Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Exportação

Globalmente, pescados batem carnes nas exportações
Genebra, Suíça, 11 de Outubro de 2018 - As exportações globais de pescados, que já rendem tanto quanto a soma das vendas externas de carnes bovina, de frango e suína, tendem a continuar em ascensão em meio à crescente demanda por atum, salmão e outras espécies.

Em apresentação na Organização Mundial do Comércio (OMC), Márcio Castro de Souza, especialista sênior da área de pesca da FAO, a agência da ONU para agricultura e alimentação, despertou atenção ao fazer a constatação. Em 2017, as exportações de pescado alcançaram US$ 122,3 bilhões, ante os US$ 50,5 bilhões da carne bovina, os US$ 40,2 bilhões da carne suína e os US$ 30,3 bilhões da carne de frango.

Uma das razões para a folgada liderança dos pescados é a variedade de espécies. Mesmo países que mais exportam em algum momento também importam variedades que não dispõem.

Com o crescimento populacional, os pescados conseguem fazer face à demanda em expansão por proteína animal, acrescentou Márcio Castro de Souza.

O aumento anual global do consumo de pescado tem sido duas vezes maior que o crescimento demográfico, segundo a FAO. O consumo passou de 9 quilos por pessoa, em 1961, para 20,5 quilos no ano passado.

Na América Latina, o consumo por habitante é de 9,8 quilos por habitante/ano, ante 22,5 quilos na Europa e 24 quilos na Ásia.

A maioria da oferta de pescado para consumo humano já vem da aquicultura, com 54% do total, e essa escalada deverá continuar. Até 2025, a expectativa é que a produção de pescado cresça para 196 milhões de toneladas, ante 171 milhões de toneladas em 2016.

Aproximadamente 85% da produção virá dos países em desenvolvimento. Mas há diferenças. Vários emergentes enfrentam diversos entraves para elevar suas vendas, como infraestrutura e distribuição deficientes.

No caso do Brasil, que tem um enorme litoral e boa quantidade de espécies comerciais, um dos problemas é a carência de cadeia de frigoríficos adequada para a conservação do pescado. Segundo especialistas, outro é a tributação. A ração para peixe paga mais taxas do que os produtos voltados a frangos ou gado, o que inibe o avanço da aquicultura.

Globalmente, a China lidera as exportações mundiais de pescado, com vendas de US$ 20,1 bilhões em 2016 e 14,1% da fatia do mercado internacional de pescado naquele ano. Em seguida vêm Noruega, com US$ 10,7 bilhões (7,6%), Vietnã, com US$ 7,4 bilhões (5,1%), Tailândia, com US$ 5,89 bilhões (4,1%), e EUA, com US$ 5,81 bilhões (4,1%).

Entre os desafios do segmento pesqueiro global, Márcio Castro de Souza aponta a crescente pressão para os produtores e exportadores provarem que seus produtos não são resultado de pesca ilegal. Outro obstáculo são as fraudes, já que muitas vezes espécies mais baratas são vendidas no mercado internacional com o rótulo de uma variedade mais cara.

No Brasil, por exemplo, nas festas natalinas o peixe Polaca, do Alasca, é vendido como peixe salgado tipo bacalhau, com preço até 600% mais caro que seu valor real, segundo fonte do setor.

Como produto perecível, o pescado é especialmente sensível a barreiras técnicas. Por isso, exportadores europeus monitoram as negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia para saber se seus carregamentos vão ter de parar nas fronteiras e correr risco de apodrecer.
(Valor Econômico ) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 21/05
Marcas apostam em 'carne vegetal' no país (15:39)
Safeeds apresenta linha de conservantes na Fenagra 2019 (15:35)
Vetanco do Brasil promoverá o produto Uniwall MOS 25 no Simpósio Goiano de Avicultura (09:23)
PIB do agronegócio brasileiro mantém queda no primeiro bimestre do ano (09:15)
PIB do agronegócio caiu no 1º bimestre, diz Cepea (09:10)
SC: exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019 (08:00)
Boi recupera a estabilidade em SP e a mantém em outras praças (07:55)
Milho: produtores se retraem e preços voltam a subir no Brasil (07:51)
Soja segue em alta nesta 3ª feira em Chicago refletindo plantio lento nos EUA (07:50)
Soja: cotações têm forte alta no Brasil e nos EUA (07:49)
Comitiva visita Santa Catarina visando à Rota do Milho (07:29)
Controle de gastos para otimizar a produção e ajudar na negociação (07:28)
Segunda-Feira, 20/05
'Frango 4.0’: 7 milhões de frangos por ano (09:02)
Mercado do Boi: cotações podem retomar fôlego (08:06)
Soja: semana de bons negócios no Brasil (08:00)
Retaliação da China cria pânico na suinocultura dos EUA e abre brecha para o Brasil (07:53)
SC quer estimular a produção de cereais de inverno para alimentação animal (07:51)
SC busca solução para o recolhimento de animais mortos (07:50)
Ovos no Amazonas: produção chegou a 520 milhões de unidades em 2018 (07:48)
Aves contrabandeadas são sacrificadas por falta de documentação sanitária (07:47)
Sexta-Feira, 17/05
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril (16:21)
Concurso de Qualidade de Ovos tem data definida (16:14)
Evonik foca sua participação no Simpósio Goiano de Avicultura em seu portfólio de produtos para saúde intestinal (15:19)
Frango: alta no valor da carne suína eleva competitividade (15:10)
Exportadores de aves e suínos fecham US$ 148,7 milhões em negócios durante a SIAL China 2019 (15:06)
Palestra Sobre Sucessão Familiar na 5ª FAVESU (13:08)
Nelson Barbudo contra a carne de laboratório (09:35)
Com influências de plantio, dólar e até peste suína, negociações de commodities se complicam (08:27)
China frustra expectativas de frigoríficos (08:20)
Exportações brasileiras de carnes cresceram 41% em abril (08:16)
Mercado do boi: pressão de baixa perdendo força (08:12)
Soja e milho têm novo dia de altas em Chicago (08:00)
Paraná é referência nacional na implantação de Cadecs (07:09)
Quinta-Feira, 16/05
Boi Gordo: preço do bezerro sobe, mas arroba permanece estável e poder de compra cai (11:00)
Demanda externa provoca reabertura de frigoríficos (10:55)
Ceva promove eventos sobre laringotraqueite infecciosa pelo país (10:44)
Confira a programação completa da 5ª Favesu (09:37)
Limpadora de ovos fica sem receber adicional de insalubridade de granja (09:09)
Governo costura nova medida para elevar disputa no crédito (08:16)
Mercado do Boi Gordo interrompe a queda por um dia para depois retomar rumo de baixa (08:10)
Cotações perdem força, mas milho encerra a quarta-feira ainda em alta na Bolsa de Chicago (08:08)
Preços da soja sobem forte no Brasil nesta 4ª feira (08:05)
Ministério muda regras para ingresso de produtos de origem animal no país (08:03)
Exportações do agro somam US$ 30,42 bi no quadrimestre (07:58)
Consultoria jurídica da CNA beneficia produtores integrados de aves e suínos (07:36)
Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp (07:34)
Criada há três anos, Lei da Integração trouxe equilíbrio entre produtores e agroindústria (07:32)
Quarta-Feira, 15/05
Ceva apresentará no Simpósio Goiano de Avicultura dados da vacina Cevac IBras (11:22)
Cobb-Vantress realiza Escola Técnica Cobb+Aurora e homenageia a empresa pelos 50 anos de história (11:18)
Veja os convidados confirmados do AveLive (09:40)
Conferência FACTA WPSA-Brasil: como a avicultura deve se preparar frente nova demanda? (09:18)
Com crédito, JBS reduz desembolso de imposto de renda (08:23)
Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto (08:05)
Oferta de boiadas melhora e pressão de baixa ganha força (08:01)
Cotações do milho disparam em Chicago nesta terça-feira (07:59)
Brasil negocia cerca de 2 mi de t de soja nesta 3ª feira com disparada dos preços em Chicago (07:57)
União Europeia volta a ser o principal destino das vendas externas paulistas (07:55)
Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos (07:10)