Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
Exportação

O que significa a pretensão de Bolsonaro de transferir a embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém
Porto Alegre, 05 de Novembro de 2018 - O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou, nesta quinta-feira (1º), que pretende transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. O anúncio do capitão da reserva foi publicado em sua conta oficial no Twitter e reforçado em entrevista coletiva no Rio de Janeiro.

Se confirmar a mudança, Bolsonaro vai seguir os passos do governo de Donald Trump, que promoveu a realocação da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém em maio deste ano. O ato causou confrontos violentos na Faixa de Gaza, que deixaram cerca de 60 mortos.

A decisão de Trump também foi seguida pela Guatemala. O Paraguai alinhou seu posicionamento com o do governo norte-americano, mas voltou atrás.

Reconhecimento

Caso confirme a mudança na localização da embaixada em Israel, o governo de Bolsonaro estará reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel, criando atrito com a Palestina e com outros países árabes. Os palestinos pretendem transformar Jerusalém Oriental na capital de seu futuro Estado independente. Na coletiva desta quinta, Bolsonaro disse não ver clima pesado na medida.

— Nossa segurança em primeiro lugar. Essa questão da embaixada, se o Brasil mudar, eu não vejo um clima pesado. Não é uma questão de vida ou morte. Temos todo o respeito com Israel e com o povo árabe — disse.

A Organização das Nações Unidas (ONU) e a maioria da comunidade internacional não reconhecem Jerusalém como capital de Israel. Após Trump anunciar a mudança da localização da embaixada, a ONU defendeu que o status de Jerusalém deve ser decidido por uma "negociação direta" entre israelenses e palestinos, reiterando que sempre foi "contra toda medida unilateral".

No entendimento do embaixador aposentado Luiz Augusto de Castro Neves, vice-presidente emérito do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), caso o gesto de Bolsonaro se confirme, demonstrará uma "guinada exótica" na política internacional brasileira.

— O principal impacto seria o afastamento do Brasil de suas tradições diplomáticas, que foram sempre de apoiar a resolução da ONU. Seria um gesto exótico, porque não somos um ator importante no Oriente Médio — afirmou o embaixador aposentado.

Neves entende que a possível medida de Bolsonaro traria mais vantagens para o governo de Israel, que teria mais uma nação reconhecendo Jerusalém como capital do país, do que para o Brasil. O vice-presidente afirmou que a transferência de embaixada geraria manifestações de países árabes na ONU e causaria desgaste político na relação do Brasil com essas nações, mas não implicaria sanções comerciais. O mercado árabe é um dos principais importadores de carne de frango do Brasil.

Atrito com a Palestina

Durante a campanha, Bolsonaro afirmou a intenção de retirar a embaixada palestina de Brasília. Na época, o então candidato à Presidência afirmou que a representação diplomática não pode existir na capital federal porque "a Palestina não é um país". Não foram anunciadas novas medidas sobre esse tema desde o último domingo.
(ZERO HORA) (ANDERSON AIRES)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 20/11
China pode autorizar importação de carnes de até 78 unidades do Brasil (07:03)
Segunda-Feira, 19/11
Mapa e IICA lançam hotsite com estratégia internacional do agro (23:00)
Conab promove seminário sobre perdas de alimentos (22:55)
México habilita novas plantas para exportação de carne de aves Negociação externa (12:35)
Novas habilitações para o México devem incrementar exportações de frango do Brasil em 2019 (12:24)
Vetanco participa da 2nd Latin American Scientific Conference (08:15)
Milho: mercado aguarda novidades e fecha pregão desta 6ª com leves quedas na Bolsa de Chicago (08:08)
Soja: mantendo foco na disputa entre chineses e americanos, Chicago recua nesta 2ª feira (08:00)
Necta, com apoio do IOB, reúne alunos de graduação e pós gradução para falar sobre ovos (07:57)
Sexta-Feira, 16/11
FRANGO/CEPEA: carne se valoriza com aumento da procura (08:17)
OVOS/CEPEA: maior demanda eleva cotações; alta do vermelho supera 20% (08:16)
Retomada econômica poderá afetar o campo em 2019, diz analista (08:14)
SUÍNOS/CEPEA: bom ritmo de exportações e demanda interna elevam preço da carne (08:14)
BOI/CEPEA: aumento no abate mostra retomada de produtividade (08:13)
ABPA fomenta novos negócios para importações chinesas de aves e de suínos na CIIE (08:03)
Câmbio e clima nos EUA deixaram o milho na CBOT em total estabilidade (08:02)
Dólar mais alto e neve nos próximos dias nos EUA firmaram a soja em alta moderada em Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)