Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade
Campinas, SP, 14 de Novembro de 2018 - O dólar voltou a subir de forma expressiva nesta terça-feira (13) frente ao real e fechou acima dos R$ 3,80, registrando seu maior nível desde o último dia 5 de outubro, ainda assim, o impacto sobre os preços da soja no mercado brasileiro continua sendo limitado. A estabilidade, mais uma vez, marcou o dia para a formação das cotações no país e os negócios continuam bem lentos por aqui.

Nos portos, Paranaguá manteve os R$ 85,00 por saca no disponível, enquanto subiu 1,28% na safra nova, para R$ 79,00. Em Rio Grande, alta de 0,58% no spot e de 0,34% no dezembro, com as últimas referências em R$ 87,00 e R$ 87,80 por saca, respectivamente.

No interior do Brasil, quando todas as praças de comercialização encerraram a terça-feira com valores estáveis, sem qualquer mudança em relação às referências do dia anterior. Algumas exceções ficaram por conta, por exemplo, do Oeste da Bahia, onde o preço subiu 9,52% para R$ 69,00.

Como explicou o economista e analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais, a comercialização no país segue travada, uma vez que os atuais preços são pouco atrativos e resultam em um falta de interesse por parte dos vendedores, tanto da safra nova, quanto da safra velha.

A alta do dólar, afinal, perde boa parte da força diante de um mercado fraco na Bolsa de Chicago. À espera de novidades, as cotações da oleaginosa no mercado futuro norte-americano seguem pressionadas, caminhando de lado, perdendo um pouco mais a cada dia.

Ao mesmo tempo, os prêmios no mercado brasileiro, como explica Motter, também cederam de forma intensa nos últimos 15 a 20 dias e os preços da soja brasileira sentem mais esssa 'pressão adicional'.

Bolsa de Chicago

No mercado internacional, faltam novidades para motivar uma definição de caminho para os preços e, nesta terça, o fechamentou acabou sendo negativo na Bolsa de Chicago. Os futuros cederam de 4,50 e 5 pontos nos principais contratos, com o janeiro valendo US$ 8,78 e o maio/19 a US$ 9,05 por bushel.

A colheita sendo concluída nos EUA, bem como o desenvolvimento do plantio na América do Sul são fatores de acompanhamento dos traders, bem como a demanda fraca, nesse momento, pela soja norte-americana.

Dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgados nesta terça mostram que, na semana encerrada em 8 de novembro, os EUA embarcaram 1.301,775 milhão de toneladas, contra projeções de 900 mil a 1,28 milhão de toneladas.

O volume é ligeiramente maior do que o da semana anterior, e eleva o total acumulado no ano comercial para 9.908,846 milhões de toneladas, contra mais de 17 milhões do ano passado, nesse mesmo período.

Ainda assim, o maior fator de atenção e especulação continua sendo a disputa comercial dos EUA com a China e para o próximo encontro do G20, que acontece na Argentina, no final do mês, e onde se encontram Donald Trump e Xi Jinping para uma nova rodada de discussões.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 16/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)