Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Empresas

BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos”
São Paulo, 19 de Setembro de 2018 -

A chegada de um novo executivo e o fortalecimento do time liderado pelo CEO, Pedro Parente, coloca a BRF em um caminho para “voltar aos velhos tempos”, avalia o Bradesco BBI em um relatório enviado a clientes. O novo vice-presidente de qualidade, pesquisa & desenvolvimento e sustentabilidade Neil Peixoto tem 25 anos de experiência na indústria de alimentos, incluindo P&D na Kraft e Mondelez.

“Neil Peixoto também se encaixa no perfil da BRF de trazer profissionais experientes e com sólida formação no setor (como Vinícius Guimarães da Anheuser-Busch InBev para operações e Rubens Pereira da Cargill para estratégia) e/ou com experiência anterior na BRF (Como Sidney Manzaro). Com a equipe de gestores completa, vemos a BRF pronta para avançar com seu plano de reestruturação”, destacam os analistas Leandro Fontanesi e Ricardo França.

A recomendação de compra foi reforçada. O relatório aponta que a execução do plano de recuperação é o principal direcionador para ação no segundo semestre de 2018, o que poderá permitir o fechamento da diferença atual da ordem de 30% em relação ao múltiplo EV/Ebitda para cerca de 10% até o final do ano de 2018.

Em contato com a administração, o Santander ressaltou que a empresa está chamando a atenção do mercado para o próximo Brasil Foods Day, encontro com investidores, no próximo dia 8 de outubro. A empresa também reforçou que o balanço do segundo trimestre foi o pior do ano e que as coisas tendem a melhorar, principalmente em margem no terceiro trimestre.

“A gente sabe que essa é uma velha retórica da BRF e foi por meio dessa história, de sempre começar a melhorar no próximo trimestre, que o mercado foi de decepcionando. Mas, talvez com a nova gestão de Pedro Parente, a forma de comunicação com o mercado tenha melhorado. A nossa impressão é de que hoje até o investor day a ação pode ficar com um pouco mais de esperança”, destaca o banco.

Recomendação 

Goldman Sachs elevou na segunda-feira a recomendação para as ações da BRF de venda para compra e introduziu um preço-alvo de R$ 30,80 para o  horizonte de 12 meses, o que representa um potencial de valorização de aproximadamente 50%, revela um relatório enviado a clientes e assinado por Luca Cipiccia.

O analista utilizou as receitas de 2017 como base para o cálculo por conta da baixa visibilidade sobre o “timing” da venda dos ativos da empresa e incertezas sobre a normalização do mercado externo.

Ele lembra que os papéis têm queda de cerca de 70% após o pico de agosto de 2015 (enquanto o Ibovespa subiu mais de 50%) e baixa de 40% no ano (Ibovespa -2%) após uma sequência de notícias negativas. O Goldman Sachs acredita que o segundo trimestre deve ter marcado o menor nível de margens bruta e Ebitda.

O banco destaca que, desde meados de 2017, os problemas sobre a exportação aumentaram a oferta para um mercado doméstico já fraco e, mais recentemente, a greve dos caminhoneiros trouxe pressão adicional sobre a cadeia de valor da BRF.

“Indiretamente, no entanto, esse evento pode ter marcado, a nosso ver, o ponto mais baixo para a BRF e para a indústria, na medida em que acelerou um ‘aperto forçado’ na oferta, favorecendo um reequilíbrio com a demanda. De fato, os preços no Brasil mostraram alguma normalização nos últimos três meses e a participação de mercado da BRF se estabilizou, superando de maneira moderada a indústria”, destaca o relatório.


(Money Times) (Gustavo Kahil)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)