Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Exportação

Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit
Curitiba, 14 de Novembro de 2018 - O Brasil pediu formalmente à União Europeia (UE) uma negociação bilateral para obter compensação por causa da repartição de cotas no mercado comum europeu após o Brexit (saída britânica do bloco de 28 países).

Como outros exportadores agrícolas, o Brasil recusa a divisão de cotas proposta pela UE, por considerar que a metodologia utilizada é arbitrária e causará prejuízo a produtores brasileiros.

Para a delegação brasileira, o fato de o Reino Unido sair da UE é uma questão dos europeus. A UE se comprometeu com determinadas concessões, como cotas (volume de comércio limitado, com tarifa menor) que não podem agora ser reduzidas.

Pelo que Bruxelas propôs, uma cota para o açúcar brasileiro, hoje de 388.125 toneladas, seria reduzida para 358.954 toneladas (92,4%), com o resto devendo ser oferecido em outra cota pelo Reino Unido.

No caso da cota para frango salgado, o volume de 170.807 toneladas cai para 129.930 toneladas (76,1%) e os britânicos oferecem o resto. A cota para carne de frango processado do Brasil, hoje de 15.800 toneladas, diminui para 10.979 toneladas na UE. Uma cota para carne bovina sem osso, de 10 mil toneladas, cai para 8.951 na UE e é completada pelos britânicos, com cota de 1.049 toneladas.

O montante total, após a divisão entre a UE e o Reino Unido, será idêntico ao atual. Ocorre que os exportadores reclamam que haverá duplicação de logística e de custos que não são aceitáveis. E pode ocorrer mesmo de produtores considerarem que nem vale a pena se engajar em venda com as cotas britânicas.

Nesta semana, no Conselho de Bens da Organização Mundial do Comércio (OMC), Brasil, EUA, Argentina, Austrália, Canadá, China, México, Nova Zelândia, Taiwan e Uruguai reclamaram que a proposta da UE afeta 196 concessões individuais cobrindo 142 cotas e mais de 365 linhas tarifárias.

Esse grupo se diz preocupado com a proposta para implementar reduções no acesso ao mercado comum europeu "sem completar a necessária negociação com os membros da OMC". Pedem que a UE garanta "compensação apropriada" para que seu comércio não seja prejudicado após o Brexit. A UE até agora não respondeu. Diz que está pronta a se engajar em discussões, mas informalmente insiste que não dará compensações aos parceiros.

Nesse caso, restará ao Brasil retaliar os europeus, aumentando tarifas sobre produtos importados. Ocorre que isso é bem mais complicado, porque a alta das alíquotas será aplicada a todos os países, e não só aos europeus.

Por sua vez, o Reino Unido apresentou na OMC uma ampla lista de compromissos para vigorar depois de sair da UE, incluindo redução tarifária, cotas e inclusive tamanho de seus subsídios agrícolas.

Londres quer ter o direito de dar US$ 5,9 bilhões de subsídios para agricultores. Diante de reações dos parceiros à lista de compromissos, os britânicos sinalizaram que podem abrir negociações para compensações a quem perder na nova realidade comercial do país.
(Paraná Cooperativo) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 16/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)