Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
Mercado Externo

Putin ressuscita super-frango russo
Lisboa, 14 de Novembro de 2018 - Vladimir Putin está a ressuscitar o frango que manteve os russos alimentados nos últimos dias do comunismo. O projecto visa proteger o país contra possíveis sanções dos EUA a alimentos e um desafio para as duas produtoras ocidentais que fornecem todas as variedades comerciais do país.

Após uma série de contratempos, entre os quais um misterioso surto de gripe aviária e o abate forçado de 200.000 aves de testes no ano passado, o novo frango soviético está finalmente pronto para testes de mercado, segundo Vladimir Fisinin, de 78 anos, presidente da União Aviária Russa e um dos responsáveis pelo desenvolvimento desta linha própria de animais.

O objectivo passa por compensar um possível défice gerado por restrições dos EUA às exportações de ovos e pintos, que acabaram por se transformar na principal fonte de proteínas da Rússia. Os EUA não ameaçaram incluir os alimentos nas sanções que começaram a impor em 2014, pelo menos publicamente. Mas Fisinin, que nasceu numa fazenda colectiva na Sibéria nas vésperas da Segunda Guerra Mundial, disse que a Rússia precisa de se preparar para o pior ao lidar com uma Casa Branca cada vez mais imprevisível.

"Quem sabe qual será o tolo que virá a seguir, como este sr. Trump", disse Fisinin, numa entrevista, em SergievPosad, um centro monástico do século 14 localizado a 75 quilómetros a norte de Moscovo. Esta declaração foi dada no seu escritório, na instalação onde realiza pesquisas há meio século.

Fisinin fez parte da equipa de especialistas que ajudou a ciência gastronómica soviética a manter-se no nível do Ocidente com o desenvolvimento de uma versão maior e mais saborosa do Gallusgallusdomesticus em 1972, o mesmo ano em que Leonid Brejnev recebeu Richard Nixon por oito dias em Moscovo. Baptizado em homenagem ao protegido complexo em SergievPosad onde foi desenvolvido, o Smena, ou Mudança, foi uma dádiva para o Politburo e desencadeou um aumento recorde na produção de carne que durou até 1990.

Mas a União Soviética implodiu, o financiamento desapareceu e entraram no mercado ocidentais com genética mais avançada, o que deixou a ave à beira da extinção. Uma série subsequente de fusões e aquisições internacionais deixou a Cobb-Vantress, uma unidade da Tyson Foods, e a Aviagen, da alemã EW Group, no comando do sector a partir das suas respectivas sedes no Arkansas e no Alabama, nos EUA.

Para Putin, é um risco de segurança inaceitável que haja tanto poder sobre a carne em tão poucas mãos estrangeiras, segundo dois altos funcionários envolvidos no planeamento para as sanções. E Putin e seus conselheiros não estão preocupados apenas com o frango.

Produtoras russas de carne bovina, carne de porco, batata e até beterraba, a principal fonte de açúcar do país, também dependem de derivados genéticos dos EUA e da Europa.

O governo já aprovou um programa de substituição para a batata e está a trabalhar noutro para a beterraba. O objectivo é replicar o que o Kremlin considera um sucesso em termos de contra-sanções da Rússia aos produtos agrícolas da UE, que obrigaram as fazendas locais a aprender a arte de produzir especialidades estrangeiras, como presunto e queijo parmesão, apesar dos esforços serem ridicularizados nas redes sociais.

"Há muitos pontos de pressão para qualquer um que queira destruir a nossa economia", disse Andrei Klepach, economista-chefe do banco estatal de desenvolvimento VEB e ex-chefe do departamento de projecções do Ministério da Economia. "A recuperação do trabalho de reprodução é uma prioridade. Precisamos de uma espécie de comboio blindado num ramal alternativo."


(Jornal de Negócios de Portugal) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 14/12
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre (10:15)
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018 (09:59)
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU (09:57)
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer (08:11)
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA (08:07)
Produção de ração no Brasil cresce 0,6% e tem novo recorde em 2018 (08:06)
2ª Conbrasul Ovos 2019: Gramado será a capital internacional da avicultura de postura de 16 a 19 de junho (08:04)
Programa técnico do Congresso de Ovos já tem principais temas definidos (08:03)
Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12