Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Ciência e Tecnologia

Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC
Genebra, Suíça, 21 de Setembro de 2018 -

O governo de Michel Temer deverá alvejar a China na sua última disputa comercial de sua gestão. O Valor apurou que o Brasil decidiu acionar a Organização Mundial do Comércio (OMC) contra barreiras impostas por Pequim às exportações de açúcar.

Fontes consultadas pela reportagem afirmaram que a expectativa em Brasília é pedir até o fim do ano consultas com os chineses, primeiro passo exigido pelas regras da OMC para examinar um contencioso. A medida pavimenta o caminho para o próximo governo partir para a fase posterior, que é a abertura de um caso diante dos juízes do órgão.

A sobretaxa imposta pelos chineses no ano passado, que levou a tarifa a 90%, derrubou os embarques brasileiros de açúcar ao país asiático em quase 85% em 2017, para US$ 134 milhões, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Até então, o Brasil era o maior fornecedor de açucar para o mercado chinês. Durante um bom tempo, o Brasil insistiu em buscar esclarecimentos sobre a sobretaxa e maior acesso a estatísticas, para avaliar como retomar as vendas.

Mas os sinais emanados por Pequim é que a barreira vai aumentar. Quando a China aplicou a medida de salvaguarda para proteger sua indústria, isentou os produtores de países pobres. Mas recentemente sinalizou a representantes brasileiros que houve um surto de importações procedentes desses países, e que agora o plano é bloquear todos os exportadores.

Já uma eventual disputa com a China em razão de barreiras ao frango brasileiro deverá ficar para o próximo governo. Representantes do Brasil reiteram que investigações chinesas não conseguiram produzir evidências de dumping nas vendas, dano ou vínculo causal no caso da carne de frango. As exportações brasileiras representam apenas 5% do que a China importa.

Mas há outro problema em discussão na OMC, também relacionado ao açúcar. Em parceria com a Austrália, o Brasil voltará a reclamar da Índia e do Paquistão por concessões de subsídios ao setor durante reunião na semana que vem no Comitê de Agricultura do órgão. Brasileiros e australianos querem levar a disputa aos juízes da OMC, mas por enquanto o tema será tratado no comitê.

O governo da Índia avisou que vai contestar qualquer tentativa de desmantelamento de seus subsídios. Alega, em primeiro lugar, que a ajuda que concede a seus produtores de açucar é temporária. E diz que tem prazo até 2023 para pôr fim aos subsídios a essa indústria - na verdade, o plano atualmente em estudo é dar uma ajuda adicional de US$ 617 milhões ao setor, o que deverá ampliar suas exportações. A expectativa é que a India, que deverá superar o Brasil como maior produtor mundial, exporte 6 milhões de toneladas de açúcar em 2018, graças aos subsídios.

O Paquistão segue a mesma linha de subvencionar a produção para aumentar a exportação de açúcar, ignorando os acordos internacionais no comércio. (Colaborou Camila Souza Ramos, de São Paulo)

(Valor Econômico) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 16/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)