Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Produção

Confinamento já alcança 5 milhões de bois no país
São Paulo, SP, 03 de Dezembro de 2018 - Para acelerar os ganhos de produtividade, permitindo a ampliação da produção de carne bovina ao mesmo tempo em que cedem áreas de pastagens para a agricultura, os pecuaristas intensificaram o uso de grãos na alimentação do gado em ritmo mais acelerado que o previsto.

Levantamento recém-concluído pela multinacional holandesa DSM, empresa que detém 30% do mercado brasileiro de sal mineral para bovinos, mostrou que o número de bois engordados nos confinamentos do país alcançou em torno de 5 milhões neste ano.

A partir de entrevistas com 3 mil pecuaristas, a DSM estimou que 4,987 milhões de cabeças de bovinos foram "terminados" em confinamentos. Ou seja, passaram a última fase do processo de engorda - do boi magro até o animal pronto para o abate - no sistema intensivo. Na comparação com 2017, quando 4,850 milhões de bovinos foram confinados, o crescimento foi de 3%.

O levantamento, uma espécie de "censo" da pecuária intensiva no país, animou Marcos Baruselli, gerente de confinamento da DSM. Em entrevista concedida ao Valor em julho, o executivo estava mais conservador, estimando que os confinamentos do país atingiram a marca dos 5 milhões em 2020.

"Surpreendeu bastante. O que está acontecendo é uma intensificação muito forte da pecuária. O produtor rural está vendo que, se ele não produzir mais arrobas por animal, perde competitividade, e a pecuária passa a não ser tão atrativa", afirmou Baruselli. Para aumentar a velocidade da criação de bovinos, a dieta com grãos do confinamento é a grande opção.

Mas o confinamento tradicional não é a única forma de alimentar o gado com grãos. Nos últimos anos, os pecuaristas passaram a utilizar um modelo conhecido como "confinamento a pasto". Nesse modelo, os bois recebem uma dieta de grãos (milho e farelo de soja) muito semelhante à da estrutura dos confinamentos, onde os animais ficam lotados em um espaço reduzido, mas em cochos distribuídos na área de pastagem. Esse modelo, que é mais barato por não envolver investimentos na construção da estrutura do confinamento, avançou sobretudo em Mato Grosso, o maior Estado produtor de grãos.

Conforme as estimativas da DSM, outros 5 milhões de bois são alimentados, em maior ou menor medida, com grãos em modelos semelhantes ao "confinamento a pasto". Somados à atividade intensiva tradicional, são cerca de 10 milhões de bois abatidos por ano no Brasil criados de forma intensiva. Não é um número irrelevante, especialmente porque a criação de gado em fazendas extensas e pouco produtivas sempre foi uma característica da pecuária no país.

Considerando as 10 milhões de cabeças, cerca de um terço do gado abatido no Brasil consome grãos, segundo Baruselli. Em 2017, os frigoríficos com algum tipo de inspeção (federal, estadual ou municipal) abateram 30,8 milhões de animais, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O movimento de intensificação da pecuária deve continuar ao longo dos próximos anos, projeta o executivo da DSM. Segundo ele, é possível que em 2025 cerca de 10 milhões de bovinos sejam engordadas apenas no confinamento tradicional. Se as outras estratégias intensivas (como o confinamento a pasto) forem consideradas na conta, é "provável" que metade do gado abatido no Brasil seja alimentado com grãos, afirmou Baruselli.

Para os pecuaristas brasileiros, o movimento representa um ganho de produtividade, mas também impõe desafios. Isso porque a produção de gado bovino estará mais vinculada ao preço dos grãos. Em períodos de quebra de safra, o setor poderá sofrer mais.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 21/05
Marcas apostam em 'carne vegetal' no país (15:39)
Safeeds apresenta linha de conservantes na Fenagra 2019 (15:35)
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)
Segunda-Feira, 20/05
'Frango 4.0’: 7 milhões de frangos por ano (09:02)
Mercado do Boi: cotações podem retomar fôlego (08:06)
Soja: semana de bons negócios no Brasil (08:00)
Retaliação da China cria pânico na suinocultura dos EUA e abre brecha para o Brasil (07:53)
SC quer estimular a produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:51)
SC busca solução para o recolhimento de animais mortos (07:50)
Ovos no Amazonas: produção chegou a 520 milhões de unidades em 2018 (07:48)
Aves contrabandeadas são sacrificadas por falta de documentação sanitária (07:47)
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)
Quinta-Feira, 16/05
Boi Gordo: preço do bezerro sobe, mas arroba permanece estável e poder de compra cai (11:00)
Demanda externa provoca reabertura de frigoríficos (10:55)
Ceva promove eventos sobre laringotraqueite infecciosa pelo país (10:44)
Confira a programação completa da 5ª Favesu (09:37)
Limpadora de ovos fica sem receber adicional de insalubridade de granja (09:09)
Governo costura nova medida para elevar disputa no crédito (08:16)
Mercado do Boi Gordo interrompe a queda por um dia para depois retomar rumo de baixa (08:10)
Cotações perdem força, mas milho encerra a quarta-feira ainda em alta na Bolsa de Chicago (08:08)
Preços da soja sobem forte no Brasil nesta 4ª feira (08:05)
Ministério muda regras para ingresso de produtos de origem animal no país (08:03)
Exportações do agro somam US$ 30,42 bi no quadrimestre (07:58)
Consultoria jurídica da CNA beneficia produtores integrados de aves e suínos (07:36)
Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp (07:34)
Criada há três anos, Lei da Integração trouxe equilíbrio entre produtores e agroindústria (07:32)
Quarta-Feira, 15/05
Ceva apresentará no Simpósio Goiano de Avicultura dados da vacina Cevac IBras (11:22)
Cobb-Vantress realiza Escola Técnica Cobb+Aurora e homenageia a empresa pelos 50 anos de história (11:18)
Veja os convidados confirmados do AveLive (09:40)
Conferência FACTA WPSA-Brasil: como a avicultura deve se preparar frente nova demanda? (09:18)
Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda (08:23)
Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto (08:05)
Oferta de boiadas melhora e pressão de baixa ganha força (08:01)
Cotações do milho disparam em Chicago nesta terça-feira (07:59)
Brasil negocia cerca de 2 mi de t de soja nesta 3ª feira com disparada dos preços em Chicago (07:57)
União Europeia volta a ser o principal destino das vendas externas paulistas (07:55)
Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos (07:10)