Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Ciência e Tecnologia

Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC
Genebra, Suíça, 21 de Setembro de 2018 -

O governo de Michel Temer deverá alvejar a China na sua última disputa comercial de sua gestão. O Valor apurou que o Brasil decidiu acionar a Organização Mundial do Comércio (OMC) contra barreiras impostas por Pequim às exportações de açúcar.

Fontes consultadas pela reportagem afirmaram que a expectativa em Brasília é pedir até o fim do ano consultas com os chineses, primeiro passo exigido pelas regras da OMC para examinar um contencioso. A medida pavimenta o caminho para o próximo governo partir para a fase posterior, que é a abertura de um caso diante dos juízes do órgão.

A sobretaxa imposta pelos chineses no ano passado, que levou a tarifa a 90%, derrubou os embarques brasileiros de açúcar ao país asiático em quase 85% em 2017, para US$ 134 milhões, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Até então, o Brasil era o maior fornecedor de açucar para o mercado chinês. Durante um bom tempo, o Brasil insistiu em buscar esclarecimentos sobre a sobretaxa e maior acesso a estatísticas, para avaliar como retomar as vendas.

Mas os sinais emanados por Pequim é que a barreira vai aumentar. Quando a China aplicou a medida de salvaguarda para proteger sua indústria, isentou os produtores de países pobres. Mas recentemente sinalizou a representantes brasileiros que houve um surto de importações procedentes desses países, e que agora o plano é bloquear todos os exportadores.

Já uma eventual disputa com a China em razão de barreiras ao frango brasileiro deverá ficar para o próximo governo. Representantes do Brasil reiteram que investigações chinesas não conseguiram produzir evidências de dumping nas vendas, dano ou vínculo causal no caso da carne de frango. As exportações brasileiras representam apenas 5% do que a China importa.

Mas há outro problema em discussão na OMC, também relacionado ao açúcar. Em parceria com a Austrália, o Brasil voltará a reclamar da Índia e do Paquistão por concessões de subsídios ao setor durante reunião na semana que vem no Comitê de Agricultura do órgão. Brasileiros e australianos querem levar a disputa aos juízes da OMC, mas por enquanto o tema será tratado no comitê.

O governo da Índia avisou que vai contestar qualquer tentativa de desmantelamento de seus subsídios. Alega, em primeiro lugar, que a ajuda que concede a seus produtores de açucar é temporária. E diz que tem prazo até 2023 para pôr fim aos subsídios a essa indústria - na verdade, o plano atualmente em estudo é dar uma ajuda adicional de US$ 617 milhões ao setor, o que deverá ampliar suas exportações. A expectativa é que a India, que deverá superar o Brasil como maior produtor mundial, exporte 6 milhões de toneladas de açúcar em 2018, graças aos subsídios.

O Paquistão segue a mesma linha de subvencionar a produção para aumentar a exportação de açúcar, ignorando os acordos internacionais no comércio. (Colaborou Camila Souza Ramos, de São Paulo)

(Valor Econômico) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)