Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
Agronegócios

Cenário promissor para acionistas dos frigoríficos do país
São Paulo, SP, 30 de Novembro de 2018 - Depois de uma década praticamente perdida quando o assunto é receber dividendos, os acionistas dos principais frigoríficos brasileiros podem estar próximos de um tempo de bonança.

O cenário é promissor e, portanto, é hora de “deixar os preconceitos de lado”, recomendou o BTG Pactual, em relatório divulgado à imprensa ontem. A avaliação é que a estratégia “veloz e furiosa” de aquisições do setor — foram 84 desde 2007 — ficou no passado e agora os frigoríficos estão convencidos a reduzir as dívidas, disseram os analistas do BTG, Thiago Duarte e Henrique Brustolin, no relatório.

No tabuleiro global das carnes, lembraram os analistas, os últimos dez anos foram marcados por um crescimento sem precedente da indústria nacional. Conforme dados compilados pelo BTG, a receita somada de JBS, BRF, Marfrig e Minerva — as quatro empresas de carnes com ações listadas na B3 — cresceu oito vezes desde 2007, quando JBS, Marfrig e Minerva abriram o capital na bolsa. A BRF ainda não existia, mas Perdigão e Sadia — as empresas deram origem à companhia após a fusão, em 2009 — já estavam na bolsa desde a década de 1980.

Em 2007, o faturamento somado das companhias não chegava a R$ 50 bilhões. Neste ano, a cifra deve superar R$ 250 bilhões, de acordo com as projeções do BTG. Maior empresa de carne do planeta e líder em faturamento entre as companhias não-financeiras no Brasil, a JBS responde por 70% das vendas.

De acordo com o BTG, o crescimento dos frigoríficos brasileiros foi largamente financiado com a emissão de dívidas. Na prática, os detentores dos títulos no exterior ficaram com a maior parte do quinhão na forma de juros — isso vale sobretudo para JBS, Marfrig e Minerva. Por outro lado, as elevadas despesas financeiras inviabilizaram os dividendos pagos para os acionistas. “Foi nada menos que um desastre para o retorno dos acionistas”, concluíram eles.

Não à toa, os frigoríficos tiveram desempenho  fraco na bolsa nesse período. Cálculos agregados, feitos pelos analistas, mostram que as ações das empresas de carnes do país ficaram estáveis na última década. “Em termos nominais!”, enfatizaram Duarte e Brustolin. Ou seja, quando descontada a inflação, as ações valem menos hoje houve “destruição de valor”, no jargão do mercado.

Para o próximo ano, a expectativa é que isso mude. JBS, BRF e Marfrig, as três maiores, venderam ativos ou estão em processo de desinvestimentos para reduzir a dívida.

Após a delação dos irmãos Batista, em maio de 2017, a JBS angariou R$ 4,7 bilhões com a venda de ativos. Além disso, a empresa renegociou dívidas com os bancos no Brasil, e neste ano antecipou pagamentos. Com essas medidas — a geração de caixa também contribuiu, o índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda) caiu de 4,16 vezes, em junho de 2017, para 3,38 vezes no fim de setembro.

A Marfrig obteve ainda mais recursos. Em agosto, acertou a venda da Keystone para a americana Tyson Foods, por US$ 2,4 bilhões (mais de R$ 8 bilhões). A empresa deve concluir a venda até o fim do ano, reduzindo assim o índice de alavancagem de 4,5 vezes em dezembro do ano passado para 2,5 vezes — o menor índice do setor. 

A BRF, por sua vez, está na fase final para a venda dos ativos na Argentina, Tailândia e Europa, com os quais quer obter R$ 3 bilhões. O plano da gestão Pedro Parente é reduzir o índice de alavancagem das 6,7 vezes reportadas em 30 de  setembro a 3 vezes no fim de 2019.

Diante do cenário positivo, o BTG recomendou aos investidores a compra de ações da JBS — o preço-alvo para os papéis é R$ 15, potencial valorização de 27% sobre a atual cotação. O BTG também vê alta potencial de 14% nas ações da Marfrig. Entre as empresas do setor, JBS e Marfrig são as mais bem posicionadas para aproveitar o momento favorável para a produção de carne nos EUA e no Brasil.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 14/12
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre (10:15)
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018 (09:59)
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU (09:57)
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer (08:11)
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA (08:07)
Produção de ração no Brasil cresce 0,6% e tem novo recorde em 2018 (08:06)
2ª Conbrasul Ovos 2019: Gramado será a capital internacional da avicultura de postura de 16 a 19 de junho (08:04)
Programa técnico do Congresso de Ovos já tem principais temas definidos (08:03)
Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12