Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Exportação

Globalmente, pescados batem carnes nas exportações
Genebra, Suíça, 11 de Outubro de 2018 - As exportações globais de pescados, que já rendem tanto quanto a soma das vendas externas de carnes bovina, de frango e suína, tendem a continuar em ascensão em meio à crescente demanda por atum, salmão e outras espécies.

Em apresentação na Organização Mundial do Comércio (OMC), Márcio Castro de Souza, especialista sênior da área de pesca da FAO, a agência da ONU para agricultura e alimentação, despertou atenção ao fazer a constatação. Em 2017, as exportações de pescado alcançaram US$ 122,3 bilhões, ante os US$ 50,5 bilhões da carne bovina, os US$ 40,2 bilhões da carne suína e os US$ 30,3 bilhões da carne de frango.

Uma das razões para a folgada liderança dos pescados é a variedade de espécies. Mesmo países que mais exportam em algum momento também importam variedades que não dispõem.

Com o crescimento populacional, os pescados conseguem fazer face à demanda em expansão por proteína animal, acrescentou Márcio Castro de Souza.

O aumento anual global do consumo de pescado tem sido duas vezes maior que o crescimento demográfico, segundo a FAO. O consumo passou de 9 quilos por pessoa, em 1961, para 20,5 quilos no ano passado.

Na América Latina, o consumo por habitante é de 9,8 quilos por habitante/ano, ante 22,5 quilos na Europa e 24 quilos na Ásia.

A maioria da oferta de pescado para consumo humano já vem da aquicultura, com 54% do total, e essa escalada deverá continuar. Até 2025, a expectativa é que a produção de pescado cresça para 196 milhões de toneladas, ante 171 milhões de toneladas em 2016.

Aproximadamente 85% da produção virá dos países em desenvolvimento. Mas há diferenças. Vários emergentes enfrentam diversos entraves para elevar suas vendas, como infraestrutura e distribuição deficientes.

No caso do Brasil, que tem um enorme litoral e boa quantidade de espécies comerciais, um dos problemas é a carência de cadeia de frigoríficos adequada para a conservação do pescado. Segundo especialistas, outro é a tributação. A ração para peixe paga mais taxas do que os produtos voltados a frangos ou gado, o que inibe o avanço da aquicultura.

Globalmente, a China lidera as exportações mundiais de pescado, com vendas de US$ 20,1 bilhões em 2016 e 14,1% da fatia do mercado internacional de pescado naquele ano. Em seguida vêm Noruega, com US$ 10,7 bilhões (7,6%), Vietnã, com US$ 7,4 bilhões (5,1%), Tailândia, com US$ 5,89 bilhões (4,1%), e EUA, com US$ 5,81 bilhões (4,1%).

Entre os desafios do segmento pesqueiro global, Márcio Castro de Souza aponta a crescente pressão para os produtores e exportadores provarem que seus produtos não são resultado de pesca ilegal. Outro obstáculo são as fraudes, já que muitas vezes espécies mais baratas são vendidas no mercado internacional com o rótulo de uma variedade mais cara.

No Brasil, por exemplo, nas festas natalinas o peixe Polaca, do Alasca, é vendido como peixe salgado tipo bacalhau, com preço até 600% mais caro que seu valor real, segundo fonte do setor.

Como produto perecível, o pescado é especialmente sensível a barreiras técnicas. Por isso, exportadores europeus monitoram as negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia para saber se seus carregamentos vão ter de parar nas fronteiras e correr risco de apodrecer.
(Valor Econômico ) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)