Domingo, 20 de Janeiro de 2019
Exportação

China: exportação agropecuária tem entrave e oportunidade
Pequim , 06 de Novembro de 2018 - A pauta brasileira de exportações agropecuárias para a China é bastante centrada na soja, mas ainda assim tem espaço para diferentes produtos e potencial de expansão. Mas também tem problemas a serem resolvidos. Enquanto o fluxo da venda de soja segue em alta, o Brasil tenta ampliar o mercado de carnes, por exemplo. Mas, é no segmento animal que hoje se concentram duas negociações para superar entraves chineses.

Estão entre os focos de trabalho da diplomacia do Brasil em Pequim a venda de miúdos de gado e o fim da sobretaxa ao frango. Atualmente, o Brasil vende as partes menos nobres do rebanho bovino, como miúdos, apenas para Hong Kong. Mas, de acordo com Hugo Peres, um dos responsáveis pela área do agronegócio brasileiro na embaixada brasileira em Pequim, questões sanitárias são o que ainda impedem o ingresso do produto em todo o continente. "Já exportamos para Hong Kong, mas para a China continental ainda não, porque não atualizaram o status sanitário do Brasil, referente a doença da vaca louca, pela qualificação da OIE (Organização Mundial de Saúde Animal). Estamos negociando para que aceitem essa qualificação, onde o Brasil tem o melhor status possível", explica Peres.

Enquanto avança na questão dos miúdos de gado, as tratativas para encerrar a sobretaxa ao frango brasileiro podem migrar para uma esfera maior. Desde o início do ano, a China decidiu sobretaxar o frango alegando dumping. Peres defende que a acusação de dumping é motivada por pressão de produtores de frango do gigante asiático e partem de uma premissa errada. A embaixada do Brasil alerta que o País poderá ingressar na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a cobrança extra à produção avícola brasileira. "O Brasil fornece 84% das importações de frango da China. E eles têm uma produção interna relevante e sofrem pressões dos produtores para proteger o seu mercado", avalia Peres.

O argumento de dumping estaria baseado em um cálculo errado, segundo Peres, porque leva em conta o preço a partir de um somatório de tudo que é vendido. E como o preço do pé de galinha, amplamente consumido na China é muito barato, já que no Brasil é descartado e no país asiático valorizado, isso colocaria o valor médio abaixo do real.

Peres ressalta, porém, que, apesar de a carne de frango e de gado serem produtos importantes, o Brasil ainda não tem nenhuma frente aberta no mercado de frutas. "O Brasil não exporta nenhuma fruta para cá, ao contrário de muitos outros países latinos. Estamos com negociação para começar a exportar melão", diz Peres.

No segmento de grãos, o diplomata avalia que há espaço para a venda de sorgo para alimentação animal, já que a China importa 90% do produto dos Estados Unidos. E com a guerra comercial, deverá mudar os fornecedores. Mas é a soja, claro, que segue despertando o grande apetite chinês.

Também atuante na área econômica da embaixada, Ricardo Andrade destaca que neste ano a oleaginosa brasileira expandiu significativamente sua presença no país asiático. "Neste ano, o Brasil já respondeu por 70% de toda a soja importada pela China. No ano passado, foram 51%", ressalta Andrade, que aponta este como sendo um reflexo da guerra comercial com os Estados Unidos.

O avanço do país asiático sobre a soja brasileira, no entanto, não se limita à compra de grãos, mas também a investimentos diretos no Brasil. A internacionalização das empresas chinesas em toda a cadeia produtiva da oleaginosa é tema do pesquisador brasileiro Tomaz Fares. Doutorando pela Universidade de Londres, ele está na China levantando dados sobre o setor:

"A minha ideia é entender os investimentos chineses no Brasil, em toda a cadeia da soja. Passando por empresas como a Cofco (empresa chinesa de beneficiamento de soja), portos, processamento, produção e aquisição de empresas", explica Fares.
(Jornal do Comércio) (Thiago Copetti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 20/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)