Sábado, 15 de Dezembro de 2018
Mercado Externo

Peste suína avança na China e deve mexer com o mercado mundial

Líder, país deverá ter produção menor e elevar as importações de carne.
São Paulo, SP, 26 de Outubro de 2018 - A suinocultura da China passa por um momento complicado. Há um avanço da peste suína africana por várias das principais regiões produtoras do país.

Por ser a maior produtora e consumidora mundial de carne suína, o avanço da doença poderá mexer com o mercado mundial. A China produz 56 milhões de toneladas e consome 56 milhões por ano.

Além da China, a Europa, outro importante mercado consumidor e exportador, também apresenta as primeiras regiões com a doença.

A União Europeia produz 24 milhões de toneladas por ano e consome 21 milhões, segundo dados do Usda (Departamento de Agricultura dos EUA).

O avanço da peste suína africana na China deverá provocar sérios problemas no sistema de produção local e elevar a necessidade de importação, segundo estudo do Rabobank, banco especializado em agronegócio.

Para evitar que a doença alcance novas regiões, a China proibiu o transporte de animais. A medida derruba os preços nas regiões produtoras e eleva nas que dependem de compra de outras regiões.

Essa instabilidade do mercado traz problemas para os produtores, principalmente para os pequenos. Parte deles está deixando de produzir, aponta o banco.

Segundo a Embrapa, o vírus da peste suína foi detectado em suínos de subsistência na China e na Romênia e em javalis na Bélgica.

Nesses surtos, a fonte comum de infecção foram restos de alimentos contendo produtos não cozidos, derivados de suínos, contaminados com o vírus. A doença é hemorrágica, mas não é transmitida para os seres humanos.

Janice Zanella, chefe-geral da Embrapa Aves e Suínos, diz que há uma preocupação muito grande no Brasil com a doença.

"Nenhum país pode ser considerado como de risco zero, principalmente com o aumento contínuo dos transportes mundiais. Os efeitos da doença são desastrosos, segundo a chefe da Embrapa Aves e Suínos.

O fluxo de navios entre Brasil e China é grande. Os navios que vão com farelo de soja e soja voltam com outros produtos e insumos que o Brasil importa do país asiático.

Pesquisas feitas no Estados Unidos indicam que o vírus tem uma resistência muito grande, até mesmo em condições adversas para ele.

O Brasil precisa se precaver e não passar por mais um susto, principalmente depois das operações da Polícia Federal no setor de proteínas, segundo Zanella.

Essa é uma medida que os Estados Unidos já estão tomando, principalmente porque uma eventual ocorrência da peste suína no mercado americano geraria prejuízo de bilhões de dólares, segundo Usda.

Uma intensificação da doença nas granjas chinesas fará com que o país eleve as importações. E o Brasil é um dos fornecedores.

As importações chinesas de carne suína aumentaram 10% em agosto último, em relação a igual período do ano passado, um sinal de que a necessidade de compra externa está aumentando, segundo o Rabobank.

Dados da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) mostram que as importações chinesas de carne suína brasileira, no mês passado, superaram em 361% as de igual período de 2017.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 15/12
Sexta-Feira, 14/12
Encontro de Qualidade Industrial recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (16:04)
Sindirações projeta crescimento de até 3% para 2019 (14:37)
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre (10:15)
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018 (09:59)
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU (09:57)
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer (08:11)
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA (08:07)
Produção de ração no Brasil cresce 0,6% e tem novo recorde em 2018 (08:06)
2ª Conbrasul Ovos 2019: Gramado será a capital internacional da avicultura de postura de 16 a 19 de junho (08:04)
Programa técnico do Congresso de Ovos já tem principais temas definidos (08:03)
Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)