Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
Matérias-Primas

Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos
São Paulo, SP, 15 de Outubro de 2018 - Estimativas divulgadas na quinta-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) confirmaram que o Brasil deverá liderar com folga as exportações globais de soja nesta safra 2018/19 e tende a recuperar o espaço perdido no mercado internacional de milho depois da forte queda da produção na temporada 2017/18.

Segundo a Conab, a colheita brasileira de soja, no ciclo que está sendo semeado deverá somar entre 117 milhões e 119,4 milhões de toneladas, ante o recorde de 119,3 milhões registrado na temporada passada. De acordo com os dados do USDA, serão 120,5 milhões de toneladas em 2018/19, cerca de 700 mil a mais que em 2017/18, que permitirão que o país exporte 75 milhões de toneladas.

Se a direção das projeções for confirmada, o Brasil continuará atrás dos EUA na produção, já que o USDA prevê uma colheita americana recorde de 127,7 milhões de toneladas, mas voltará a liderar as exportações mundiais, com quase 19 milhões de toneladas a mais que o principal "rival". Em larga medida, a projeção de avanço da produção americana não é acompanhada por uma estimativa de expansão dos embarques em virtude das disputas comerciais de Washington com a China.

Assim, a expectativa é que a "simbiose" nipo-brasileira no mercado de soja continue a dar o tom, mesmo levando-se em conta a possibilidade de um armistício entre as duas potências. Para a China, o USDA prevê importações de 94 milhões de toneladas em 2018/19, mesmo patamar de 2017/18.

Na safra atual os chineses deverão responder por pouco mais de 60% das importações mundiais, ao passo que Brasil e EUA, juntos, novamente representarão 83,3% das exportações, mesmo com a recuperação da produção na Argentina, golpeada por problemas climáticos no ciclo 2017/18.

Se haverá poucas mudanças para o Brasil no tabuleiro da soja, no do milho as perspectivas confirmam um cenário de recuperação. A Conab projetou a colheita brasileira total (primeira e segunda safras) entre 89,7 milhões e 91,1 milhões de toneladas em 2018/19, um aumento de até 11,1% em relação a 2017/18, ciclo marcado por intempéries. O USDA projeta um volume ainda maior - 94,5 milhões de toneladas, 12,5 milhões a mais que na temporada passada.

Diante dessa recuperação expressiva da oferta, o órgão americano estimou as exportações do Brasil, terceiro maior produtor global do cereal, em 29 milhões de toneladas em 2018/19, ante 22 milhões de toneladas em 2017/18. Os problemas deste ano tiraram do país o posto de segunda maior exportador de milho do mundo - atrás dos EUA -, que voltou a ser ocupado temporariamente pela Argentina. Mas, se tudo correr como indicam as projeções, a ordem será retomada agora.

(Valor) (Fernanda Pressinott )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 24/04
Crise reformulará mercado global de proteínas animais (07:53)
Peste suína na China faz ações de frigoríficos dispararem (07:50)
Boi gordo: demanda em baixa, mas oferta restrita limita quedas (07:36)
Avanço do plantio americano deixa cotações do milho em baixa na Bolsa de Chicago (07:33)
Soja fecha com mais de 15 pts de baixa em Chicago e preços caem mais no Brasil (07:30)
China deve aumentar compras de frangos e suínos (07:12)
Workshop visa esclarecer adequações de instalações aduaneiras a exigências do Vigiagro (07:11)
BRF: Parece que o jogo virou, não é mesmo? (07:10)
Terça-Feira, 23/04
Negociações do Plano Safra na reta final (08:50)
Plantio de milho avança nos EUA, o que é bom para o sojicultor brasileiro (07:03)
Elanco começa trajetória independente da Eli Lilly (06:34)
AVES e CRMV-ES realizam curso para o setor de ovos do ES (06:30)
Carne brasileira pode ampliar espaço no mercado chinês, diz ministra (06:20)
Consumo calmo pressiona preços da arroba do boi (06:15)
Segunda-feira termina com milho desvalorizado em Chicago (06:09)
Soja: portos fecham em queda nesta 2ª feira com recuo em Chicago (06:07)
Preocupação na demanda por soja, peste suína africana se alastra por toda China (06:04)
Segunda-Feira, 22/04
StarYeast®, da ICC Brazil, é alternativa para crise de vitamina B2 na União Europeia (10:07)
Programa de autocontrole: cooperativas entregam carta de reivindicações ao MAPA (09:17)
Semana será decisiva para impasse entre governo e caminhoneiros (08:34)
PIB do agronegócio mineiro fecha 2018 com crescimento de 3,55% (08:32)
Serviço de Inspeção de Pernambuco passa a ter equivalência ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (08:20)
Ovos: última semana da Quaresma é marcada por preços estáveis (08:18)
Surto de peste suína africana na China altera dinâmica do mercado de carnes no Brasil (08:18)
Soja: preços sobem, mas médias mensais são as menores desde janeiro (08:15)
China terá redução de 10 mi de toneladas na oferta de carnes com peste suína (08:10)
Incerteza econômica faz agroindústria patinar (08:09)
Suínos: estabilidade nos preços na última semana (08:05)
Soja volta do feriado trabalhando com leves baixas em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 19/04
Quinta-Feira, 18/04
Frango: preços da carne sobem com força em Abril (11:16)
Suínos: carcaça se mantém estável e ganha competitividade frente ao frango (11:15)
Boi Gordo: oferta limitada mantém indicador firme neste ano (11:14)
Prévia do IGP-M consolida desaceleração dos preços (10:54)
Bahia: Deputada e Secretário de Agricultura se reúnem com Secretário Nacional de Defesa Agropecuária (10:50)
Fiscais agropecuários gaúchos farão treinamento em boas práticas e bem-estar animal (10:46)
Cobb dos EUA faz intervenção na filial brasileira (07:53)
O perigo de mexer com o Irã (07:39)
Boi Gordo: indústrias estão com dificuldade de compras (07:20)
Incerteza sobre o plantio americano mantem milho 1 cent mais baixo em Chicago (07:18)
Soja dá continuidade ao movimento de baixa e perde mais 10 pontos em Chicago (07:15)
Paraíba: governo promove cursos de avicultura e incentiva produção no estado (00:34)
Crise diplomática é desafio para o setor (00:33)