Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
Empresas

Agora, Tyson foca expansão no exterior
São Paulo, SP, 09 de Novembro de 2018 - Depois de concentrar sua atuação nos Estados Unidos nos últimos anos, a americana Tyson Foods quer voltar as baterias para a expansão internacional, indicou na quarta-feira o novo CEO Noel White, em entrevista ao "The Wall Street Journal". White assumiu o cargo em setembro.

Nos EUA, a Tyson é a maior companhia de carnes em faturamento - US$ 38,2 bilhões no ano-fiscal de 2017 - e a principal rival da brasileira JBS, que fatura no mundo mais de US$ 50 bilhões.

A Tyson chegou a produzir carne de frango no Brasil, mas saiu do país - assim como do México - em 2014, vendendo as operações à JBS. Ao deixar o Brasil e o México, a Tyson alegou que as operações tinham pouca escala - a empresa era dona de uma pequena empresa no Estado do Paraná. Além disso, a empresa precisava de recursos e foco para digerir a aquisição da americana Hillshire Brands, empresa de alimentos processados pela qual pagou US$ 7,7 bilhões.

Ao "The Wall Street Journal", o CEO da Tyson evitou apontar alvos específicos. Ele também não mencionou o Brasil. No mercado, muitos argumentam que uma estratégia global em carnes implica investir no mercado brasileiro. No passado, a Tyson já chegou a flertar com a BRF, empresa de alimentos que hoje vive profunda crise.

Para a Tyson, investir fora dos EUA significa também diluir riscos, o que se revela cada vez mais relevante diante da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Neste ano, Pequim alvejou a suinocultura americana, ao sobretaxar a carne suína. O México fez o mesmo, reagindo à ofensiva protecionista do governo Trump.

"Você dilui os riscos se tiver operações fora dos EUA", reconheceu White. Nesse sentido, a Tyson já deu um passo, ao fechar a aquisição da Keystone da brasileira Marfrig Global Foods, por quase US$ 2,5 bilhões. Embora sediada nos Estados Unidos, a Keystone tem operações na China, Malásia e Tailândia. Para que o negócio seja concluído, só resta a aprovação do órgão antitruste da Coreia do Sul.

De acordo com o CEO da Tyson, a empresa agora redefiniu a estratégia para a China. A aposta é ter mais produtos com marca, comercializando itens como nuggets. Além disso, a empresa americana pode investir em novas fábricas para o processamento de frango.

Na China, a Tyson já chegou a fazer, antes da compra da Hillshire, pesados investimentos no desenvolvimento da cadeia agropecuária. No entanto, os constantes surtos de gripe aviária no país asiático e o enfraquecimento da taxa de expansão da economia chinesa minaram os esforços da Tyson. Conforme o "The Wall Street Journal", os problemas na China fizeram a Tyson Foods realizar um baixa contábil de US$ 169 milhões em 2015.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 20/11
China pode autorizar importação de carnes de até 78 unidades do Brasil (07:03)
Segunda-Feira, 19/11
Mapa e IICA lançam hotsite com estratégia internacional do agro (23:00)
Conab promove seminário sobre perdas de alimentos (22:55)
México habilita novas plantas para exportação de carne de aves Negociação externa (12:35)
Novas habilitações para o México devem incrementar exportações de frango do Brasil em 2019 (12:24)
Vetanco participa da 2nd Latin American Scientific Conference (08:15)
Milho: mercado aguarda novidades e fecha pregão desta 6ª com leves quedas na Bolsa de Chicago (08:08)
Soja: mantendo foco na disputa entre chineses e americanos, Chicago recua nesta 2ª feira (08:00)
Necta, com apoio do IOB, reúne alunos de graduação e pós gradução para falar sobre ovos (07:57)
Sexta-Feira, 16/11
FRANGO/CEPEA: carne se valoriza com aumento da procura (08:17)
OVOS/CEPEA: maior demanda eleva cotações; alta do vermelho supera 20% (08:16)
Retomada econômica poderá afetar o campo em 2019, diz analista (08:14)
SUÍNOS/CEPEA: bom ritmo de exportações e demanda interna elevam preço da carne (08:14)
BOI/CEPEA: aumento no abate mostra retomada de produtividade (08:13)
ABPA fomenta novos negócios para importações chinesas de aves e de suínos na CIIE (08:03)
Câmbio e clima nos EUA deixaram o milho na CBOT em total estabilidade (08:02)
Dólar mais alto e neve nos próximos dias nos EUA firmaram a soja em alta moderada em Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)