Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
Exportação

CNA quer Itamaraty 'agressivo' no acesso a mercados
Brasília, 05 de Novembro de 2018 -

Num cenário em que União Europeia, Estados Unidos, Rússia e China ainda mantêm restrições às carnes do Brasil e posturas comerciais protecionistas voltam a ganhar força ao redor do mundo, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defende que, no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o Itamaraty seja mais "agressivo" em suas gestões para tentar abrir mercados e impulsionar as exportações do agronegócio.

"O Ministério das Relações Exteriores está um pouco distante das nossas necessidades. Não tem sido um ministério aguerrido. Falta mais agilidade", afirmou Martins em entrevista ao Valor na semana passada na sede da entidade, em Brasília, onde elencou uma série de prioridades do setor para os próximos anos.

O presidente da CNA entende que é preciso que o governo federal assuma uma postura mais de negociador do que de diplomata quando o assunto for o acesso dos produtos agropecuários do país no mercado internacional. E disse acreditar que Bolsonaro vem sinalizando que montará um governo capaz de executar essa agenda. "Pelo menos ele está acenando que tem muita vontade de vencer os desafios".

A CNA defende que o Brasil estabeleça acordos comerciais de foram a tornar a agropecuária nacional mais competitiva. E quer o foco nos principais mercados importadores de alimentos, como União Europeia, China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão e México.

A medida consta no documento "O Futuro é Agro", que reúne um conjunto de metas prioritárias para a confederação e outras 15 entidades do agronegócio até 2030 e foi entregue em sabatina aos presidenciáveis durante a campanha - Bolsonaro não compareceu ao encontro que marcou a entrega do documento aos postulantes do Planalto.

Martins também sustenta que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex-Brasil), que não é ligada ao Itamaraty, seja mais efetiva e objetiva na agenda voltada para alavancar os embarques de itens agropecuários para os mais diferentes mercados.

A CNA também pede que o novo governo apoie a aprovação no Congresso de uma Lei Plurianual para o agronegócio nos moldes da "Farm Bill" (lei americana), de forma que o orçamento voltado à agricultura seja condizente com o calendário dos anos-safra, aloque mais recursos para o programa de subsídios do prêmio rural, amplie o investimento público na construção e finalização de obras de infraestrutura estratégicas para setor, promova parcerias com os Estados para garantir mais segurança no meio rural e blinde as verbas para a defesa agropecuária de contingenciamentos.

Martins afirmou que há um clamor no segmento agropecuário para que o Ministério da Agricultura também mire cada vez mais uma agenda de modernização e redução da burocracia daqui para a frente. Assim, disse, o próximo comandante da Pasta precisará ser alguém comprometido com essa ideia, especialmente num momento em que o sistema sanitário brasileiro está sendo colocado em xeque ainda em decorrência de reflexos da Operação Carne Fraca.

"Se a gente continuar com um ministério antigo, permaneceremos com esses problemas, principalmente com países mais exigentes", declarou o dirigente.

Dentro do pacote de medidas essenciais para o desenvolvimento da agropecuária brasileira, a CNA também defende que o próximo ministro da Agricultura tenha um perfil técnico - de preferência um produtor rural ou empresário com vivência na área. "Acho que político não deveria ser ministro agora. Muitos políticos perderam a eleição, então vamos alocar essas pessoas no ministério? Isso não seria correto".

(Valor Econômico) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 20/11
China pode autorizar importação de carnes de até 78 unidades do Brasil (07:03)
Segunda-Feira, 19/11
Mapa e IICA lançam hotsite com estratégia internacional do agro (23:00)
Conab promove seminário sobre perdas de alimentos (22:55)
México habilita novas plantas para exportação de carne de aves Negociação externa (12:35)
Novas habilitações para o México devem incrementar exportações de frango do Brasil em 2019 (12:24)
Vetanco participa da 2nd Latin American Scientific Conference (08:15)
Milho: mercado aguarda novidades e fecha pregão desta 6ª com leves quedas na Bolsa de Chicago (08:08)
Soja: mantendo foco na disputa entre chineses e americanos, Chicago recua nesta 2ª feira (08:00)
Necta, com apoio do IOB, reúne alunos de graduação e pós gradução para falar sobre ovos (07:57)
Sexta-Feira, 16/11
FRANGO/CEPEA: carne se valoriza com aumento da procura (08:17)
OVOS/CEPEA: maior demanda eleva cotações; alta do vermelho supera 20% (08:16)
Retomada econômica poderá afetar o campo em 2019, diz analista (08:14)
SUÍNOS/CEPEA: bom ritmo de exportações e demanda interna elevam preço da carne (08:14)
BOI/CEPEA: aumento no abate mostra retomada de produtividade (08:13)
ABPA fomenta novos negócios para importações chinesas de aves e de suínos na CIIE (08:03)
Câmbio e clima nos EUA deixaram o milho na CBOT em total estabilidade (08:02)
Dólar mais alto e neve nos próximos dias nos EUA firmaram a soja em alta moderada em Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)