contratos agrários com Ministro do STJ (07:30)
Oeste catarinense busca internacionalização da região (07:28)
Milho se recupera durante a 4ª feira e registra 8º dia seguido de cotações em alta na Bolsa de Chicago (07:05)
Soja fecha em alta na CBOT nesta 4ª feira (07:00)
Quarta-Feira, 22/05
SP: preços agropecuários caem 0,43% na primeira semana de maio (11:14)
5ª FAVESU: maior evento de avicultura e suinocultura do ES será em junho (11:03)
Regulamento traz organização e transparência para o Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos (09:36)
Yes amplia equipe e anuncia novo gerente comercial para o Brasil (08:47)
Venda de participação em ativos no Oriente Médio no foco da BRF (08:27)
Mercado do boi: alterações pontuais nas cotações (08:15)
Peste suína africana na China deve dar suporte aos preços da carne nos Estados Unidos (08:10)
Milho fecha terça-feira em alta pela sétima sessão seguida (08:05)
Soja: mercado inverte movimento e fecha em queda na 3ª feira (08:00)
Matopiba deverá ser o principal fornecedor de milho brasileiro para o México (07:17)
Terça-Feira, 21/05
Marcas apostam em 'carne vegetal' no país (15:39)
Safeeds apresenta linha de conservantes na Fenagra 2019 (15:35)
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)