Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Política Agrícola

Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor

Em vários estados, como os de Mato Grosso e de Minas Gerais, as lideranças não se elegeram.
São Paulo, SP, 18 de Outubro de 2018 - O agronegócio olhou muito para a eleição presidencial neste ano e esqueceu os candidatos regionais do setor.

O voto tsunami em alguns candidatos ligados ao capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL) deixou várias lideranças do setor agropecuário sem cadeira no Congresso.

A ausência de nomes tradicionais na Câmara e no Senado deverá dificultar, inicialmente, a atuação do setor ruralista em Brasília.

A experiência e o conhecimento das lideranças que ficaram de fora vão fazer falta nas discussões do setor.

Não tem como os novos eleitos ficarem ausentes das principais demandas dos seus estados, mas será um processo que vai demorar tempo para que haja essa interação.

Faltou organização política no agronegócio, e o setor poderá ter até a mesma quantidade de deputados e senadores interessados na atividade no Congresso, mas com experiência menor.

Os novos números devem indicar uma redução inicial de participantes na FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária). A tendência, porém, é de aumento de afinidade dos novos eleitos com o setor.

A atividade mostrou nos últimos anos que tem estrutura e corpo técnico, mas ainda falta uma política coordenada. É o que mostraram os votos dessa eleição.

Um dos exemplos mais claros é o de Mato Grosso. Principal produtor nacional de grãos e líder na pecuária, o estado não elegeu vários candidatos tradicionais do setor.

Parte dessa ausência dos votos a esses candidatos nas urnas se deve à votação acentuada no partido ligado a Jair Bolsonaro.

O agronegócio, contudo, também teve culpa nessa derrocada, principalmente com a indicação de vários políticos do setor para as mesmas vagas, como as do Senado.

O resultado em Mato Grosso foi que líderes do setor como Nilson Leitão (PSDB), Adilton Sachetti (PRB), Carlos Fávaro (PSD) ficaram fora do Congresso nessa eleição. O mesmo ocorreu com Victorio Galli, mesmo sendo do PSL.

Luciano Vacari (PPS), há duas décadas em entidades voltadas para a pecuária, também ficou de fora.

Os votos para esses candidatos ocorreram na maioria das cidades do estado, mas em pequenas quantidades. A maioria dos eleitores seguiu a onda do momento.

Minas Gerais sentiu o mesmo efeito de Mato Grosso. As urnas deixaram de fora do quadro do próximo Congresso de ex-ministro da Agricultura, como Antônio Andrade (MDB), a lideranças tradicionais, como Carlos Melles (DEM) e Silas Brasileiro (MDB).

A preferência dos eleitores pelo capitão reformado teve efeito também em outros estados agrícolas.

Santa Catarina não terá a representação de Valdir Colatto, voltado para o agronegócio. O ex-secretário de Agricultura do estado de Espírito Santo, Ricardo Ferraço, também ficou sem posto em Brasília.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 16/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)