Domingo, 24 de Março de 2019
Política Agrícola

Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro

Para setor, fracasso de eventual governo do capitão abriria portas da cadeia para Lula.
São Paulo, SP, 15 de Outubro de 2018 - O agronegócio foi um dos responsáveis pela colocação de Jair Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial. O setor promete repetir a dose no dia 28, quando será decidido o futuro presidente do país.

Há preocupações, porém, nas lideranças do setor. Uma delas é com a inexperiência do candidato em cargos do Executivo. Ele se cercou de um pequeno grupo, e as diretrizes de governo ainda não estão claras.

Um eventual fracasso de Bolsonaro na Presidência, se for eleito, como mostram as pesquisas, será o caminho mais rápido para a saída do ex-presidente Lula da cadeia, diz um representante do setor.

Um dos temores é a instalação de um radicalismo no governo, que poderá vir de uma aura de autossuficiência.

Um exemplo citado por uma das lideranças: a possível fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, como sugerida, só traria mais radicalismos no setor, gerando discussões desnecessárias.

O caminho do ambiente e do bem-estar dos animais passou a ser uma questão universal e, se não for adiante no Brasil, colocará o país na contramão das exigências internas e externas.

São necessários equilíbrio e sensatez nesses temas, segundo essa liderança.

O setor espera que, em uma futura formação de governo, o responsável pela agricultura tenha visão moderna e de longo prazo. Há um temor de que seja indicado alguém fora desse perfil.

Para um representante da pecuária, o voto no candidato tem sido por exclusão. Há uma frustração contra tudo e contra todos, e não apenas contra o PT.

O agronegócio, porém, tem de ficar atento aos próximos passos de Bolsonaro, se eleito. Parte das pessoas que o cercam gera preocupações, acrescenta.

Quem comandar o Ministério da Agricultura vai lidar não só com problemas internos, como a defesa sanitária, mas também com demandas externas crescentes.

E os problemas externos se tornam cada vez mais complexos. Vão desde o aumento do protecionismo à guerra comercial entre os líderes da economia mundial.

O agronegócio não está sozinho em uma composição de governo. Deve estar ligado a outros ministérios, como Fazenda, Desenvolvimento e Relações Exteriores.

O governo deve ter uma visão comercial conjunta, voltada tanto para os problemas internos como para os externos. Um governo sem esse enfoque pode ser um desastre para o campo.

Segundo o setor, será um período difícil, que exigirá diálogo e negociações. A atitude menos recomendável será a de trazer novos conflitos nas discussões.

Daí a recomendação de um ex-participante do governo federal de que o setor tem de oferecer apoio a quem for eleito, mas exigir que ele zele pelo que já foi conquistado.

Se o eleito não tiver condições de gerir os problemas, o agronegócio tem de ser orientador e mentor dele, segundo uma das fontes.

O vocabulário agrícola não aceita a palavra erros. O setor tem de se mobilizar para evitar uma situação de insegurança, diz um ex-ocupante de um cargo executivo.

É o que o agronegócio começa a fazer. Membros da bancada ruralista já iniciaram, nesta semana, um diálogo com o líder das pesquisas para a formação mais apropriada de governo para o setor.

A conjugação da inexperiência do candidato no Executivo e uma eventual proximidade de pessoas despreparadas para as funções seria um caminho certo para um potencial desastre no campo, segundo eles.

Safra

A colheita de grãos da safra 2018/19 deverá ficar entre 234 milhões e 238 milhões de toneladas, de 2,5% a 4,7% a mais do que a de 2017/18.

Soja

Os dados são do primeiro levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que prevê, ainda, uma safra de até 119 milhões de toneladas de soja e de 91 milhões de milho para o período.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 24/03
Sexta-Feira, 22/03
Instituto Ovos Brasil faz parceria com academia para levar informações sobre os valores nutricionais do ovo (15:02)
Conab avalia que aumento das exportações de soja podem afetar mercado interno (13:23)
Frango: preços sobem, influenciados pelo bom ritmo de embarques (08:33)
Ovos: preços do branco e do vermelho têm movimentos distintos (08:32)
Pré-Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 terá Simpósio de Automação (08:00)
Taxar o agro pode trazer grandes prejuízos ao país, dizem especialistas (07:06)
Para reflexão do setor: McDonald's testa nugget vegano feito de grão de bico, milho e batata (07:05)
Suíno Vivo: procura por animal vivo segue elevada (06:22)
Demanda lenta, mas preços do boi gordo firmes (06:20)
Possível atraso nas plantações de milho americano sustentam altas em Chicago (06:18)
Mesmo com enchentes nos EUA, mercado de soja não reage (06:17)
Soja: Preços sobem até R$ 2/saca nos portos e interior do Brasil (06:16)
Mercado de frango começa a ganhar fôlego e registra crescimento no 1º bimestre do ano em SC (04:02)
Mapa publica IN sobre novos procedimentos de registro de estabelecimentos sob SIF (03:58)
Quinta-Feira, 21/03
Suínos: demanda mantém preços elevados em SP (10:04)
Boi Gordo: abates aumentam 3,5% frente à 2017; volume é o maior desde 2014 (10:01)
Para reflexão do setor: NotCo chega ao Brasil com sua maionese sem ovo (09:19)
Missão do USDA que avaliará carne bovina será agendada esta semana (08:41)
Abate de suínos aumenta 61% em 11 anos, afirma IBGE (08:18)
ECPP fecha parceria com a Gujão Alimentos (08:04)
PIB do Agro fecha 2018 com estabilidade (07:28)
Tereza Cristina diz que agro precisa de investimentos em infraestrutura (07:26)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (07:07)
Cotações da arroba do boi gordo em alta (07:05)
Milho fecha a 4ª feira estável em Chicago (07:03)
Soja recua mais de 1% nos portos do Brasil (07:00)
Quarta-Feira, 20/03
Evonik lança novo método rápido e confiável para avaliar a qualidade de matérias-primas (13:42)
Cinergis Agronegócios realiza sua II Reunião Técnico-Comercial (12:41)
EUA vão informar em três dias quando virão ao Brasil inspecionar frigoríficos para liberar importação de carne bovina (12:32)
Funrural: terra de ninguém (11:47)
Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais (11:15)
Da Unitá para o mundo (10:43)
Deputados paulistas articulam bancada do agronegócio na ALESP (10:42)
SC: exportações do complexo soja aumentam 58% em 2019 (09:10)
China recusa habilitação de frigoríficos (08:20)
Estados Unidos mandarão equipe de inspeção ao Brasil para autorizar importação de carne in natura (08:15)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça-feira (19) (07:23)
Boi Gordo: mercado segue firme (07:22)
Em poucos dias começa o Congresso de Ovos da APA (07:17)
Milho fecha a 3ª feira com resultados misturados (07:05)
Soja fecha mais uma vez estável em Chicago (07:00)
Terça-Feira, 19/03
Exportações do agronegócio renderam US$ 7,2 bi em fevereiro (13:26)
Grupo Mantiqueira apresenta produto vegano e outras novidades na Super Rio Expofood (13:17)
Yes amplia estrutura comercial visando crescimento nos mercados nacional e internacional (13:10)
Embrapa: custos de produção de suínos e frangos de corte caem em fevereiro (12:27)
Concurso de Qualidade de Ovos 2019 acontecerá durante a 5ª FAVESU (08:23)
IEA divulga a estimativa da Produção Animal do Estado de São Paulo, em 2018 (08:21)
Nos EUA, redução de peso melhora lucro do frango (08:05)
Macedônia do Norte quer aumentar importação de frango do Paraná (08:04)
Produção paulista de frango caiu 11,1% em 2018 (08:00)
Boi Gordo: segunda quinzena começa com preços em alta (07:45)
Exportação de soja ultrapassa US$ 2,5 bi em fevereiro (07:40)
Soja tem pequenas baixas em Chicago nesta 3ª feira (07:29)
Milho desvalorizado em Chicago nesta segunda-feira (07:20)